Sonia implorou aos médicos que tentassem salvar seus filhos gêmeos prematuros quando eles nasceram com cerca de 22 semanas de gravidez em 2019.

Em meio a seus apelos desesperados, uma  mãe da cidade de Edmonton Alberta, do Canadá, disse que sentiu a crueldade. Ela disse que a equipe médica disse que seus filhos sofreriam e que não teriam chance de viver. Resignando-se com a trágica notícia, Sonia e Roy, o pai dos bebês, seguraram seus filhos nos braços e os viram morrer.

Agora, a família acredita que seus filhos, Cloud e Thunder, poderiam ter sobrevivido.

Recentemente,  a família compartilhou sua história com o The Wilberforce Project, uma organização canadense pró-vida, para instar os hospitais a revisar seus padrões de cuidado para bebês prematuros para refletir os avanços médicos modernos.

“Compartilho nossa história em homenagem a nossos filhos, que carreguei por 22 semanas e que amarei por toda a vida. Espero que ninguém nunca mais veja seus bebês morrerem enquanto eles pedem ajuda e não recebem cuidados. Os bebês têm direito à assistência médica como qualquer outra pessoa e os pais devem ter direito à esperança”, disse Sonia à organização.

Em 2019, Sonia disse que deu à luz Thunder com 300 gramas e Cloud com 340 gramas. Os meninos foram estimados em algo entre 21 semanas e três dias e 22 semanas e um dia de gestação – poucos dias a menos que a marca de 23 semanas que a maioria dos hospitais canadenses considera viabilidade, de acordo com o relatório.

“… A equipe médica usou a medição menor de Thunder e classificou os dois em 21 semanas e negou-lhes atendimento”, disse Sonia. “Implorei à equipa médica que os ajudasse. Eles me disseram que não havia chance para eles, pois seus pulmões não estavam desenvolvidos. Eles insinuaram que eu estava sendo cruel em querer salvá-los, pois eles estariam sofrendo e teriam zero por cento de chance de vida ”.

Percebendo que seus filhos estariam vivos por pouco tempo, Sonia disse que ela e Roy os seguraram nos braços até que morressem.

“Seus corpinhos eram perfeitamente formados e de uma beleza indescritível”, ela lembrou. “Nós os seguramos e vimos eles se moverem, acenarem e se contorcerem. Também os vimos lutar para conseguir oxigênio suficiente, mudar de cor e morrer em meus braços ”.

Após cerca de 1 hora e meia, ambos os gêmeos morreram, de acordo com o relatório.

Depois disso, Sonia disse que começou a fazer mais pesquisas e percebeu que seus filhos poderiam ter sobrevivido se os médicos os tratassem.

Ela apontou para o Hospital Infantil da Família Stead da Universidade de Iowa,  que relata altas taxas de sobrevivência para bebês nascidos nas 22 semanas de gravidez . Em um artigo recente no “Journal of Pediatrics”, os médicos do hospital relataram uma taxa de sobrevivência de 70 por cento para bebês nascidos com 22 semanas no hospital durante um período de 10 anos.

“Perder nossos filhos é a dor mais trágica que já experimentei”, disse Sonia. “Agora, saber que eles poderiam ter sobrevivido se tivessem recebido cuidados é uma dor nova, mais profunda e injusta que não consigo descrever.”

Ela continuou: “Eu poderia aceitar suas mortes mais facilmente se pelo menos alguma tentativa fosse feita. Mas ver seus filhos morrerem e ninguém estiver fazendo nada … ah, essa dor é uma dor avassaladora, impotente e incômoda que agarra meu coração, minha respiração e, muitas vezes, consome todo o meu ser.”

Sônia e seu esposo seguraram os seus filhos gêmeos prematuros por alguns minutos, enquanto eles morriam no colo.
Sônia e seu esposo seguraram os seus filhos gêmeos prematuros por alguns minutos, enquanto eles morriam no colo.

Sonia disse ao The Wilberforce Project que ela quer que outros pais saibam que há esperança para bebês prematuros, e ela quer que os hospitais revisem seus padrões de atendimento para atender a esses avanços modernos.

A pesquisa mostra que mais bebês prematuros estão sobrevivendo e prosperando graças à medicina moderna.

Um estudo recente publicado no  New England Journal of Medicine descobriu que mais  bebês prematuros sobrevivem com 22 semanas de gravidez. Esta e outras pesquisas levaram recentemente a Associação Britânica de Medicina a  emitir novas diretrizes encorajando o tratamento médico para bebês nascidos com 22 semanas de gravidez. Anteriormente, as diretrizes não recomendavam o tratamento até 24 semanas. 

O primeiro bebê prematuro conhecido a sobreviver fora do útero nasceu com  21 semanas e quatro dias de gravidez. Em 2017,  a revista Pediatrics  destacou a história de sobrevivência da menina. O menor bebê sobrevivente registrado  pesava menos de 255 gramas ao nascer.

Deixe sua opinião