Quando famílias LGBT vêm à igreja: não podemos escolher entre a verdade e o amor

O que fazer quando família LGBT quiser congregar e participar da comunhão em sua igreja. Você deve ignorar seu modo de viver como uma forma de amor ou pregar a verdade?

2
775
Imagem ilustrativa - família lgbt na igreja

A presença de ‘famílias’ LGBT congregando em sua igreja, essa não é uma questão de que sua igreja e pastor vão enfrentar esse tipo de situação. É uma questão de quando.

Aqui está um cenário: um casal do mesmo sexo ou alguém que vive abertamente em um relacionamento do mesmo sexo começa a frequentar sua igreja. Talvez eles tenham um filho de outro relacionamento ou uma criança concebida através de fertilização in vitro. Porque a sua igreja pratica o batismo infantil, eles pedem para ter seu filho batizado. O que você faz?

Recentemente ouvi falar de uma igreja que enfrentou essa situação exata. Um casal de lésbicas que estava participando pediu para ter seu filho batizado. A igreja tinha convicções teológicas sobre sexo e casamento, bem como sobre como, em sua tradição teológica, o batismo infantil era oferecido com base na fé e obediência dos pais. O pastor, no entanto, escolheu passar pelo batismo para “mostrar amor à criança e aos pais“. Este pastor estava certo?

Agora, deixe-me ser claro. Este comentário não é sobre a correta teologia do batismo. Muitos de vocês frequentam igrejas que praticam o que é chamado de batismo de crentes, ao contrário desta igreja em particular.

Minha preocupação aqui é a discussão que o pastor fez, especialmente dada a rapidez com que situações como essa estão se tornando comuns. De acordo com este pastor, o amor não significa apenas incluir aqueles que estão em pecado impenitente como membros da igreja, mas também permitir que eles participem dos sacramentos. Esse tipo de situação está chegando a uma igreja perto de você.

Irmãos e irmãs Batistas, aqui está uma que você pode enfrentar: se um casal gay quisesse se unir à sua igreja e ter comunhão, seria uma coisa amorosa dizer a eles que sim?

A resposta é não. Deixe-me explicar.

Não é porque um casal gay ou seu filho seja de alguma forma pecaminosa ou contaminada para ser perdoado. Afinal, o batismo é uma imagem visual de Cristo lavando nossos pecados. Cristo acolhe os pecadores à sua mesa. Se Ele apenas recebesse os justos, nenhum de nós poderia participar, “não, ninguém”.

Mas, como Tim Keller frequentemente aponta, o mundo não é dividido em pecadores e santos, mas em pecadores arrependidos e impenitentes. O pré-requisito para se unir à família de Deus não é se limpar, mas permitir que Jesus limpe você. Isso significa abandonar os pecados, não se apegar a eles.

O próprio Jesus disse aos fariseus que Ele veio para chamar os pecadores, não os justos, ao arrependimento. Ele não estava dizendo que os fariseus eram justos, mas que somente aqueles que sabiam que eram pecadores podiam receber o dom do arrependimento e do perdão.

Aqueles que não se arrependerem recusarão o presente. Como CS Lewis explica em “Mero Cristianismo”, o arrependimento não é algo que Deus exige de nós antes de nos levar de volta. “É simplesmente uma descrição do que é voltar para Ele.”

Assim, dizer àqueles que se apegam ao pecado que eles têm a benção de Deus não é amoroso, porque isso não é verdade. O apóstolo Paulo advertiu os coríntios de que aqueles que comem e bebem a ceia do Senhor de maneira “indigna” comem e bebem os juízos sobre si mesmos. “Mas e quanto a mentir, fofocar ou qualquer outro pecado“, você poderia perguntar. Exatamente. O pecado não arrependido de qualquer tipo é um problema.

Mas, é claro, isso requer uma compreensão correta do pecado, da igreja e dos sacramentos de Cristo. Simplesmente tentar amar as pessoas para o Reino sem a verdade não é amor, é sentimentalismo. A verdade é que os atos homossexuais são pecaminosos. Eles distorcem o design criado por Deus. Todos os que vêm a Cristo para purificação devem estar dispostos a se arrepender. E todos os que se arrependem são abraçados por Cristo, e então devem ser abraçados pela igreja, inclusive em Sua mesa e em Seus sacramentos. Mas somente depois do arrependimento, não antes.

Pode parecer mais amoroso fazer o que o pastor que mencionei anteriormente fez. Queremos que a igreja seja um lugar acolhedor onde as pessoas possam encontrar Jesus. Toda igreja deve  receber os pecadores. (Minha igreja faz isso toda vez que passo pela porta.) Mas amar verdadeiramente as pessoas significa dizer a verdade.

Cada igreja hoje precisa estar pronta para essas situações difíceis. Mais uma vez, não é uma questão de se eles vão acontecer, mas quando.

por: John Stonestreet

Traduzido e adaptado por: Pb. Thiago Dearo

Portal Padom

Deixe sua opinião

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui