O que acontece quando comemos fruto proibido?

Como observamos, o julgamento de Deus contra nossos pecados é certo. Mas os pecados também trazem suas próprias consequências. A “justa pena” para eles “persegue sempre” aqueles que os cometem. A infidelidade destrói os casamentos; a pornografia danifica o cérebro de..

364
O que acontece quando comemos fruto proibido?
O que acontece quando comemos fruto proibido?

Segundo a Reuters, o vírus Nipah mortal e que causa danos cerebrais encontrou uma maneira de passar dos morcegos para os seres humanos. Pragya Yadav, a principal cientista do Nipah no Instituto Nacional de Virologia da Índia, adverte: “Ninguém está seguro… Não levará muito tempo para que um surto de doença chegue a qualquer lugar do mundo devido às viagens internacionais e ao comércio”.

O CDC relata que a morte ocorre em 40 a 70% dos infectados pelo vírus. Atualmente, o Nipah está sendo relatado em Bangladesh e na Índia, mas, como aprendemos com a pandemia de COVID-19, cujas origens ainda estão sendo estudadas, o que acontece com qualquer um de nós pode afetar a todos nós.

Isso é verdade para nossos corpos e para nossas almas.

“O INÍCIO, A CAUSA E O FIM DE TODO MAL”

Nosso grupo de excursão retornou de Israel ontem. Durante nosso longo voo de Tel Aviv para os EUA, passei algum tempo refletindo sobre um trecho que descobri recentemente no Livro da Sabedoria, um livro apócrifo não incluído nas Bíblias protestantes. Ao lê-lo, encontrei uma declaração que me surpreendeu: “A adoração a ídolos não nomeados é o início, a causa e o fim de todo mal” (Sabedoria 14:27, RSV). Um ídolo é qualquer pessoa ou coisa que tenha precedência sobre Deus em nossas vidas. Como tal pecado pode ser tão fundamental para “todo mal”? O escritor explica: “Seus adoradores deliram de exultação, profetizam mentiras, vivem injustamente ou prontamente perjuram” (v. 28). Por que eles fazem isso? “Por confiar em ídolos sem vida, eles fazem juramentos perversos e esperam não sofrer danos” (v. 29, minha ênfase).

Isso é verdade na vida. Quando damos a qualquer pessoa ou coisa precedência sobre Deus, o fazemos com a suposição implícita de que não sofreremos danos como resultado. Somos tentados a acreditar que a recompensa que o pecado promete superará seus custos, se houver algum. Então, escolhemos a opinião popular em vez da moralidade bíblica, fazendo o que queremos em vez do que Deus deseja.

Podemos dizer que acreditamos, adoramos e servimos a Deus, mas se não tememos o seu julgamento quando rejeitamos sua palavra e vontade, em que sentido prático isso é verdade? Se afirmo acreditar no estado de direito, mas quebro a lei sem medo de prisão e detenção, quão verdadeira é minha afirmação?

O QUE ACONTECE QUANDO COMEMOS FRUTO PROIBIDO?

Por que tal idolatria é tão perigosa? Aqui está o ponto que me chamou especialmente a atenção: “Não está no poder das coisas pelas quais as pessoas juram, mas na pena justa para aqueles que pecam que sempre persegue a transgressão dos ímpios” (Sabedoria 14:31, minha ênfase).

Como mencionamos, o julgamento de Deus contra nossos pecados é certo. Mas os pecados também trazem suas próprias consequências. A “pena justa” por eles “sempre persegue” aqueles que os cometem.

A infidelidade destrói casamentos; a pornografia danifica o cérebro daqueles que a consomem. Quando comemos o “fruto proibido”, seu veneno inerente nos faz adoecer. Você pode anotar como uma lei inexorável do universo: o pecado “sempre persegue a transgressão dos ímpios”.

QUATRO PASSOS PARA A LIBERDADE

Como podemos escapar desse ciclo de pecado e de suas consequências desastrosas? Considere quatro passos simples, mas transformadores.

Venha a Cristo, pois somente ele pode mudar o seu coração. A Escritura é clara: “E não há salvação em nenhum outro, pois abaixo do céu não há outro nome dado aos homens pelo qual importa que sejamos salvos” (Atos 4:12, minha ênfase). Nomeie a sua tentação e peça a Cristo para capacitá-lo a resistir a ela (cf. 1 Coríntios 10:13). Se você caiu, nomeie o seu pecado e peça a ele para perdoá-lo (1 João 1:9).

Venha a ele agora: “Eis agora o tempo sobremodo oportuno, eis agora o dia da salvação” (2 Coríntios 6:2). Um dia será o seu último dia neste mundo. Não posso prometer que é hoje, mas também não posso prometer que não é.

Peça ao Espírito para usá-lo para trazer outros a Jesus. O trabalho do Espírito Santo é “convencer o mundo do pecado, da justiça e do juízo” (João 16:8). Palavras humanas não conseguem convencer ou converter corações humanos. No entanto, “o Senhor é o Espírito e, onde está o Espírito do Senhor, ali há liberdade” (2 Coríntios 3:17). Ele pode e usará nossas palavras para levar aqueles que influenciamos a Deus.

Fale a verdade bíblica sobre as questões que enfrentamos. Deus nos pergunta: “Não é a minha palavra fogo, diz o Senhor, e martelo que esmiúça a penha?” (Jeremias 23:29). Nas tentações no deserto, Jesus recorreu repetidamente às Escrituras. Na pregação em Pentecostes, Pedro citou repetidamente a Escritura. Na pregação e nas epístolas, Paulo fez o mesmo. Eles sabiam o que precisamos saber: Deus promete que a sua palavra “não voltará para mim vazia, mas fará o que me apraz e prosperará naquilo para que a designei” (Isaías 55:11).

DE TRIBOS AFRICANAS REMOTAS À UNIVERSIDADE DE CAMBRIDGE

Billy Graham compartilhou esta história notável sobre o tema de hoje:

“Uma vez eu estava pregando na África para um pequeno grupo de pessoas tribais. Tinham me dito que eles haviam ouvido muito pouco sobre o evangelho, e eu queria apresentar uma mensagem básica e direta que eles pudessem entender. Então, preguei sobre João 3:16 da forma mais simples que eu conhecia. Tentei explicar João 3:16 usando todas as ilustrações que consegui pensar para tornar a mensagem clara. Depois, pelo trabalho do Espírito, várias pessoas indicaram que queriam receber a Cristo.

“No domingo seguinte, eu deveria pregar na igreja paroquial de Great St. Mary’s, na Universidade de Cambridge, na Inglaterra, e pensei: ‘Vou tentar algo. Vou pregar o mesmo sermão simples em Cambridge que preguei para as pessoas na África.’ E foi isso que fiz. Naquele domingo, muitos estudantes na congregação conheceram a Cristo como Senhor e Salvador.”

O Dr. Graham concluiu: “Os corações humanos são os mesmos em todo o mundo – em rebelião contra Deus, sofrendo da doença do pecado e morrendo… até descobrirem a verdade simples (e ao mesmo tempo profunda) do amor de Deus por nós em Jesus Cristo.”

Quando foi a última vez que sua vida foi mudada pelo amor de Cristo?

Com quem você vai compartilhar o seu amor hoje?

Deixe sua opinião