Ministro Alexandre de Moraes e Deputado Daniel Silveira
Alexandre de Moraes concede prisão domiciliar para Daniel Silveira com tornozeleira eletrônica (fotomontagem)

Foi publicado neste domingo, a decisão em que o ministro do STF Alexandre de Moraes, concede prisão domiciliar com monitoramento eletrônico ao deputado federal Daniel Silveira do PSL-RJ.

“A autoridade competente do Batalhão da Polícia Militar do estado do Rio de Janeiro, onde o denunciado encontra-se preso, deverá ser,

imediatamente, comunicada para o cumprimento integral da presente decisão”, traz a decisão assinada por Moraes. Ele está preso há quase um mês.

Embora tenha concedido “prisão domiciliar”, o despacho, de 13 páginas, proíbe Silveira de “receber visitas sem prévia autorização judicial”. Ele também está proibido de fazer publicações em redes sociais, “inclusive por meio de sua assessoria de imprensa”.

Daniel Silveira também não poderá conceder entrevistas. O parlamentar, porém, poderá retomar suas atividades como deputado, mas de forma remota. O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), deverá ser informado da decisão do ministro do STF.

Caso o parlamentar descumpra as ordens, ele poderá voltar à prisão, indicou Moraes. Silveira foi preso em razão de ataques que fez, em 16 de fevereiro, a ministros do STF, além de defender atos inconstitucionais.

Fatos criminosos gravíssimos praticados por Daniel Silveira

Segundo o UOL, no despacho de hoje, Moraes reforçou que “os fatos criminosos praticados por Daniel Silveira são gravíssimos” e lembrou que estes motivaram denúncia apresentada pelo MPF (Ministério Público Federal) contra o parlamentar.

Moraes, porém, recorda que a Procuradoria disse que “não se faz necessária, ao menos no presente momento, a manutenção da extrema restrição à liberdade, podendo ser eficazmente substituída por outras medidas cautelares alternativas”. Na última quinta (11), em meio a uma sessão com bate-boca, o STF adiou a análise da denúncia do MPF.

Leia também!  Fiel é assassinado dentro de igreja na zona leste de SP

Apesar de conceder a prisão domiciliar, o ministro mantém a avaliação de que Silveira praticou “reiteradas condutas ilícitas”, as quais “revelam sua periculosidade”.

“Pois não só reforçou as ameaças aos membros do STF, no momento de sua prisão —referindo-se, inclusive, a estar disposto a “matar ou morrer”—, como ainda, agressivamente, desrespeitou recomendações legais pela utilização de máscara de proteção individual, tendo, supostamente, desacatado funcionário público no exercício da função; além de, atuar ativamente para que, ilicitamente, telefones celulares fossem introduzidos no local onde cumpria sua detenção na Polícia Federal.”

Deixe sua opinião