Noticias GospelCentenas de evangélicos se reuniram recentemente em frente à Universidade de Concepción, no Chile, para protestar contra o lançamento do conto infantil “Nicolas tem dois papais”.

Concepción é a primeira cidade onde o livro foi apresentado, e seu lançamento foi presidido pelo líder do Movimento de Integração e Libertação Homossexual, (MOVILH), Rolando Jimenez, que disse que a cidade tem um simbolismo importante por ser muito conservadora.

No discurso, o líder aproveitou para anunciar que apresentaria um projeto de lei para que acabem os simbolismos e extremismo religioso para que os grupos não imponham o seu culto a cidadania.

noticias-gospel-evangelicos-protesto-contoDurante o evento ofereceram aos participantes um livro de contos para que pudessem ler junto com as crianças, onde conta a historia de uma criança de mãos dadas com seus dois pais.

Vários representantes de partidos políticos chilenos participaram do lançamento do livro.

Este livro infantil da psicóloga Leslie Nicholls tem gerado muita controvérsia em nível social, político e religioso, porque o seu objetivo é educar as crianças sobre a diversidade sexual.

A Associação Nacional de Redes Pastorais Evangélicos apresentou em Novembro uma liminar contra o Governo do Chile, rejeitando o patrocínio e difusão deste conto.

A ação liderada pelo Rev. Javier Soto foi dirigida contra o ministro da Educação Nicolás Eyzaguirre, a diretora da JUNJI, María Teresa viu Grossy, e o representante do MOVILH, Rolando Jiménez.

Irritado com a distribuição do texto em estabelecimentos de ensino, a igreja evangélica decidiu tomar ações legais e demonstrar o seu desagrado com essa atitude.

Em suas paginas, o pequeno Nicolás, narra a normalidade de sua vida junto a Sebastián e Pablo, seus dois pais, incorporados em uma sociedade que tem perguntas, mas não discrimina por este fato.

Leia também!  Homem é condenado a morte no Paquistão por mensagens no WhatsApp

“Este livro não está falando sobre a homossexualidade, mas está falando de uma família homoparental. Basicamente, fala-se de uma relação familiar. “, disse a sua autora em entrevista à Radio Bio Bio.

Aprovação do casamento gay

O Congresso do Chile na quarta-feira passada aprovou a primeira lei de união civil ou de fato que rege a coabitação e estado civil e cria um novo estado civil acessível aos casais heterossexuais e homossexuais.

A lei criou o “Acordo de União Civil” (AUC), que permite que casais que vivem juntos sem serem casados partilham de bens a nível jurídico, recebendo heranças, pensões, ou terem direitos ao sistema de saúde, entre outros direitos.

Casamentos gay celebrados em países onde é permitido, serão inscritos no Chile sob união civil estadual (AUC).

Para muitos, a aprovação desta lei é histórico porque o Chile é um país de tradição muito conservador. Em 1999, uma lei que pune homossexuais (“sodomia”) com pena de prisão foi abolido.

Portal Padom

Deixe sua opinião