Salesianos chegaram à região há um século e tentaram converter nativos.
Novo bispo local defende manutenção da cultura tradicional.
Desde o início do século passado, a Igreja Católica se esforçou para converter os índios de São Gabriel da Cachoeira, região remota do estado do Amazonas. Padres salesianos foram proibindo tudo: malocas coletivas, rituais, línguas.
A obsessão católica pela conversão dos “selvagens”, no entanto, foi diminuindo com o tempo. A ideia de que há almas pagãs vagando na floresta e que elas precisam ser salvas a qualquer custo já não é mais aceita pela direção da Igreja.
O novo chefe da Diocese de São Gabriel chegou ao local já com a fama de ser o bispo dos índios.
A ordenação episcopal foi uma festa indígena: o gaúcho Edson Damian foi benzido e ganhou um cocar. Rezou a primeira missa numa igreja em forma de maloca e veio disposto a rever o conceito de conversão.
“São os índios, que estão vivendo como viviam os primeiros cristãos, que tinham tudo em comum. Nós é que temos que nos converter a eles”, defende Damian. Para ele, é papel da Igreja defender os direitos dos índios. “O índio sem terra é o índio que perdeu toda a sua referência cultural e religiosa”, argumenta.
Ex-padre, o índio tukano Domingos Sávio Barreto foi um dos alunos das imensas missões católicas construídas no meio da selva numa época em que o acesso era muito mais difícil. “Nos ensinaram dizendo: o que vocês têm não presta, não serve”, relembra.
“Disseram que a nossa cultura era coisa do demônio, e a partir daí a nossa tradição, os nossos benzimentos sumiram com o passar do tempo”, conta outro tukano, Damásio Azevedo.
A nudez dos índios era considerada obscena. O índio Horácio Moreira, como todos os de sua aldeia, também chegou nu ao colégio, há mais de 50 anos. Mas os padres o transformaram no primeiro alfaiate indígena da Amazônia.
Para Domingos Barreto, alguns evangélicos estão fazendo agora o que os católicos já fizeram antes.
“Você tem que ensinar, que eles não conhecem o que está escrito na Palavra, que tem um Deus que criou eles, que não é deus sol, que não é deus lua, que é um Deus que está escrito na Bíblia”, prega o pastor da Assembléia de Deus Wellington da Silva Monteiro.
Barreto, no entanto, defende a religião tradicional de seu povo: “Deus é a natureza, são as árvores, a própria caça, a própria pescaria”.
G1 / Padom

Deixe sua opinião

Leia também!  “Vou ser o pastor de São Paulo”, diz Feliciano