Como alguém interpreta passagens da Bíblia hebraica (também conhecida como Antigo Testamento) à luz do Novo Testamento?

Mesmo no mundo evangélico conservador, essa questão se tornou um tanto controversa. Em seu livro “A esperança messiânica: a Bíblia hebraica é realmente messiânica?”, Michael Rydelnik, do Moody Bible College, argumenta que grande parte dessa disputa vem de um rabino judeu medieval chamado Rashi cujos comentários “refletem seu desejo de combater o cristianismo” (Rydelnik, messiânico). Esperança, 116).

Rashi sustentava que uma profecia só deveria ser vista à luz da atual história que ocorre quando o texto foi escrito e não para uma futura profecia messiânica e escatológica. Muitos na comunidade cristã foram eventualmente influenciados pelos métodos de interpretação de Rashi. Com o passar do tempo, sete posições sobre como lidar com profecias messiânicas se desenvolveram.

1 – Cumprimento Histórico.

Essa é a opinião de estudiosos críticos (Rydelnik, MH, 28). Essa visão sustenta que um texto do AT é meramente a “conseqüência da história” (Rydelnik, MH, 29) e tem pouca ou nenhuma relevância para um futuro Messias.

Ironicamente, Rashi manteve essa visão apenas para aqueles aspectos relacionados ao primeiro advento do Messias, não para o domínio escatológico do Messias.


2 – Dual Fulfillment / Sensus Plenior (Cumprimento dupla/Um sentido mais completo)


Realizado por numerosos intérpretes evangélicos e católicos romanos, os defensores da duplo cumprimento sustentam que as passagens proféticas guardam dois significados.

Um dos significados afeta o tempo histórico do profeta. O outro significado influencia a vinda do Messias. Esta interpretação sustenta que as passagens do Antigo Testamento poderiam freqüentemente ter um duplo significado.

3 – Cumprimento típico.

Esta categoria também poderia ser chamada de preenchimento tipológico. Muitos evangélicos também sustentam essa posição que sustenta que uma profecia pode tratar tipologicamente do Messias, embora encontre suas raízes no contexto histórico da época em que foi escrito.

O cumprimento histórico no tempo do profeta serviu como um símbolo do que aconteceria com o futuro Messias.

4 – Cumprimento Progressivo.

Os conservadores que desejam uma esperança messiânica e um contexto histórico defenderão a visão de realização progressiva.

A profecia bíblica é semeada e desenvolvida de maneira progressiva através de figuras históricas até encontrar seu cumprimento final no Messias. Este sistema também é chamado de preenchimento epigenético.

5 – Cumprimento de Releitura.

O termo releitura significa “reler”. De acordo com essa visão, os escritores do NT releram as profecias do AT sob uma nova luz, acrescentando um novo significado aos textos, para relacioná-las ao Messias. Os estudiosos críticos sustentam esse ponto de vista, embora alguns evangélicos adotem algo comparável ao cumprimento da leitura.

6 – Cumprimento do Midrash / Pesher.

Defensores dessa visão afirmam que os escritores do NT usaram o método midrash do judaísmo primitivo para alegorizar as profecias do AT para aplicá-las a Jesus.

O problema é que o estilo do midrash referenciado foi usado bem depois do primeiro século. Os proponentes da visão sustentam que os escritores do NT poderiam empregar com sucesso o método Midrash, especialmente quando estavam sob a inspiração do Espírito Santo. A maioria dos estudiosos críticos mantém essa visão, embora alguns evangélicos também o façam.

7 – Cumprimento direto.

O mais tradicional dos pontos de vista é intitulado cumprimento direto. Essa visão argumenta que as profecias messiânicas escritas no AT encontram um elo direto em seu cumprimento com o Messias.

A visão contém duas escolas de pensamento dentro dela. A primeira é a Abordagem Dogmática / Confessional, que afirma que o NT é a autoridade final sobre o significado messiânico. EW von Hengstenberg sustentou essa visão. A segunda é a Abordagem Composicional / Canônica, que sustenta que os livros do Antigo Testamento foram escritos com uma intenção messiânica.

Os escritores do NT apenas interpretaram a intenção das profecias do AT. Rydelnik parece favorecer essa visão, assim como John Sailhammer e William Horbury.

Pode ser que algumas profecias se encaixem melhor em certas categorias. Algumas profecias podem ter um cumprimento mais direto do que outras. Mas é intrigante para mim que a maioria dos eruditos antes do tempo de Rashi interpretou profecias messiânicas diretamente. Esta é uma questão que precisa ser mais explorada.

Neste momento, depois de ter lido o livro de Rydelnik, estou inclinado a aceitar a abordagem composicional dentro da categoria de cumprimento direto como mais apropriada dentro de muitos contextos proféticos, ainda assim posso ver o valor no sensus plenior e as abordagens tipológicas. Minha maior preocupação é que não nos tornemos tão míopes que negligenciamos o poder de Deus de falar através de seus profetas. Se Deus pode fazer tudo o que existe de nada além de sua voz, então certamente Deus pode fornecer uma profecia abrangente sobre uma pessoa futura – seu Filho, Jesus Cristo.

por: Rydelnik, Michael. A esperança messiânica: a Bíblia hebraica é realmente messiânica? Estudos NAC em Bíblia e Teologia.
traduzido e adaptado por: Pb. Thiago Dearo

Deixe sua opinião

WhatsApp
Entre e receba as notícias e artigos do dia