A jovem assassinada no Jordão, na Zona Sul do Recife, foi enterrada nesta terça-feira (6), no Cemitério de Santo Amaro, área central da capital. O namorado da babá não compareceu ao enterro, o que fez a família desconfiar da versão dada pelo rapaz à polícia. Josiele Alves Salustiano, 19 anos, teria sido estuprada na frente do namorado e morta com dois tiros no rosto, na noite do último domingo (4). Segundo o namorado, o estudante José Edson de Lima Júnior, 24, o crime teria sido cometido por um desconhecido que invadiu o carro onde o casal estava namorando, no Alto do Cruzeiro.De acordo com um primo da vítima, Samuel Salustiano, 31, a versão de José Édson não tem convencido a família de que ele era inocente, e a desconfiança foi reforçada pela ausência do rapaz no velório. “Ele estava junto com ela no veículo, saiu, depois voltou até o local onde ela já se encontrava morta e saiu ileso. E ele não ter comparecido ao velório nos fez acreditar ainda mais que ele também pode ser culpado””, pontuou Samuel.
Segundo a irmã mais velha da vítima, Joseane Salustiano, 22, José Édson também não foi até a casa da família. Como o namoro é recente – tem cerca de um mês – Joseane disse que ainda não conhece o rapaz. De acordo com o pai do namorado da jovem, o taxista José Edson Lima, para acalmar-se, o filho teria viajado para a casa de uma tia no interior após prestar depoimento, nessa segunda-feira (5). Joseane disse que não sabia da viagem do rapaz.
O namorado, familiares e possíveis testemunhas do assassinato da babá deverão começar a ser intimados nesta terça-feira (6). O delegado Paulo Furtado, responsável pelas investigações do caso, disse ter pego o inquérito somente nesta terça, por isso ainda está se inteirando sobre o crime. Como não foram constatados resíduos de pólvora nas mãos de José Édson, Paulo Furtado afirmou que, “por enquanto, ele está na condição de vítima também”.
Pela versão do estudante, o criminoso teria apontado uma arma para o rapaz, obrigando-o a dirigir, enquanto estuprava a babá no banco de trás do táxi Siena pertencente ao pai de José Édson. Ele contou à polícia que conseguiu fugir do veículo para buscar ajuda e, quando retornou, encontrou a companheira morta. O assassino de Josiele foi descrito por José Edson como negro, forte, 1,80 m, cerca de 30 anos e aparentando estar alcoolizado.
Antes do crime, José Edson, Josiele e duas amigas dela foram a uma igreja evangélica. O culto durou das 19h10 às 20h40. Os dois, que namoravam há um mês, deixaram as amigas de Josiele na igreja e saíram à procura de algum lugar para namorar. A primeira intenção era ir até Boa Viagem, porém, como estava tarde, os dois acabaram ficando em uma rua escura no Alto do Cruzeiro.

JCONLINE / Padom

Deixe sua opinião