Rasha Muklasha, que supostamente foi assassinada por seu filho Muad Hib em 5 de agosto de 2021 (Polícia de Israel)
Rasha Muklasha, que supostamente foi assassinada por seu filho Muad Hib em 5 de agosto de 2021 (Polícia de Israel)

Uma mulher de 46 anos foi encontrada morta em uma seção do rio Jordão, no norte de Israel, um dia depois que seu filho, de quase 20 anos, a assassinou porque ela se converteu do islamismo ao cristianismo ortodoxo, dizem os promotores.

O suspeito, Muad Hib, 27, supostamente usou uma corda ou as mãos para estrangular sua mãe, Rasha Muklasha, até que ela morresse, relatórios policiais e documentos judiciais alegam que o crime ocorreu no dia 5 de agosto.

De acordo com o The Times of Israel, a acusação alega que Hib cavou um buraco, enterrou o corpo e cobriu o local com pedras e folhas secas “tudo para obscurecer a localização do corpo e torná-lo mais difícil de localizar”.

Hib foi acusado na segunda-feira de homicídio premeditado.

Em 2006, a vítima teria se afastada de seu marido e cinco filhos depois que ela se mudou de Zarzir para Nof HaGalil, onde se converteu ao cristianismo.

Depois de quase 15 anos, ela se reconectou com seus filhos depois que seu ex-marido morreu. No entanto, sua conversão ao cristianismo supostamente provocou e irritou Hib, o que os promotores presumiram ser o motivo por trás de sua intenção de matar.

Os promotores afirmam que o assassinato foi planejado por Hib, que encontrou sua mãe perto de Nazaré e a pegou em seu veículo com a intenção de matá-la e se desfazer de seus restos mortais.

As autoridades afirmam que depois que o filho sufocou a mãe até a morte, ele procurou um lugar para esconder o corpo dela.

Enquanto procurava, Hib teria colidido com um bloqueio policial e fugido do local. A acusação alega que ele se dirigiu ao rio Jordão, onde escondeu a falecida.

A polícia disse que Hib esbarrou em um segundo bloqueio em que o prendeu após uma curta perseguição perto de Nahalal.

Ambos os irmãos de Hib, 23 e 20, foram presos separadamente.

De acordo com o The Jerusalem Post, todos os três homens foram detidos até que evidências suficientes pudessem ser compiladas para acusar o irmão do meio de ser o principal perpetrador. Depois disso, os outros foram soltos .

A polícia disse que realizou uma busca intensiva pelos restos mortais de Muklasha usando helicópteros, uma unidade canina, cavalaria e unidades de rastreamento.

“O rápido trabalho dos investigadores na localização do suspeito e a suspeita de um caso de assassinato levaram ao lançamento de todas as forças do Distrito Norte para uma operação rápida e ampla para localizar o corpo da vítima”, disse o chefe do Distrito Norte, Shimon Lavi, conforme citado em um artigo do Times of Israel em agosto. “[Isso mostra] o total compromisso da polícia em resolver o crime na comunidade árabe, usando todos os meios à nossa disposição.”

As notícias da acusação chegam enquanto o crime e a violência aumentam em toda a comunidade árabe de Israel. De acordo com o Haaretz , houve 90 assassinatos na comunidade árabe de Israel desde o início de 2021, e a grande maioria dos perpetradores não foi levada à justiça.

A agência calcula ainda que apenas 23% dos assassinatos na comunidade árabe de Israel foram resolvidos. Algumas das vítimas são espectadores azarados, criminosos conhecidos ou mulheres vítimas de violência doméstica.

A polícia foi acusada de não fazer o suficiente para proteger a sociedade árabe de Israel.

“A situação só piorou”, disse ao Haaretz Thabet Abu Rass, co-diretor executivo de uma organização chamada Abraham Initiatives, que defende a igualdade entre judeus e árabes.

“Sim, vimos mais consciência sobre o crime e a violência, de cima para baixo; todos estão falando sobre isso. No entanto, ao mesmo tempo, no terreno, o crime violento está se acelerando e a sociedade árabe perdeu completamente o senso de segurança. “

Em julho, o primeiro-ministro Naftali Bennett afirmou que o índice de violência e crime nas comunidades árabes israelenses é uma “calamidade nacional que foi negligenciada por muitos anos”.

“O crime ocorre no dia a dia e o medo domina as ruas. É responsabilidade do governo combater e lidar com o fenômeno e é uma missão nacional”.

Em setembro, as autoridades israelenses supostamente começaram a recrutar centenas de novos policiais e trabalhar com uma agência de segurança doméstica para combater a violência na comunidade árabe. A mudança aconteceu depois que várias pessoas foram mortas dias antes.

Deixe sua opinião