Quase 70% dos cristãos nascidos de novo discordam da posição bíblica de que Jesus é o único caminho para Deus, de acordo com uma nova pesquisa da Probe Ministries, uma organização sem fins lucrativos que busca ajudar a Igreja a renovar as mentes dos crentes com uma cosmovisão cristã.

A pesquisa, que analisou as crenças religiosas e atitudes em relação aos comportamentos culturais, entrevistou 3.106 americanos com idades entre 18 e 55 anos de todos os grupos religiosos, incluindo 717 entrevistados que se identificaram como cristãos nascidos de novo.

Os entrevistados nascidos de novo foram identificados com base em sua resposta afirmativa à pergunta: “Você já assumiu um compromisso pessoal com Jesus Cristo que ainda é importante em sua vida hoje?” Eles também foram identificados por sua crença sobre o que acontece depois que morrem. Os crentes nascidos de novo concordam que “Eu irei para o Céu porque confessei meus pecados e aceitei Jesus Cristo como meu Salvador”.

Apesar dessa afirmação dos cristãos nascidos de novo que se identificam no estudo, no entanto, entre todos os entrevistados com idades entre 18 e 39 anos, que professam afiliação a alguma religião, menos de 1 em 5 deles discorda veementemente da afirmação de que Muhammad, Buda e Jesus ensinaram caminhos válidos para Deus.

Ainda assim, cerca de 60% dessa coorte disse que compartilhava sua fé com outra pessoa pelo menos uma vez por ano com a intenção de convertê-la.

“Se você acha que existem vários caminhos para o Céu, por que você iria querer sair do seu caminho para converter alguém à sua religião? Claro, você pode compartilhar com uma pessoa não afiliada que precisa escolher uma religião válida ”, observou Steve Cable, vice-presidente sênior do Probe Ministries, em sua análise dos dados.

A pesquisa também descobriu que uma das principais razões dadas pelos cristãos nascidos de novo para não contar aos outros sobre sua fé é a aceitação do pluralismo. Quando questionados sobre por que não compartilham suas crenças com outras pessoas, os entrevistados nascidos de novo escolheram “Eles podem ir para o céu por meio de suas crenças religiosas diferentes”, “Não devemos impor nossas idéias aos outros” e “A Bíblia nos diz que não é para julgar os outros ”como suas três principais respostas, respectivamente.

“À primeira vista, isso pode parecer surpreendente. Mas em uma cultura onde o pluralismo é uma parte dominante de todos os grupos religiosos, ele começa a fazer sentido. E as razões pluralistas eram dominantes, atraindo cerca de dois terços da população em todos os grupos religiosos”, disse Cable.

Cable argumentou que os pastores e as igrejas precisam tornar a exclusividade de Jesus como o único caminho para o Céu um foco mais forte no ensino de suas congregações, a fim de resistir à maré do pluralismo.

“Pelas razões mais comuns (que indicam a crença de que outras pessoas não precisam realmente saber sobre a salvação pela fé em Jesus), precisamos fazer do papel exclusivo de Jesus Cristo em qualquer esperança de salvação um tema recorrente e proeminente em nosso ensino”, disse ele. “Este não é um assunto para se mexer cautelosamente. Em vez disso, precisamos proclamar com ousadia: ‘Não há salvação em nenhum outro nome sob o Céu que não seja o nome de Jesus Cristo’. Deus não teria planejado desde o início dos tempos sacrificar-se na cruz por nossa salvação se houvesse qualquer outro meio de reconciliar homens e mulheres pecadores consigo mesmo.”

Ele acrescentou: “Deus não nos forçará a reconciliação. Podemos escolher rejeitar Sua graça. Mas, como Paulo nos diz em Romanos: ‘Como eles podem acreditar em alguém de quem nunca ouviram falar?’ Se pensamos que podemos descartar nossa responsabilidade de contar aos outros, não entendemos a graça de Deus e nosso papel como cidadãos do Céu vivendo nesta Terra.”

Em 2008, um estudo do Pew Research Center descobriu que mais da metade de todos os cristãos americanos acreditam que pelo menos algumas religiões não cristãs podem levar à salvação. Quase uma década depois, uma pesquisa da Pew descobriu que mesmo entre os grupos cristãos mais tradicionais, minorias significativas rejeitaram Deus conforme descrito na Bíblia.

Enquanto 80% de todos os americanos pesquisados ??no estudo de 2018 disseram que acreditam em Deus, apenas 56% disseram que o Deus em que acreditam é aquele “conforme descrito na Bíblia”.

Os maiores apoiadores de Deus, conforme descrito na Bíblia, foram os cristãos que se identificaram como membros de igrejas protestantes historicamente negras com 92%, seguidos de perto pelos evangélicos com 91%.

Minorias significativas de cristãos que se identificaram como católicos, 28%, e protestantes tradicionais, 26%, também indicaram que acreditam em um poder superior ou força espiritual, que não é Deus como descrito na Bíblia.

Essa confusão entre os cristãos e o que eles acreditam também foi refletida recentemente no American Worldview Inventory publicado no mês passado pelo Centro de Pesquisa Cultural da Universidade Cristã do Arizona.

De cerca de 176 milhões de americanos adultos que se identificam como cristãos, apenas 6% ou 15 milhões deles realmente possuem uma cosmovisão bíblica.

O estudo mostrou, em geral, que enquanto a maioria dos cristãos autoidentificados da América, incluindo muitos que se identificam como evangélicos, acredita que Deus é onipotente, onisciente e é o Criador do universo, mais da metade rejeita alguns dos ensinamentos e princípios bíblicos, incluindo a existência do Espírito Santo.

Constatou-se também que grande maioria acredita erroneamente que todas as crenças religiosas têm o mesmo valor, que as pessoas são basicamente boas e que podem usar atos de bondade para ganhar seu caminho para o céu. O estudo mostrou ainda que a maioria não acredita em absolutos morais, consideram os sentimentos, a experiência ou a opinião de amigos e familiares como suas fontes mais confiáveis ??de orientação moral e dizem que ter fé é mais importante do que a fé que você busca.

“E não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos” (Atos 4:12)

Deixe sua opinião