BRASÍLIA – O casal Hernandes, da Igreja Renascer, que retornou recentemente ao Brasil após cumprir sentença de prisão por entrar nos Estados Unidos com US$ 56 mil não declarados, esteve nesta quinta-feira no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), sede provisória da Presidência da República, para participar da sanção do projeto de lei que institui o Dia da Marcha para Jesus. Antes da sanção, da qual participaram o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), os bispos se encontraram com a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, que cumprimentou um por um. Depois, eles rezaram pela saúde da ministra, que agradeceu. Ela não participou da sanção da lei.
Marcha será 60 dias após o domingo de Páscoa ,O Dia da Marcha para Jesus será celebrado 60 dias após o domingo de Páscoa. Estevam Hernandes e Sônia chegaram com o deputado bispo Gê Tenuta (DEM-SP) e se encontraram com outros pastores, entre eles o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) e o deputado bispo Rodovalho (DEM-DF).
A cerimônia foi rápida. Em nome dos evangélicos falou Crivella, autor do projeto. Lula não discursou. Todo ano a Renascer promove uma marcha para Jesus que atrai cerca de um milhão de fiéis em São Paulo.
Estevam e Sonia foram condenados nos EUA, em 2007, a cinco meses de prisão numa penitenciária federal e mais cinco meses de prisão domiciliar por contrabando de dinheiro de origem não-declarada e conspiração para cometer crime. Parte do dinheiro estava no fundo falso de uma Bíblia. Em liberdade condicional, precisaram de permissão da Justiça americana para sair do país. O casal também teve de pagar US$ 60 mil aos EUA. No Brasil, respondem a processos por lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e estelionato.
Em entrevista à Radio Gaúcha, Dilma disse que, do ponto de vista dos médicos,
está curada do câncer linfático. Ele encerrou as sessões de radioterapia há quase 15 dias.
– (A saúde) Está muito boa. Concluí o tratamento de radioterapia. Na semana que vem farei exames, e vou dar um anúncio que antecipo aqui: do ponto de vista dos médicos, estou curada. Estou com a certeza, com a esperança e a torcida.
O câncer foi detectado em abril deste ano, e a ministra passou por sessões de quimioterapia no Hospital Sírio-Libanês e depois por radioterapia. A quimioterapia provocou, em maio, dores nas pernas de Dilma, que ficou três dias internada. A radioterapia provocou queimadura, obrigando-a a reduzir o ritmo de trabalho. Embora tenha mantido viagens e eventos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), em alguns dias ela despachou de casa. A expectativa dos aliados é que a ministra supere a doença para enfrentar a campanha eleitoral de 2010.
OGlobo/Padom

Deixe sua opinião