JUNTE-SE AO NOSSO GRUPO no Telegram ou WhatsApp. Oferecemos o que há de mais relevante em notícias e conteúdo cristão 🤗

Se você já foi levado pelo Espírito Santo e sentiu palavras desconhecidas saindo da sua boca, (falar em línguas) você sabe que não está no controle total do que está orando.

A ciência agora apóia essa falta de controle sobre sua língua, essencialmente provando que o Espírito Santo move ativamente seu padrão de fala quando se fala em línguas.

Em um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade da Pensilvânia, os cientistas rastrearam o fluxo sanguíneo no cérebro enquanto as mulheres falavam em línguas e cantavam canções gospel.  

Ao comparar os padrões criados por essas duas atividades emocionais e devocionais, os pesquisadores puderam localizar os picos e vales do fluxo sanguíneo exclusivos do falar em línguas,  relata o The New York Times.

As imagens cerebrais de cinco mulheres enquanto falavam em línguas revelam que seus lobos frontais – a parte pensante e voluntária do cérebro por meio da qual as pessoas controlam o que fazem – estavam relativamente quietos, assim como os centros de linguagem. As regiões envolvidas na manutenção da autoconsciência estavam ativas. As mulheres não estavam em transe cego e não estava claro qual região estava impulsionando o comportamento.

As imagens, que aparecem na edição de 2006 da revista Psychiatry Research: Neuroimaging, identificam as áreas mais ativas do cérebro. As imagens são as primeiras desse tipo tiradas durante essa prática religiosa falada, que tem raízes no Antigo e no Novo Testamentos e nas igrejas pentecostais estabelecidas no início do século XX. As mulheres no estudo eram frequentadoras ativas e saudáveis ??da igreja.

O incrível foi como as imagens apoiaram a interpretação das pessoas sobre o que estava acontecendo”, disse o Dr. Andrew B. Newberg, líder da equipe de estudo, que incluiu Donna Morgan, Nancy Wintering e Mark Waldman. “A maneira como elas descrevem, e no que elas acreditam, é que Deus está falando por meio deles”, disse ele.

O Dr. Newberg também é co-autor de “Por que acreditamos no que acreditamos”.

No estudo, os pesquisadores usaram técnicas de imagem para rastrear mudanças no fluxo sanguíneo no cérebro de cada mulher em duas condições, uma enquanto ela cantava uma música gospel e outra enquanto falava em outras línguas. Ao comparar os padrões criados por essas duas atividades emocionais e devocionais, os pesquisadores puderam identificar os picos e vales do fluxo sanguíneo exclusivos do falar em línguas.

A Sra. Morgan, co-autora do estudo, também foi objeto de pesquisa. Ela é uma cristã nascida de novo que diz que considera a habilidade de falar em línguas um dom. “Você está ciente do que está ao seu redor”, disse ela. “Você não está realmente fora de controle. Mas você não tem controle sobre o que está acontecendo. Você está apenas fluindo. Você está em um reino de paz e conforto, e é uma sensação fantástica.”

Ao contrário do que pode ser uma percepção comum, estudos sugerem que pessoas que falam em línguas raramente sofrem de problemas mentais. Um estudo recente de quase 1.000 cristãos evangélicos na Inglaterra descobriu que aqueles que se engajaram na prática eram mais estáveis ??emocionalmente do que aqueles que não o fizeram. Os pesquisadores identificaram pelo menos duas formas de prática, uma extática e frenética, a outra subjugada e quase silenciosa.

Falar em línguas, mulheres cheias do Espírito Santo
Mulheres em uma igreja pentecostal no Congo.Crédito…Evelyn Hockstein / Polaris

As novas descobertas contrastaram fortemente com as imagens tiradas de outros estados mentais inspirados espiritualmente, como a meditação, que geralmente é um exercício mental altamente focado, ativando os lobos frontais.

As imagens também mostraram uma queda na atividade de uma região chamada caudado esquerdo. “As descobertas dos lobos frontais são muito claras e fazem sentido, mas o caudado geralmente está ativo quando você tem afeto positivo, prazer, emoções positivas“, disse o Dr. James A. Coan, psicólogo da Universidade da Virgínia. “Portanto, não está tão claro o que essa descoberta diz” sobre falar em línguas.

A área caudada também está envolvida no controle motor e emocional, disse Newberg, então pode ser que os praticantes, embora cientes de suas circunstâncias, cedam algum controle sobre seus corpos e emoções.

O dom de falar em línguas

Ora, estavam habitando em Jerusalém judeus, homens piedosos, vindos de todas as nações debaixo do céu. Quando, pois, se fez ouvir aquela voz, afluiu a multidão, que se possuiu de perplexidade, porquanto cada um os ouvia falar na sua própria língua. Estavam, pois, atônitos e se admiravam, dizendo: Vede! Não são, porventura, galileus todos esses que aí estão falando? E como os ouvimos falar, cada um em nossa própria língua materna? Somos partos, medos, elamitas e os naturais da Mesopotâmia, Judeia, Capadócia, Ponto e Ásia, da Frígia, da Panfília, do Egito e das regiões da Líbia, nas imediações de Cirene, e romanos que aqui residem, tanto judeus como prosélitos, cretenses e arábios. Como os ouvimos falar em nossas próprias línguas as grandezas de Deus? Todos, atônitos e perplexos, interpelavam uns aos outros: Que quer isto dizer? Outros, porém, zombando, diziam: Estão embriagados!

ATOS 2:5?-?13

Deixe sua opinião