A China condenou um ex-presidente de finanças à morte por acusações relacionadas a suborno, bigamia e peculato.

Lai Xiaomin, que tem sido chamado de o maior oficial financeiro corrupto da China, foi investigado em 2018 sobre seu tempo como o presidente do gigante bancário China Huarong Asset Management. Mais tarde, o governo chinês o considerou culpado de aceitar US $ 277 milhões em subornos entre 2008 e 2018, de acordo com o tribunal de Tianjin.

Xiaomin “colocou em perigo a segurança financeira nacional e a estabilidade financeira”, dizem os documentos judiciais, de acordo com a Bloomberg. Ele confessou ter aceitado suborno em janeiro, quando disse que guardava o dinheiro em um apartamento, mas “não gastava um centavo”.

O tribunal confiscará todos os bens pessoais da Xiaomin – incluindo bens luxuosos como propriedades, relógios de luxo e carros chamativos, observa a Bloomberg. 

A pena capital na forma de injeção letal é normalmente a forma como o Partido Comunista Chinês executa as execuções. A Amnistia Internacional estimou que o país realizou milhares de execuções em 2019.

Um ex-vice-prefeito da China foi condenado à morte em 2018, mas, como observa a Bloomberg, a pena de morte não é uma punição típica para a corrupção na China, que geralmente resulta em prisão perpétua. Especialistas disseram ao veículo que a sentença foi provavelmente em parte devido à escala da corrupção de Xiaomin, bem como à atenção pública que ela atraiu. Também serve como um aviso de que a China está disposta a emitir execuções como punição por corrupção, de acordo com a Bloomberg.

A sentença de morte vem como parte de uma cruzada anticorrupção liderada pelo presidente chinês Xi Jinping, que está no poder desde 2012. No início de 2018, a China criou uma agência destinada a investigar qualquer funcionário do governo em todo o país. A Comissão Nacional de Supervisão tem permissão para operar fora do sistema judiciário da China, concedendo ao comitê uma grande quantidade de poder. Por exemplo, pode deter suspeitos por até seis meses sem conceder-lhes a ajuda de um advogado. A comissão já puniu cerca de 1,5 milhão de funcionários desde sua criação.

Mas especialistas afirmam que os métodos da agência podem fazer mais mal do que bem em sua luta para reprimir a corrupção política. 

A sentença de Xiaomin também vem no momento em que a China continua sua repressão ao empresário mais poderoso e popular do país, o fundador do Alibaba, Jack Ma, bem como à indústria de tecnologia em geral. O Yahoo Finance informou que Ma estava desaparecido desde que a China retirou o IPO de sua firma de fintech Ant Group de US $ 37 bilhões no início de novembro, quando o fundador desprezou publicamente o sistema regulatório do país. No entanto, fontes dizem que ele provavelmente está simplesmente escondido, de acordo com a CNBC.

Ma não é o único empresário influente que questionou a autoridade da China, solicitando maior supervisão do governo. Os reguladores chineses acusaram o gestor de ativos Xiao Jianhua de desviar investidores das bolsas de valores do país e foi sequestrado de um hotel de Hong Kong em 2017. Ele desapareceu sob custódia chinesa e partes de seus negócios foram posteriormente levadas pelo governo.

Fato é, o governo comunista da China não pune a corrupção por que ele quer o bem de seu país o bem da população, mas ele pune os corruptos porque ele mesmo tem medo de perder o seu poder. Sendo isso uma maneira eficaz de intimar os “poderosos” e a grande massa da população.

Deixe sua opinião


Mais conhecimento da Bíblia em menos tempo?
Não sei se você é uma dessas pessoas que tem dificuldades de entender a Bíblia. Eu já fui e sofri muito! Mas não me dei por vencido, não me deixei ser derrotado pelos inimigos. E você, como anda sua leitura da Bíblia? Seu entendimento? Que tal melhorar nessa área da sua vida espiritual, aprendendo a entender assuntos da Bíblia de forma simples e rápida, ajudado por quem já superou as mesmas dificuldades que você enfrenta? Clique aqui agora e pegue seu Manual de estudos exclusivo