Bandeira de Israel e vacinação contra o covid
Especialistas de Israel, afirmam que o Israel não precisará de outra vacina, até 2022

Os israelenses não precisarão receber outra vacina contra o coronavírus antes de 2022, disse o Prof. Jonathan Halevy, presidente do Centro Médico Shaare Zedek, de Israel, ao The Jerusalem Post no domingo.

Como Israel desfruta dos efeitos do que o ministro da Saúde Yuli Edelstein definiu como o “milagre da vacinação” e um número crescente de atividades foi reaberto sob o contorno do passaporte verde, a questão de quanto tempo durará a proteção da inoculação torna-se mais relevante.

O certificado de vacinação expira depois de seis meses e o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu sublinhou várias vezes que está preparando o país para uma situação em que toda a população precisa ser vacinada duas vezes por ano.

Os especialistas médicos enfatizam que os dados são insuficientes, mas sugeriram que pode haver motivos para ter esperança.

“Ninguém sabe a resposta para a pergunta de quanto tempo a vacina vai durar, mas temos algumas evidências circunstanciais para ser mais otimistas do que acreditar que acabará em julho”, disse Halevy.

“Olhando para o nível de anticorpos naqueles que se recuperaram, notamos que ele diminui em alguns meses, mas também sabemos que há muitos poucos casos de reinfecções mencionados – algumas centenas de pessoas entre mais de 800.000 que foram infectadas – e o mesmo está acontecendo com as pessoas que receberam a vacina”.

Ele disse que os anticorpos mensuráveis ??não são o único fator que importa: “Há uma questão de memória celular, de como os linfócitos reagem e muito mais. Por isso arrisco o pescoço e digo que não precisaremos de outra vacina antes de 2022.

O único cenário em que outra vacina seria necessária antes disso é a ocorrência de uma mutação agressiva que começa a infectar as pessoas que já foram inoculadas. “Mas não parece que isso vai acontecer”, disse ele.

Halevy enfatizou que acredita que a inoculação contra COVID-19 acabará se tornando semelhante às vacinas contra a gripe, que precisam ser administradas todos os anos.

“A boa notícia é que as vacinas m-RNA são muito mais fáceis de se adaptar do que outras tecnologias”, explicou ele, mas aconselhou os especialistas médicos a serem humildes, considerando o quanto a pandemia nos surpreendeu constantemente.

O Prof. Cyrille Cohen, diretor do Laboratório de Imunoterapia da Universidade Bar-Ilan, também enfatizou a cautela.

“É muito difícil dizer quanto tempo a proteção vai durar”, disse ele. “Sabemos que, no caso de outros vírus da família corona, nem sempre é durável. Por exemplo, aqueles que causam resfriados comuns nos infectam várias vezes em nossas vidas.”

As várias centenas de casos de reinfecção em Israel mostram que a reinfecção é possível, e a questão de novas variantes adiciona outro nível de complexidade. Mas o fato de que em Israel a reinfecção é baixa – enquanto no Brasil, onde uma variante se desenvolveu, muitos contraíram o vírus duas vezes – parece mostrar que, no que diz respeito à cepa original do vírus, a recuperação oferece um alto nível de proteção, Cohen disse.

“A vacina é capaz de gerar anticorpos e células T semelhantes, então, se eu fosse apostar, diria que vai oferecer alguma proteção por pelo menos oito meses, talvez até mais: por um ano”, disse ele.

“O que sabemos sobre vacinas, por exemplo a da gripe, que é baseada em uma tecnologia diferente, é que oferecem proteção por cerca de seis ou 12 meses”, explicou Cohen. “É por isso que, neste momento, nosso passaporte verde expira em seis meses.”

Outro motivo para estar otimista, de acordo com o imunologista, é que ninguém que participou do ensaio clínico da Pfizer no verão passado parece ter sido infectado novamente.

“Até agora não ouvimos sobre isso. Mesmo que ainda não tenhamos os dados, parece que eles ainda estão protegidos”, disse Cohen.

“A grande questão permanece … variantes. E aqui realmente não sabemos o que vai acontecer”, disse ele. “Um cenário provável é que veremos imunidade parcial a certas variantes, e isso terá um impacto sobre a necessidade de ser vacinado novamente – não necessariamente por causa da duração da proteção, mas sim por causa da natureza da infecção.”

Deixe sua opinião