Fotos Ilustrativa, Virgem Maria mãe de Jesus (Foto de Grant Whitty no Unsplash)

Acreditar em Jesus Cristo e em Seu nascimento milagroso não requer o chamado “salto cego de fé”, pois há tantas evidências para o nascimento virginal de Cristo quanto qualquer evento da história antiga. Não é falta de evidência que impede as pessoas de acreditarem no nascimento virginal, mas um preconceito predisposto contra a possibilidade de milagres.

Aqui estão seis razões convincentes para acreditar que Jesus Cristo nasceu sobrenatural de uma virgem. Seu nascimento foi:

  1. Documentado por um médico e historiador de classe mundial.
  2. Confirmado pela arqueologia moderna.
  3. Confirmado por um professor agnóstico.
  4. Previsto pelos profetas do Antigo Testamento.
  5. Acreditado universalmente pelos primeiros cristãos.
  6. Confirmado pelo seu incrível impacto mundial.

1 – Documentado por um médico e historiador de classe mundial.

No início do seu Evangelho, Lucas, a quem Paulo chama de “o médico amado” em Colossenses 4:14, indica que ele fez uma investigação completa das coisas sobre as quais ele está escrevendo, incluindo o nascimento virginal.

Esta investigação incluiu a utilização de relatos de testemunhas oculares dos eventos descritos. Lucas passou longos períodos de tempo com Paulo em Jerusalém e na Judéia e teria a oportunidade de entrevistar aqueles que estavam mais próximos do evento, incluindo a própria Maria.

De todos os Evangelhos, Lucas faz o relato mais detalhado da natividade e menciona Maria 12 vezes, mais do que qualquer outro escritor bíblico. Além do nascimento de Cristo, ele também dá atenção especial e detalhada ao nascimento de João Batista, e muitos vêem seus interesses ginecológicos como resultado de sua formação como médico.

Não há informações confiáveis ??sobre por quanto tempo Maria viveu, mas algumas tradições dizem que ela viveu 24 anos ou mais depois da ressurreição. O detalhe que Lucas apresenta indica que ele obteve suas informações de uma fonte primária, seja ela mesma ou alguém a quem Maria transmitiu os detalhes íntimos do evento.

Houve uma época em que se pensou que Lucas estava enganado em relação aos eventos que ele retratou em torno do nascimento de Cristo (Lucas 2: 1-5). Os críticos argumentaram que não havia censo e que todos não precisavam voltar para o lar ancestral. Eles também apontaram que Josefo havia datado o governo de Quirino da Síria, a quem Lucas menciona, como começando em 6 dC, tarde demais para o nascimento de Cristo.

Em todos os casos, no entanto, as descobertas arqueológicas modernas provaram que os críticos estão errados. No caso de Quirino, verificou-se que ele realmente serviu dois mandatos separados como governador, o primeiro começo por volta de 7 aC, que se encaixa perfeitamente com o tempo do nascimento de Cristo. O falecido FF Bruce, um dos mais respeitados estudiosos do Novo Testamento, observou que onde Lucas é suspeito de imprecisão pelos críticos modernos, a arqueologia tem provado repetidas vezes que Lucas está certo e que os críticos estão errados.

A exatidão de Lucas como historiador foi confirmada pelo famoso historiador, AN Sherwin-White, que examinou cuidadosamente suas referências em Lucas / Atos a 32 países, 54 cidades e nove ilhas, não encontrando um único erro.

Desafiando as alegações dos críticos de que a história do nascimento virginal foi baseada em uma farsa, o célebre estudioso grego, professor John A. Scott, lembrou os opositores da formação de Lucas como médico e sua reputação como historiador. Apontando para sua atenção aos detalhes e relatórios precisos, Scott declarou: “Você não podia enganar o doutor Lucas”.

2 – Confirmado pela arqueologia moderna.

