As descrições clássicas do apocalipse anunciam um dia a ser temido. A terra é invadida pelo mal e pela destruição. As guerras se espalham por todo o globo e o fogo cai do céu enquanto o julgamento divino é feito sobre uma humanidade perversa. A frase “inferno na terra” geralmente está conectada a esta representação popular do fim dos tempos . O Fim dos Tempos é um tempo de julgamento, ira e condenação.

Embora essas coisas sejam roteiros de filmes emocionantes, essa imagem coincide com a descrição bíblica do Fim dos Tempos? Mais especificamente, para aqueles que pertencem a Cristo, o Fim do Mundo é algo que devemos temer? Como a fé no amor implacável de Deus e a mensagem de reconciliação por meio da cruz mudam a maneira como esperamos o culminar de toda a história?

Apesar dessas representações populares, os cristãos não precisam temer o Fim dos Tempos. Na verdade, para os cristãos, o Fim dos Tempos é um tempo de esperança, um tempo de promessa. A segunda vinda de Cristo é um dia que antecipamos, desejamos e esperamos. Se você se sente tentado a ser dominado pelo medo ao pensar no Fim dos Tempos, aqui estão três coisas a serem consideradas.

1. É um tempo de amorosa redenção

Quando falamos do Fim dos Tempos, devemos reconhecer uma certa tensão que existe no testemunho das escrituras. Por um lado, não podemos escapar da realidade de que o fim dos tempos traz o julgamento justo de Deus.

O fim dos tempos é quando Deus desfere um golpe final no poder do pecado e da morte. O pecado foi derrotado, assim como a obra desumanizante do diabo. Por causa desse julgamento, o fim dos tempos às vezes é expresso negativamente.

O profeta Malaquias, por exemplo, clama “Mas quem poderá aguentar o dia em que ele vier? Quem ficará firme quando ele aparecer? Pois ele será como o fogo, para nos purificar; será como o sabão, para nos lavar.” – Malaquias 3:2. A visitação de Deus na terra trata do pecado, não apenas no mundo, mas também em nós mesmos. Sem dúvida, esta não é uma experiência confortável.

No entanto, Malaquias é profundo na imagem que apresenta. Malaquias fala do Fim dos Tempos como um tempo de refinamento e purificação. O refino de metal envolve a queima de impurezas para que a glória original do metal seja revelada. O propósito de refinar e purificar é restaurar o metal, não destruí-lo. Por mais incômodo que seja esse processo, essa é uma imagem de redenção.

O Fim dos Tempos, portanto, anuncia o amor infalível de Deus. É um erro associar o Fim dos Tempos com a ira vingativa de Deus. Deus é amoroso com a criação de Deus e estende amor a todos os que Deus fez.

Jesus disse: “Naquele tempo, eles verão o Filho do Homem vindo em uma nuvem com poder e grande glória. Quando essas coisas começarem a acontecer, levante-se e erga a cabeça, porque a sua redenção se aproxima ”( Lucas 22: 27-28 ).

Não tememos a vinda de Cristo porque nosso pecado está coberto pelo sangue de Jesus. Estamos perdoados. Não há nada a temer porque o Fim dos Tempos traz a plena realização de nossa redenção.

2. É um dia de recreação

O livro do Apocalipse é um dos principais lugares onde o fim dos tempos é articulado nas Escrituras. Muitos erroneamente veem a visão de João como de destruição e ira. No entanto, essa não é a realidade da visão apocalíptica de João. Em vez de uma experiência mística de destruição sem fim, a visão de João do fim dos tempos é infundida com a graça e o amor de Deus.

Perto do final do livro, João escreve,

Então vi um novo céu e uma nova terra. O primeiro céu e a primeira terra desapareceram, e o mar sumiu. E vi a Cidade Santa, a nova Jerusalém, que descia do céu. Ela vinha de Deus, enfeitada e preparada, vestida como uma noiva que vai se encontrar com o noivo. Ouvi uma voz forte que vinha do trono, a qual disse: — Agora a morada de Deus está entre os seres humanos! Deus vai morar com eles, e eles serão os povos dele. O próprio Deus estará com eles e será o Deus deles. Ele enxugará dos olhos deles todas as lágrimas. Não haverá mais morte, nem tristeza, nem choro, nem dor. As coisas velhas já passaram. Aquele que estava sentado no trono disse: — Agora faço novas todas as coisas! E também me disse: — Escreva isto, pois estas palavras são verdadeiras e merecem confiança. E continuou: — Tudo está feito! Eu sou o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim. A quem tem sede darei água para beber, de graça, da fonte da água da vida.” –  Apocalipse 21:1?-?6

Esta é a visão definitiva do fim. Deus recria um Novo Céu e uma Nova Terra. “Olha, eu faço tudo novo”, declara aquele que está sentado no trono (Apocalipse 21:3).

