Pessoa_com_mascara

Desde o início da pandemia do coronavírus COVID-19, os especialistas alertaram para o seu impacto nas pessoas com doenças mentais. Para aqueles com transtornos de humor, a pandemia deu um soco “um não dois”: a depressão e a ansiedade causadas pelo medo de contrair o próprio coronavírus, e a depressão e a ansiedade aceleradas por medidas tomadas para combater a disseminação do coronavírus. Até o amplo uso do termo “distanciamento social” em vez do “distanciamento físico” mais preciso comunicava isolamento e solidão.

Acrescente a todas as consultas canceladas com psiquiatras e terapeutas, e devemos esperar um declínio acentuado na saúde mental. Foi exatamente o que aconteceu.

Uma pesquisa recente do Census Bureau com 42.000 adultos constatou que “24% dos [entrevistados] mostraram sinais clínicos de depressão grave e 30% mostraram sinais de ansiedade”. De acordo com o estudo, “a taxa de ansiedade e depressão foi maior entre adultos jovens, mulheres e pobres“. Para colocar esses números em um contexto melhor, metade dos adultos americanos disse que se sentiu deprimido durante a pandemia, enquanto apenas um quarto relatou sentimentos semelhantes em uma pesquisa realizada seis anos atrás.

As coisas podem até ser piores do que sugere essa pesquisa, realizada entre 7 e 12 de maio. Afinal, mais três semanas de isolamento e perturbação social não poderiam ter melhorado as coisas. Como o Washington Post disse, “os resultados refletem um aprofundamento das tendências existentes”, como “aumento da depressão, estresse e suicídio“, especialmente entre jovens adultos. Os autores do  Journal of the American Medical Association  chamam a combinação dos fatores COVID-19 com as tendências de mortalidade por suicídio já existentes, “uma tempestade perfeita”.

Possivelmente. Vai demorar um pouco até que possamos dizer com certeza se e como o COVID-19 afetou as taxas de suicídio. O que sabemos é que o COVID-19 está atacando uma nação que já é emocional e mentalmente frágil.

Essa fragilidade é, como costumamos dizer de outras coisas, a jusante do restante da cultura. Parte do que deixa as pessoas deprimidas e ansiosas é a biologia, mas muito disso tem a ver com a maneira como somos levados a viver. Como um médico disse, analisando o discurso inaugural de John F. Kennedy, “devemos perguntar não o que está dentro de nossas cabeças, mas, em vez disso, devemos perguntar o que estão dentro de nossas cabeças“.

O exemplo mais óbvio é a solidão, algo que discutimos repetidamente nos comentários anteriores do BreakPoint. Sociedades como a nossa são, na maioria das vezes, máquinas produtoras de solidão. Nosso senso profundamente enraizado de individualismo só é agravado pela nossa crescente preferência por relacionamentos virtuais em vez de face-a-face. Acrescente isso ao fato de que, para muitos, a mobilidade econômica ascendente exige o rompimento de vínculos com as pessoas e comunidades que nos deram um sentimento de pertencimento, propósito e segurança.

Em média, o número de amigos íntimos que os americanos têm, “confidentes com quem (discutir) assuntos importantes”, passou de três em 1985 para um em 2006. É difícil adivinhar qual será esse número no início de 2020.

Com isolamento social e, como o Journal disse, “acesso reduzido à comunidade e apoio religioso”, a frase “tempestade perfeita” é menos um clichê e mais uma realidade.

Isso faz parte da praga que os cristãos, de todas as pessoas, deveriam enfrentar. Chegar às pessoas que sofrem entre nós não requer permissão do estado, e temos os meios para manter o distanciamento físico de se tornar um isolamento social. Parte disso inclui educar-nos sobre sinais de depressão e medidas a serem tomadas para ajudar aqueles que estão lutando. Não faltam recursos educacionais online. E, não apenas podemos orar pelas pessoas que estão sofrendo, como podemos dizer a elas que estamos orando por elas.

Certamente, essa pandemia passará. Quando isso acontecer e começarmos a nos movimentar novamente pelo país, será fácil esquecer os feridos e os solitários. Não devemos.

Deus nos ajude a ser pessoas que não esquecerão.

O que significa COVID-19? Significado do nome Coronavírus

coronavírus varreu a maior parte do mundo agora, com mais de 7,193,476 casos em todo o mundo e mais de 710,887 somente no Brasil. O vírus surgiu inicialmente na China como 2019-nCoV, mas recebeu um novo nome ao ganhar força, mas o que isso significa?

COVID-19 de quê?

Quando surgiu, o vírus era conhecido como uma “nova” cepa da família dos coronavírus.

Os cientistas deram à cepa um nome provisório de 2019-nCoV, representando o ano da descoberta, seu status como um vírus “novo” e seu nome de família (CoV). (saiba mais clicando aqui)

Depressão! Procure ajuda de alguém!

O Pastor Cláudio Duarte, conhecido pelo bom humor em suas pregações e palestras para as famílias, participou na última semana de um evento promovido pela Igreja Internacional a Renovação, na cidade de Palmas.

Segundo Cláudio, ele soube que tinha depressão no primeiro semestre de 2018, sendo esse motivo pelo qual ele teve que se afastar das suas intensas atividades ministeriais.

Ele conta que o esgotamento mental e físico em que vivia, estava tornando-se em uma depressão, – “Eu me vi com um quadro bem suave de um início de depressão: fiquei uma semana sem sair de casa, não tinha mais prazer de fazer as coisas que antes eu tinha. Quando identifiquei a doença, procurei uma psicóloga e iniciamos um tratamento. Vi a necessidade de tirar um período de reclusão, de descanso, para poder me recuperar. O que fez com que eu cancelasse algumas agendas e compromissos”. (saiba mais clicando aqui)

O suicídio é um pecado imperdoável?

Alguns cristãos acreditam que o suicídio é um pecado imperdoável, a lógica é a seguinte: suicídio é auto-assassinato; nenhum assassino tem vida eterna; e você não pode se arrepender do pecado do suicídio, já que este é seu último e último ato.

Outros cristãos argumentam que somos perdoados por causa do que Jesus fez, não do que fazemos. Portanto, independentemente de quais pecados cometemos ou não, Jesus ainda nos salva.

Outros ainda diriam: “Quem disse que o suicídio é sempre um pecado? E se a pessoa sofresse dores insuportáveis ??ou não estivesse em sua mente ou no juízo perfeito? Certamente Deus ignoraria isso”. (saiba mais clicando aqui)

Deixe sua opinião

WhatsApp
Entre e receba as notícias e artigos do dia