O status de Lucas como historiador de classe mundial, com precisão até nos mínimos detalhes, foi trazido à luz pela arqueologia moderna. Por exemplo, Sir William Ramsay, considerado um dos maiores arqueólogos de todos os tempos, pensou originalmente que desacreditaria cientificamente os relatos de Lucas visitando e examinando os lugares mencionados em seu Evangelho e em Atos.

Ramsay, um professor de Oxford, foi um produto da célebre crítica alemã do século XIX, e ele ensinou que o Novo Testamento é um tratado religioso não confiável escrito em meados do segundo século por indivíduos distantes dos eventos descritos. Mas depois de anos refazendo o relato de Lucas sobre as viagens de Paulo e fazendo escavações arqueológicas ao longo do caminho, Ramsay inverteu completamente sua visão da Bíblia e da história do primeiro século.

Ramsay se convenceu de que Atos foi escrito no primeiro século pelo autor tradicional, e ele adquiriu uma grande consideração por Lucas como historiador. Ele escreveu,

Lucas é um historiador de primeira linha; não apenas suas afirmações de fato são confiáveis, ele é dotado do verdadeiro sentido histórico; em suma, esse autor deve ser colocado junto com os maiores historiadores“.

Em 1896, Ramsay começou a publicar suas descobertas em um livro intitulado St. Paul the Traveller and the Roman Citizen . O livro causou um furor de desânimo entre os céticos do mundo, pois sua afirmação do registro bíblico foi totalmente inesperada. A evidência foi, de fato, tão esmagadora que muitos ateus desistiram de seu ateísmo e adotaram o cristianismo.

Nos próximos 20 anos, Ramsay publicou outros volumes mostrando como ele descobriu que Lucas era preciso nos mínimos detalhes de sua conta. Em seu livro The Bearing of Recent Discovery, sobre a confiabilidade do Novo Testamento , ele escreveu: “Você pode pressionar as palavras de Lucas em um grau além do de qualquer outro historiador, e elas têm o mais agudo escrutínio e o tratamento mais difícil”.

A arqueologia afirmou, de fato, não apenas Lucas, mas todo o relato bíblico. William F. Albright, renomado arqueólogo e falecido professor de línguas semíticas na John Hopkins University, passou muitos anos liderando escavações arqueológicas na terra da Bíblia. Ele escreveu: “Descoberta após descoberta estabeleceu a precisão de inúmeros detalhes e trouxe maior reconhecimento à Bíblia como fonte de história”.

A evidência levanta a questão de que se Lucas tivesse esse cuidado para esclarecer seus fatos sobre nomes, lugares, eventos e datas, não poderíamos ter certeza de que ele era tão cuidadoso ao esclarecer seus fatos sobre as coisas mais importantes sobre as quais ele relatou? , como o nascimento virginal de Jesus Cristo?

3 – Confirmado por um professor agnóstico de mitologia.

CS Lewis era o professor agnóstico de literatura renascentista na Universidade de Oxford, um autor prolífico e um reconhecido especialista de textos mitológicos. Ele também acreditava na idéia de que a Bíblia não era um livro de história confiável e que o Novo Testamento estava repleto de todo tipo de histórias míticas, criadas por indivíduos distantes dos eventos descritos.

Mas através da influência de sua infância e dos amigos que desafiaram seu agnosticismo, Lewis começou a ler a Bíblia. Ele ficou surpreso com o que encontrou nos Evangelhos, pois era obviamente um gênero diferente das mitologias antigas com as quais ele era tão familiar. Sua surpresa foi: “Isso não é mito!” Lewis tornou-se um dedicado seguidor de Cristo e talvez o mais significativo apologista cristão do século XX.

Na época, mais críticas estavam sendo popularizadas nos seminários alemães. Certos teólogos, como Rudolph Bultmann, alegavam que os relatos do Novo Testamento sobre o nascimento virginal de Jesus, Seus milagres e Sua ressurreição eram mitos criados por Seus seguidores.

Lewis desafiou esses teólogos, dizendo: “Eu gostaria de saber quantos mitos essas pessoas leram!” Ele passou a explicar que ele tinha sido um professor de longa data e crítico de literatura mitológica e sabia como um mito soava e sentia. “E a história do evangelho”, ele disse, “não é mito!”