A visão de João do Novo Céu e da Nova Terra reflete diretamente a criação original encontrada em Gênesis 1-3 . Como o Jardim do Éden, João observa um grande rio e uma árvore poderosa no centro da Nova Jerusalém. O rio dá vida e as folhas da árvore trazem cura, não separação. O significado disso é claro: o mundo perdido por meio do pecado e do engano, em Gênesis 3 , está agora recriado.

Isso é exatamente o que “apocalíptico” significa. Um “apocalipse” é quando Deus fecha uma era para que outra comece. Isso é o que ocorre com a segunda vinda de Cristo. Os cristãos não temem o Fim dos Tempos porque o fim apocalíptico desta era é apenas o tempo em que toda a criação é restaurada e somos conduzidos ao reino sem fim de Deus.

3. Agora vivemos no fim dos tempos

Frequentemente, falamos do Fim do Mundo como ocorrendo à distância. Na verdade, podemos até mesmo duvidar se o “Fim dos Tempos” ocorrerá. Teologicamente falando, no entanto, vivemos hoje no Fim dos Tempos. Os teólogos classificam nosso tempo presente como o “agora, mas ainda não”. Enquanto vivemos em plena realidade do reino de Deus, ainda aguardamos a culminação da salvação de Deus no mundo.

O Fim dos Tempos é uma realidade presente porque vivemos na expectativa da volta de Cristo. Jesus falou sobre essa mesma dinâmica no Evangelho de Mateus. Quando questionados sobre quais sinais podem indicar o fim dos tempos,

Jesus respondeu: “Não tenham medo quando ouvirem o barulho de batalhas ou notícias de guerras. Tudo isso vai acontecer, mas ainda não será o fim. Uma nação vai guerrear contra outra, e um país atacará outro. Em vários lugares haverá falta de alimentos e tremores de terra. Essas coisas serão como as primeiras dores de parto”. – Mateus 24:6?-?8. Jesus é claro sobre o que acontece na terra antes do pleno estabelecimento do reinado de Deus.

A descrição de Cristo é assustadoramente contemporânea. Faça uma varredura em qualquer canal de notícias e inevitavelmente ouvirá sobre “guerras e rumores de guerras”. O globo continua a tremer, às vezes violentamente, e os furacões causam devastação contínua em todo o mundo.

Além disso, a lacuna entre “os que têm” e os “que não têm” continua a aumentar, e a fome, a pobreza e a fome são uma triste realidade para muitos em todo o mundo. Atualmente, navegamos nas águas de uma pandemia global.

Em última análise, dizer que vivemos no fim dos tempos é apenas dizer que vivemos em um mundo que precisa desesperadamente do poder de cura de Cristo. Vivemos em um mundo que precisa de redenção. Mesmo hoje, “toda a criação espera na expectativa que os filhos de Deus sejam revelados” (Romanos 8:19).

O chamado dos cristãos não é para temer o fim dos tempos ou fugir deles, mas para envolvê-los no poder do Espírito e no testemunho do evangelho. Não apenas o amor de Jesus nos cerca, mas o Espírito também nos capacita para vivermos fielmente nesta época.

Por que não devemos ter medo?

Jamais podemos mergulhar nas profundezas do que o Fim dos Tempos significa plenamente para nós em nossa vida de fé. No final, o Fim dos Tempos fala da culminação da obra redentora de Deus. Essas coisas sempre estarão além da compreensão total de nossas mentes finitas.

Até o dia em que “conheceremos plenamente como [somos] plenamente conhecidos” (1 Coríntios 13:12), somos chamados a reconhecer que o fim dos tempos fala à soberania de Deus. Deus está no controle e a redenção de Deus está assegurada. Podemos ter certeza disso e, portanto, não precisamos temer.

por: Rev. Kyle Norman

traduzido e adaptado por: Pb. Thiago D. F. Lima

Deixe sua opinião