Polícia prende suspeitos de matar padre da CNBB no DF

266

preso assassino do padreUm dos rapazes seria garoto de programa, segundo polícia. Corpo do religioso foi encontrado na terça (16).

A polícia pediu nesta terça-feira (16) a prisão temporária de três dos quatro suspeitos de assassinar um padre assessor nacional do setor de juventude da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) no Distrito Federal. O quarto suspeito, menor de idade, foi levado para a Delegacia da Criança e do Adolescente. O corpo do padre foi encontrado no mesmo dia às margens da DF-445, no Incra 6, área rural de Brazlândia, cidade próxima a Brasília.

O delegado Willy Borges Amorim acredita que o religioso tenha sido atraído para um encontro. “Um dos suspeitos é conhecido por fazer programas com homossexuais e tem-se a notícia de que ele contactou outra pessoa antes e ele não atendeu, mas o padre atendeu”, afirma o delegado. “Já estava premeditado que a morte ia acontecer”.

Ele foi localizado quase 30 horas depois de a CNBB notar o desaparecimento dele. O padre João Périus, de Brazlândia, conhecia o religioso e foi até o local fazer o reconhecimento. “Era um padre jovem, cheio de vida, de projetos para ajudar no bem comum, e acabar numa situação assim é muito triste”, lamenta.

Na noite de segunda-feira (15), uma denúncia anônima levou policiais militares a localizarem o carro do padre na Vila São José em Brazlândia, com dois rapazes, um deles menor de idade. “Através do grupo tático, localizamos o veículo na Vila São José e os indivíduos disseram que pegaram o carro emprestado com outro rapaz”, relata o comandante da 9ª Companhia de Polícia Militar Independente, major Edgar Rojas.

Na manhã de terça-feira, esse terceiro rapaz foi preso e, à tarde, um quarto integrante da quadrilha, que seria um dos principais suspeitos de ter disparado contra o padre, segundo a polícia. Na chegada à delegacia, a mãe de um dos bandidos tentou agredir o rapaz.

O padre teria sido abordado em Taguatinga, no domingo (14) à noite, e levado até a área rural de Brazlândia, onde foi morto. Segundo a perícia, ele levou um tiro no rosto e dois na cabeça. Os policiais ainda encontraram com o menor um cheque de R$ 1 mil assinado pelo padre. Segundo a polícia, os bandidos também levaram cartões de crédito. Depois de executarem o padre, tentaram fazer saques no banco mas não conseguiram.

O padre era assessor nacional do setor de juventude da CNBB. Em nota, a entidade lamentou o assassinato e disse que ele foi vítima da violência que tentava combater. “O que tem por enquanto são especulações, segundo a polícia, informações contraditórias prestadas por cada um dos suspeitos”, comenta o advogado da Igreja Católica João Paulo Rodrigues.

G1/padom.com

Deixe sua opinião