4 – Predito séculos antes pelos profetas do Antigo Testamento.

“Porei inimizade entre você e a mulher, e entre a sua descendência e a sua descendência; ele te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.”


Gênesis 3:15

Essas palavras foram ditas por Deus para a serpente após a queda de nossos primeiros pais. A “semente da mulher” nesta passagem é uma alusão a um futuro descendente de Eva que derrotará a serpente e reverterá a maldição causada por seu engano.

A Bíblia normalmente fala da semente dos homens, mas neste caso, é a “semente da mulher”. Esta é uma profecia que antecipa claramente o futuro nascimento virginal de Cristo – um nascimento no qual a semente de um homem não está envolvida. O teólogo metodista, Adam Clarke, escreveu em A Bíblia Sagrada Contendo o Antigo e o Novo Testamento com um Comentário e Notas Críticas : “A semente da mulher deve vir pela mulher, e ela sozinha sem a concordância do homem”.

De acordo com essa profecia, a “semente da mulher” receberá uma ferida temporária de Satanás – “você machucará o calcanhar” – mas a “semente da mulher” infligirá a Satanás uma ferida final e mortal – “Ele ferirá a sua cabeça.” Esta promessa messiânica foi cumprida através do nascimento virginal de Jesus e através de Sua morte e ressurreição.

Isaías 7:14 diz: “Portanto, o Senhor mesmo vos dará um sinal: a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel.” A palavra hebraica traduzida como “virgem” nesta passagem é almah e se refere a uma jovem em idade de se casar, mas normalmente incluiria a ideia de virgindade, já que era de se esperar que uma jovem judia fosse casada pela primeira vez.

Essa “virgem” é uma tradução exata em inglês que é confirmada pela Septuaginta, que usa a palavra grega parthinos para traduzir almah . Parthinos significa especificamente uma jovem que nunca teve relações sexuais com um homem. Parthinos é a palavra usada por Mateus e Lucas em sua descrição de Maria, afirmando que ela era uma jovem que nunca teve relações sexuais com um homem quando Jesus nasceu.

Outra evidência de que Isaías 7:14 é uma profecia messiânica referindo-se a Jesus Cristo é indicada pela declaração de Isaías de que ele será chamado “Emanuel”, que significa “Deus conosco”. Esta é uma declaração clara sobre a encarnação de Deus em Jesus Cristo e nos lembra das palavras de Gabriel para Maria que o Filho que ela dará “será grande e será chamado o Filho do Altíssimo” (Lucas 1: 32a). .

5 – Os primeiros cristãos em todo o mundo acreditam.

Que o nascimento virginal foi universalmente acreditado pelos cristãos mais antigos é verificado, não apenas pelo registro do evangelho, mas também pelo Credo dos Apóstolos. O Credo dos Apóstolos é uma antiga confissão de fé que data do segundo século e foi usada em toda a igreja universal. Ao incluir o nascimento virginal em sua declaração de credo, esses primeiros crentes deixaram claro que consideravam uma doutrina essencial da fé. O credo lê em parte:

Eu creio em Deus Pai Todo-Poderoso, criador do céu e da terra; e em Jesus Cristo seu único Filho nosso Senhor: Quem foi concebido pelo Espírito Santo, nascido da Virgem Maria (ênfase adicionada).

Essa crença primitiva no nascimento virginal foi confirmada pelo Credo Niceno de 325 dC e continuou a ser a crença de cristãos católicos, ortodoxos orientais e protestantes em todos os lugares.

