URGENTE – 400 pessoas são condenadas até 10 anos de prisão por participarem de protestos 

Será que no Brasil, estamos no mesmo caminho que o Irã?

393
Manifestantes brasileiros, estão a mais de 43 dias em Brasileia, fazendo protestos contra resultados de uma eleição sem transparencia. (imagem ilustrativa a materia)
Manifestantes brasileiros, estão a mais de 43 dias em Brasileia, fazendo protestos contra resultados de uma eleição sem transparencia. (imagem ilustrativa a materia)

No Brasil, enquanto manifestantes pacíficos, estão há mais de 43 dias em Brasília, manifestando contra o resultados de uma eleição sem transparência, no Irã, manifestantes foram foram condenados à morte e a longas penas de prisão por se manifestarem contra o governo e em apoio às mulheres.

Tribunais na capital iraniana de Teerã e nas províncias vizinhas prenderam 400 pessoas na terça-feira em conexão com os recentes protestos antigovernamentais, informou o The Guardian . Descritos como “desordeiros” nas decisões oficiais, os manifestantes condenados receberam sentenças extremas.

Cento e sessenta pessoas foram condenadas entre 5 e 10 anos de prisão, 80 pessoas a dois a cinco anos e 160 pessoas a até dois anos”, disse o chefe do Judiciário de Teerã, Ali Alghasi-Mehr, conforme citado pelo jornal regional Mizan. agência, por The Guardian.

Outras 70 pessoas foram multadas, informou a BBC .

Protestos em todo o país eclodiram depois que Mahsa Amini , de 22 anos, que foi presa em 13 de setembro por supostamente não usar um hijab corretamente, morreu sob custódia. Testemunhas disseram que ela foi espancada por oficiais, gerando indignação contra as leis religiosas da República Islâmica, a “polícia da moralidade” e o tratamento dispensado às mulheres.

Desde então, 490 manifestantes, incluindo 68 crianças e 62 seguranças, foram mortos, informou a Agência de Notícias de Ativistas de Direitos Humanos. Das mais de 18.200 pessoas presas em relação a esses protestos, apenas 3.780 foram identificadas publicamente.

Autoridades iranianas disseram no início de novembro que 1.024 pessoas em Teerã foram acusadas de protestos contra o governo. Os detidos supostamente cometeram “atos de sabotagem”, incluindo “atacar ou martirizar os guardas” e “incendiar propriedade pública”, disseram as autoridades.

O governo iraniano reprimiu a agitação civil.
AFP VIA GETTY IMAGES

As sentenças de terça-feira vieram um dia depois que o governo enforcou publicamente Majidreza Rahnavard, um jovem de 23 anos condenado há menos de duas semanas por “inimizade contra Deus” por supostamente esfaquear dois membros do pró-governo Basij Resistance Force.

No mês passado, o Tribunal Revolucionário de Teerã considerou Mohsen Shekari, de 23 anos, o mesmo. Ele foi executado na semana passada .

A Amnistia Internacional disse à BBC que a execução de Rahnavard foi “uma ferramenta de repressão” para “espalhar o medo” entre potenciais manifestantes e que o seu julgamento foi uma farsa. O grupo também disse que desde então identificou pelo menos 20 outras pessoas em sério risco de execução iminente.

Onze dessas pessoas já foram condenadas à morte. Três foram julgados e aguardam a sentença de morte ou já receberam. Os seis restantes, incluindo o jogador de futebol iraniano Amir Reza Nasr Azadani, de 26 anos, aguardam julgamento.

O sindicato global de jogadores de futebol FIFPRO “está chocado e enojado com relatos de que o jogador de futebol profissional Amir Nasr-Azadani enfrenta a execução no Irã depois de fazer campanha pelos direitos das mulheres e liberdade básica em seu país” , twittou a organização .

“Somos solidários com Amir e pedimos a remoção imediata de sua punição”, acrescentou o grupo.

Será que no Brasil, estamos no mesmo caminho que o Irã? Deixe o seu comentário abaixo.

Deixe sua opinião