Família de cristão condenado à morte por blasfêmia no Paquistão vive escondida

Cristão é falsamente acusado por amigo, foi condenado a morte e sua família precisa ficar escondida por segurança.

0
188

De acordo com o Independent Catholic News (ICN), a esposa e a família de Asif Pervaiz se esconderam depois que Pervaiz foi condenado à morte por supostamente cometer blasfêmia. Pervaiz foi condenado à morte em 8 de setembro de 2020, quase sete anos após sua prisão.

“Ela está escondida porque se sente ameaçada”, disse ao ICN a Release International, uma organização que apóia os cristãos perseguidos. “Ela está tentando manter seus três filhos e filha seguros.”

Em 2 de outubro de 2013, um muçulmano chamado Saeed Ahmeed Khokar acusou Pervaiz de enviar-lhe mensagens de texto blasfemas de seu telefone celular. As acusações de blasfêmia segundo as Seções 295-A, 295-B e 295-C do Código Penal do Paquistão foram registradas contra Pervaiz na Delegacia de Polícia de Green Town em Lahore.

Quando Pervaiz ficou sabendo das acusações, ele se escondeu. Em 9 de outubro, após uma semana de busca por Pervaiz, a polícia prendeu vários parentes de Pervaiz, incluindo dois cunhados e sua mãe, Naseem Akhtar. De acordo com Akhtar, a polícia disse a ela que mataria Pervaiz quando o encontrassem, a menos que ela os ajudasse a localizar seu filho.

Akhtar conduziu a polícia até a casa de Waseem Anwar, irmão de Pervaiz. Lá, a polícia espancou Waseem até que ele confessou saber onde Pervaiz estava escondido. Em 10 de outubro de 2013, Pervaiz foi preso pela polícia em Sahiwal.

Asif Pervaiz (segundo à direita com algemas) condenado a morte
Asif Pervaiz (segundo à direita com algemas) foi condenado a morte

De acordo com a família de Pervaiz, Pervaiz e Khokar eram colegas de trabalho em uma fábrica de roupas chamada Shami Textile, localizada no bairro de Youhanabad, em Lahore. No trabalho, Khokar frequentemente pressionava Pervaiz a se converter ao islamismo, o que Pervaiz recusava. Antes de 2 de outubro, Pervaiz teria perdido o cartão SIM de seu celular e não solicitou à empresa que o desativasse. Segundo a família de Pervaiz, Khokar usou o cartão SIM perdido para enviar mensagens de texto blasfemas que usou para registrar uma falsa acusação contra Pervaiz.

No Paquistão, falsas acusações de blasfêmia são generalizadas e frequentemente motivadas por vinganças pessoais ou ódio religioso. As acusações são altamente inflamatórias e têm o potencial de desencadear linchamentos de multidões, assassinatos e protestos em massa.

Deixe sua opinião

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui