História dos passageiros do voo 447 “Viaje nas asas de Deus”

0
110
adriana-van-sluijs
Adriana Van Sluijs, assessora de imprensa da Petrobras, torcia para que a viagem de trabalho fosse cancelada. Passageira do voo 477, tinha como destino final a Coreia do Sul

Assim Vazti Esther despediu-se da filha, Adriana Van Sluijs, passageira do voo 447
A jornalista Adriana Van Sluijs, 40 anos, tinha medo de avião. Ela embarcou no voo 447 para Paris, mas a capital francesa seria apenas uma escala. Adriana, da equipe de comunicação corporativa da área internacional da Petrobrás, viajava a trabalho para o interior da Coréia do Sul. Voaria 27 horas, ficaria apenas dois dias no país asiático, e voltaria ao Brasil. Por isso, ficou feliz quando a viagem, marcada inicialmente para a segunda-feira, 25 de maio, foi adiada. Adriana tinha esperança de que fosse cancelada, mas, no meio da semana passada, a ida foi confirmada para o último domingo. “E aí, amiga, está com medo?”, perguntou Cristiane Brasil, sua melhor amiga, pelo celular, quando Adriana se dirigia para o aeroporto. “Estou”, respondeu Adriana. “Amiga, vai dar tudo certo. Fica tranquila”. Às 8h do dia seguinte, segunda-feira, Cristiane acordou com a notícia, trazida pela empregada, de que um avião que ia para Paris tinha desaparecido.“Prezados Amigos da Adriana, é com imensa tristeza que venho aqui comunicar que nossa querida amiga Adriana nos deixou essa noite. Ela estava presente no voo da Air France que desapareceu no Oceano ontem (dia 31 à noite). Adri, o mundo ficará muito mais triste sem vc”, escreveu Eduardo Pereira, seu amigo desde o jardim de infância, no Orkut. Adriana tinha dezenas de amigos. Essa era a sua marca. Às vezes, chegava a ter três convites de casamento para o mesmo dia. Comparecia a todos eles. “Ela era o tipo que viajava até Juiz de Fora para o batizado do filho de um amigo”, conta Eduardo. “Imediatamente ficava amiga dos amigos, e assim por diante”, diz Cristiane.
O sobrenome incomum é de sua origem holandesa. Ela tinha dupla cidadania. Sua mãe, Vazti Esther, 70 anos, não conseguiu ir até o aeroporto para se despedir da filha. Deu adeus à filha pelo celular: “Viaje nas asas de Deus”.

Época/www.padom.com

Deixe sua opinião

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui