Suposto Evangélico usa picareta para matar família no Mapim, em Várzea Grande

257

Um homem que se dizia evangélico matou a mulher, a filha e feriu gravemente o filho a golpes de picareta. Em seguida se matou enfiando uma faca no coração. A tragédia ocorreu por volta das 5h de ontem, no bairro Mapim, em Várzea Grande. Roney Hermsdorff, 51, autor dos crimes, estava em tratamento psiquiátrico e afastado do trabalho. Na casa vivia ainda a sogra de Roney, que não foi atacada, e conseguiu fugir levando o bisneto, de 6 meses. De acordo com um investigador da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Roney levantou da cama, pegou a picareta e matou o cachorro da família, um pit bull. Em seguida atacou a mulher, Rosa Marina de Souza Hermsdorff, 46, que estava dormindo. Foi então no outro quarto, atrás da filha, Áurea Vivianny de Souza Hermsdorff, 25. A jovem correu para a sala, gritando, mas o pai continuou a golpeá-la na cabeça, até que ela caiu nos fundos da casa.
A sogra, Dejamir Oliveira de Souza, acordou com os gritos da neta e tentou dissuadir Roney de atacar a própria filha, mas, segundo ela, ele “rosnava”, e dizia que não faria nada com ela, porque “ela não tinha nada a ver com aquilo”. Dejamir foi então chamar a filha Rosa Marina, mas já a achou quase morta, na cama. Foi até o quarto do neto, Roney Júnior, que demorou para acordar, dando tempo ao pai de atacá-lo também.
Desesperada, Dejamir pegou o bebê de Áurea e correu com ele para fora de casa. Ela gritou pelos vizinhos, que vieram em socorro, mas já era tarde. Roney havia liquidado a família e enterrado uma faca tipo canivete no peito. Morreu na hora.
Áurea morreu a caminho do hospital. Rosa Marina morreu às 11h, no Pronto-Socorro. Roney Júnior continuava internado em estado grave no CTI na noite de ontem. Segundo a noiva dele, Fabiane, o último boletim médico, divulgado às 17h, descreve que ele teve traumatismo craniano e estava em coma induzido.

O Documento / Padom

Deixe sua opinião