Polícia diz a pastor que enfrenta ameaça de incêndio criminoso LGBT para não ser ofensivo

Polícia manda pastor a não ser ofensivo a prática LGBT, após ele relatar que homossexuais estão ameaçando incendiar sua igreja

410

Um pastor batista britânico que relatou à polícia que uma multidão LGBT estava ameaçando incendiar sua igreja foi informado pelos oficiais que ele deveria parar de ser ofensivo para com os outros.

Josh Williamson, 34, pastor da Igreja Batista de Newquay em Cornwall, foi advertido pela polícia a manter suas opiniões em um “ambiente seguro” depois de ser alvo de uma onda de abusos anticristãos, incluindo ameaças de violência, disse a instituição de caridade britânica Christian Concern.

A revolta da comunidade gay contra o pastor Williamson foi porque ele comentou no Facebook sobre o cancelamento  de um evento do “Cornwall Pride” Orgulho Gay de Cornwall como “Notícias Maravilhosas!”

“Aleluia!! Oramos em nossa reunião de oração na terça à noite para que este evento fosse cancelado. Também oramos para que o Senhor salvasse os organizadores. Uma oração atendida, agora esperamos que a segunda oração seja atendida”.

escreveu o pastor no Facebook

Questionado por outras pessoas no Facebook sobre seu raciocínio, ele explicou que era “porque eu não acho que o pecado deve ser celebrado”, e ele citou a Bíblia.

Os organizadores do Cornwall Pride pesquisaram sua página pessoal, tiraram prints e postaram junto com comentários negativos feitos por outros usuários sobre o orgulho gay.

“Ao bloquear os nomes em cada comentário e mencionar a Igreja Batista de Newquay, parecia que todos tinham sido feitos por Josh”, disse Christian Concern.

Houve ameaças contra a esposa do pastor e uma imagem mostrando sua cabeça “sobreposta a uma imagem de pornografia homossexual“.

O Orgulho da Cornualha iniciou uma campanha para denunciá-lo por “discurso de ódio e crimes de ódio”. Depois de participar de uma reunião com os membros do Cornwall Pride a seu convite, ele foi novamente alvo de um folheto que compartilhou com eles, com sua permissão.

Outro usuário ameaçou realizar uma orgia sexual em massa na igreja, convocando os membros do Cornwell Pride para agredir qualquer um que lhes entregasse o folheto, disse Christian Concern.

Quando o pastor contatou a polícia, que patrocinou o evento do orgulho, foi-lhe dito que a situação era “complexa”. Eles disseram que não achavam que a ameaça se materializaria.

E eles lhe disseram para se certificar de que “não ofendesse” ninguém porque isso poderia ser considerado uma violação da lei.

Williamson, em uma declaração à Christian Concern, disse: “Minha família e eu, e nossa comunidade da igreja, temos estado muito preocupados com o nível de abusos anticristãos e ameaças de violência que temos sido alvos nas últimas semanas. A polícia não falou formalmente comigo sobre nenhum crime de ódio nem pediu o depoimento de uma testemunha para examinar os vários comentários online que incluíram ameaças de incendiar nossa igreja.

Pastor Josh Williamson, sendo parado por policiais
Pastor Josh Williamson com policiais

Pastor diz que falar a verdade a comunidade LGBT é uma forma de amar

“Como cristãos, procuramos falar a verdade em amor e acolheríamos prontamente todas as pessoas em nossos cultos. A Bíblia, porém, proclama uma mensagem de arrependimento que convida todas as pessoas a abandonarem seus pecados e confiarem em Cristo. Seria um desamor se permanecermos em silêncio sobre o que a Palavra de Deus diz em relação ao pecado humano, incluindo todas as formas de pecado sexual. Portanto, devemos proclamar a verdade de que a homossexualidade é um pecado, mas que Deus ama os pecadores e Jesus pode perdoar todos os nossos pecados. “

Andrea Williams, executiva-chefe do Christian Legal Center, que apóia Williamson, disse: “Está se tornando preocupantemente comum no Reino Unido ver ameaças e apelos à violência contra cristãos por expressarem sua simples oposição ao Orgulho LGBT. As forças policiais devem mostrar aos cristãos que eles leve isso a sério, protegendo sua liberdade de expressão contra ameaças, em vez de tentar manter os cristãos calados.

Deixe sua opinião