Observe as palavras do hino do século XVIII, “Hark the Herald Angels Sing”, (Ouça os Anjos do Arauto Cante), escrito por Charles Wesley, um graduado de Oxford e ministro anglicano, e com seu irmão, John, o líder do grande reavivamento metodista. Por causa das referências ao nascimento virginal, este hino tornou-se uma canção popular cantada no Natal:

“Cristo ao mais alto dos céus adorado, Cristo, o eterno Senhor! / Mais adiante no tempo, eis que vem Ele, filho do ventre de uma Virgem! / Velado em carne, a divindade vê, salve a Deidade encarnada! / Satisfeito como homem com homem para habitar, Jesus nosso Emanuel! / Ouça os anjos do arauto cantarem, glória ao recém-nascido Rei! “

6 – Seu incrível impacto mundial.

Não há dúvida de que Jesus Cristo é a pessoa mais influente que já ocupou este planeta. Sua influência atinge todas as raças, classes e línguas de Jerusalém a Timbuktu, de Nairóbi a Brasília e de Londres a Pequim.

Essa influência foi imediata, com seus primeiros seguidores dispostos e ansiosos a dar suas vidas para espalhar a Boa Nova de Seu nascimento milagroso, vida, morte e ressurreição. Esse mesmo compromisso de vida e morte continuou com Seus seguidores através dos séculos. Napoleão Bonaparte disse de Jesus Cristo,

Conheço homens e digo que Jesus Cristo não é um simples homem. Entre Ele e todas as outras pessoas no mundo não existe um termo possível de comparação. Alexandre, César, Carlos Magno e eu fundamos impérios. Mas em que nós descansamos a criação de nosso gênio? Após a força. Jesus Cristo fundou Seu império sobre o amor; e nesta hora, milhões de homens morreriam por ele.

O famoso historiador Philip Schaff captou bem essa influência na seguinte declaração.

Jesus de Nazaré, sem dinheiro e armas, conquistou mais milhões que Alexandre, o Grande, César, Maomé e Napoleão; sem ciência e aprendizado, ele lança mais luz sobre as coisas humanas e divinas do que todos os filósofos e estudiosos combinados; sem a eloquência da escola, ele falou tais palavras de vida como nunca foram faladas antes ou depois, e produziu efeitos que estão além do alcance do orador ou poeta; sem escrever uma única linha, ele colocou mais canetas em movimento e forneceu temas para mais sermões, orações, discussões, volumes aprendidos, obras de arte e cânticos de louvor do que todo o exército de grandes homens dos tempos antigos e modernos.

Como podemos explicar a influência deste indivíduo nascido em um estábulo em uma pequena cidade insignificante no Oriente Médio? Há apenas uma explicação, e o escritor do seguinte hino de Natal captou bem:

“Ó pequena cidade de Belém, como ainda te vemos mentir / Acima do teu sono profundo e sem sonhos, as estrelas silenciosas passam / Ainda nas tuas ruas escuras brilham, a luz eterna / As esperanças e os medos de todos os anos, são encontrados em te esta noite “

Conclusão

Essa evidência esmagadora para o nascimento virginal de Jesus Cristo levanta a questão de por que permanece tanto ceticismo sobre este evento e outros milagres registrados no Novo Testamento. Essa pergunta foi respondida pelo arqueólogo e professor de Yale, Millard Burrows, que disse: “O excesso de ceticismo de muitos teólogos liberais não provém de uma avaliação cuidadosa dos dados disponíveis, mas de uma enorme predisposição contra o sobrenatural”.

Em outras palavras, a barreira para a fé não é intelectual, mas um coração comprometido com a incredulidade. Qualquer candidato honesto que deixar de lado suas pressuposições tendenciosas e considerar a evidência histórica também experimentará o testemunho afirmativo do Espírito Santo em seu coração e saberá que Jesus Cristo realmente nasceu de uma virgem. E se essa parte da história for verdadeira, então podemos ter confiança de que o resto da história também é verdade.

Este artigo é derivado do último livro do Dr. Eddie Hyatt , O Natal é para o Real , com o subtítulo, Evidências Históricas para o Nascimento Virginal de Jesus Cristo , disponível na Amazon e em seu site em eddiehhyatt.com .

traduzido e adaptado por: Pb. Thiago Dearo

Deixe sua opinião