3 estágios de oração que levam você a uma intimidade mais profunda com Jesus

A oração contemplativa é crucial em nossa caminhada com Cristo.

Muitas vezes, a oração contemplativa tem sido relegada à história da igreja antiga. Mas Deus está restaurando isso como um meio para desenvolver intimidade com ele.

Descobri que o caminho mais direto para uma maior intimidade com Deus veio através da prática ou disciplina de uma arte quase perdida na igreja acelerada de hoje – algo chamado oração contemplativa. Há mais de uma década, esse tipo de oração chamou minha atenção através de algumas experiências que Deus ordenou e, desde então, tornou-se uma das características centrais de minha caminhada com Deus.

Quando comecei a praticá-lo, passei um ano inteiro lendo apenas a Bíblia e os escritos dos primeiros líderes cristãos, comumente conhecidos como “pais do deserto”. Quanto mais eu lia, mais percebia que estava em terreno familiar. Esta era uma estrada que eu já estava andando em certa medida.

A oração contemplativa é toda sobre a busca de intimidade com Deus. A Bíblia está cheia de referências a esta missão:

“Mas todos nós, com rosto desvelado, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor” (2 Coríntios 3:18).

“Fica silente e sabes que eu sou Deus; serei exaltado entre as nações, serei exaltado na terra” (Sl 46:10).

“Olhando para Jesus, autor e consumador da nossa fé, que pela alegria que foi apresentada diante dEle suportou a cruz, desprezando a vergonha, e sentou-se à destra do trono de Deus” (Hebreus 12: 2 ).

A oração contemplativa é uma antiga prática cristã que não tem sido amplamente conhecida ou praticada em muitas fileiras evangélicas e carismáticas, mas creio que o Espírito de Deus está restaurando-a para o corpo mais amplo de Cristo em nossos dias.

Na oração contemplativa, nós, como cristãos, não nos relacionamos com Deus primariamente como aquele que está sentado em Seu trono no céu; nos conectamos com Ele, através da realidade do nosso novo nascimento em Cristo, como aquele que estabeleceu residência dentro de nós. Cada um de nós tem um trono em nossos corações, onde Ele habita de maneira muito pessoal.

Richard J. Foster, autor dos clássicos cristãos modernos “Celebração da Disciplina e Oração: Encontrando o Verdadeiro Lar do Coração” , é um estudante de longa data de várias formas de oração. Através de seus estudos e experiências, ele encapsulou a oração contemplativa em três estágios: recordação, a oração do êxtase silencioso e espiritual.

Lembrança. A fase um é a lembrança, o que significa deixar de lado todas as distrações concorrentes. Essa é a idéia por trás do Salmo 46:10: “Fique quieto e saiba que eu sou Deus”.

Algumas traduções literalmente dizem assim: “Relaxe e deixe ir, e saiba que eu sou Deus”.

Há uma correlação aqui entre o conhecimento interior, de uma maneira reveladora, do grande amor de Deus por nós e arrependimento de nossa parte. “Arrependimento” significa afastar-se do pecado e voltar-se para Deus. Em recordação, significa afastar-se de todas as distrações concorrentes para se concentrar no Senhor e em Sua presença.

Enquanto descansamos em silêncio, pedimos ao Espírito Santo que torne Jesus real para nós e feche todas as outras coisas. Foster ensina que uma maneira de fazer isso é ver Jesus sentado em uma cadeira em frente de nós. Ele realmente está presente, mas às vezes precisamos de ajuda para visualizar essa realidade. Deus criou nossa imaginação e, como todas as outras faculdades que possuímos, precisamos santificá-la, rendê-la e usá-la para os propósitos de Deus.

Nossa capacidade de fluir no dom de operar milagres, incluindo milagres criativos, vem em parte da nossa entrega ao Senhor nossa imaginação, porque é aí que começamos a acreditar no impossível. Utilizar nossa imaginação na contemplação é perfeitamente apropriado e um dos melhores usos que podemos colocar quando pedimos a Deus que santifique e preencha nossos sentidos com o Seu Espírito. Isso não é o mesmo que imagens de Nova Era, mas simplesmente o que o irmão Lawrence chamou de “a prática da presença de Deus”.

Se frustrações e distrações nos pressionarem, então precisamos de uma estratégia para excluí-las. Madame Jeanne Guyon, a mística cristã francesa do final do século 17 e início do século 18 e pioneira da oração contemplativa, recomendou meditar nas Escrituras para este propósito. Ela escreveu que quando distrações concorrentes disputam nossa atenção, devemos meditar, meditar, ponderar e murmurar sobre as Escrituras. Meditar nas Escrituras nos ajuda a reorientar nossa atenção no Senhor.

A oração do quieto. À medida que nos acostumamos à graça unificadora da lembrança, somos introduzidos na segunda fase da oração contemplativa – o que Santa Teresa de Ávila e muitos outros chamam de “o centro do silêncio”, ou a oração do silêncio.

Por meio da lembrança, afastamos todos os obstáculos do coração, todas as distrações da mente e todas as vacilações da vontade. As graças divinas de amor e adoração nos inundam como ondas do oceano, e no centro de nosso ser estamos calados. Há uma quietude, com certeza, mas é uma quietude de escuta. Algo profundo dentro de nós foi despertado e trazido à atenção, e nosso espírito agora está na ponta dos pés, alerta e escutando. Então vem um olhar firme para dentro do coração, às vezes chamado de “contemplar o Senhor“.

Agora nos aquecemos no calor de seu querido abraço. Enquanto esperamos diante de Deus, Ele graciosamente nos dá um espírito de ensino. Nosso objetivo, é claro, é trazer esse contentamento às expressões cotidianas da vida, mas isso normalmente não vem rapidamente para nós.

Contudo, à medida que experimentamos mais e mais a atenção interior ao Seu sussurro divino, começaremos a levar a Sua presença ao longo dos nossos dias. Assim como a fumaça é absorvida em nossas roupas e carregamos seu cheiro conosco, o aroma da presença de Deus começa a penetrar em nosso ser e nos tornamos portadores de Sua fragrância onde quer que formos.

Êxtase espiritual. A terceira fase da oração contemplativa é o êxtase espiritual. Qualquer um que tenha estado em torno de pessoas proféticas e vidente sabe que elas tendem a ser calmas por natureza. Eles se acalmam, muitas vezes até fechando os olhos, e esperam em um repouso quase passivo. Naquele lugar de desprendimento silencioso da realidade ao seu redor, a iluminação – o espírito de revelação – é concedida, e seu ser se torna preenchido com os quadros de Deus, os pensamentos de Deus e o coração de Deus.

É assim que funciona comigo. Aplico o sangue de Cristo à minha vida e sossego meu ser externo. Então eu adoro o Senhor e me delicio com a beleza de Sua presença. Então Ele me leva a salas permeadas com a luz do Seu amor e preenche meu ser com visões que Ele deseja que eu veja. Às vezes, sou tão capturado pelo Seu amor que Ele me leva mais alto a um lugar celestial, onde meu espírito parece elevar-se.

O êxtase espiritual, o passo final na oração contemplativa, não é uma atividade que empreendemos, mas uma obra que Deus faz em nós. Êxtase é a oração contemplativa levada ao grau enésimo. Mesmo as autoridades reconhecidas na vida de oração contemplativa reconhecem que geralmente é uma experiência fugaz, e não uma dieta básica.

Outra maneira de descrever o estado extático é estar “inebriado” com a presença de Deus. Para um observador externo, alguém preso ao reino do Espírito e levado a um lugar arrebatador pode parecer bêbado. A essência dessa experiência é estar sobrecarregado com a presença de Deus, ver ou não imagens ou ouvir palavras.

Em última análise, o objetivo da nossa busca apaixonada não é uma experiência, mas o próprio Cristo. À medida que aprendemos a sermos quietos e sabermos que Ele é Deus e comungarmos com Ele em nosso ser interior, perceberemos que fomos criados para ter comunhão com Ele – e nossa vida interior nos dará o poder de irmos fazer Suas obras. .

por: James W. Goll

Deixe sua opinião