Pastor alerta sobre a fé ‘confortável’, que trará morte ás igrejas

Quando as igrejas crescem e ficam 'estabelecidas', ocorre uma inércia natural do conformismo, uma fé confortável, que acaba sendo um perigo para qualquer igreja

0
150

O pastor JD Greear, da The Summit Church (Igreja da Cúpula), em Raleigh-Durham, Carolina do Norte, alertou sobre o que ele chamou de a “fé da segunda geração” nas igrejas, que ele disse ser a “morte” para qualquer movimento.

Greear, que também é presidente da Convenção Batista do Sul, escreveu em um post no começo da semana que há uma grande diferença entre o que ele definiu como fé de primeira e segunda gerações.

Como um exemplo de primeira, ele disse que se manifesta em pessoas que estão dispostas a colocar Jesus e Sua missão em primeiro lugar, fazer o que for preciso para alcançar os perdidos e seguir o Espírito Santo.

A fé de segunda geração, por outro lado, disse ele, é o que acontece “quando igrejas como a nossa ficam grandes e ‘estabelecidas’, por assim dizer,” e “experimentam uma inércia natural”.

Dentro de uma geração, eles passam da missão para a manutenção. Eles passam de imprudentes na missão a se sentirem confortáveis ??na instituição”, disse ele.

Ele listou várias outras diferenças importantes, algumas incluindo:

A primeira geração espera um sacrifício pessoal. Segunda geração espera conforto pessoal. Primeira geração vê problemas e procura soluções. Segunda geração vê problemas e reclamações.

A primeira geração ouve a voz de Deus em primeira mão e é dona da visão. A segunda geração herda a visão em segunda mão e questiona cada decisão. A primeira geração sente-se privilegiada por fazer parte do movimento. A segunda geração sente o direito aos benefícios da instituição.”

Greear lembrou uma ocasião, anos atrás, quando a Cúpula ainda era chamada Igreja Batista de Homestead Heights, e ele batizou o que foi, por seus registros, o primeiro homem afro-americano a ir à igreja.

Depois do culto, um de nossos membros mais antigos me puxou de lado no saguão e disse: ‘Filho, você sabe que eu não gosto muito dessas mudanças que você está fazendo em nossa igreja’. Enquanto eu me preparava para o que ele diria a seguir, ele se engasgou quando apontou para o batistério e disse: “Mas se é isso que vamos conseguir, você pode contar comigo para todos eles!” ele lembrou.

O pastor da mega-igreja disse que esse é o tipo de fé de primeira geração de que ele está falando. Por outro lado, ele admitiu ter “vários e-mails arquivados dos últimos anos que representam a segunda geração de nossa igreja”.

A The Summit Church está experimentando agora os frutos da ousada, imprudente, ouvir-de-Deus-e-colocar-o-seu-reino-primeiro fé dos outros. Nós somos o fruto de sua fé audaciosa, mas também tendemos com facilidade para a mentalidade dos crentes de segunda geração”, declarou Greear.

A fé de segunda geração é a morte para qualquer movimento. Está na hora de nós e todas as igrejas como nós recuperarmos a fé de primeira geração, porque Deus não terminou sua igreja“, escreveu ele.

Outras diferenças importantes nos ministérios que Greear observou no passado têm a ver com aqueles que são orientados a elevar pastores talentosos e aqueles que buscam cultivar líderes que fazem discípulos.

Pensamos em igrejas bem sucedidas como aquelas que reuniram grandes multidões para se aquecerem na unção de um homem talentoso“, disse ele em 2014 sobre onde o modelo da igreja americana está errado.

O líder da igreja advertiu os pastores a se tornarem líderes como servos, tornando o discipulado de seus membros o principal objetivo.

Se João 16:7 é verdade, o papel do pastor é levantar as pessoas comuns como guerreiros evangélicos, [para evangelizar as pessoas] não no fim de semana, mas de segunda a sábado“, ele insistiu na época.

Deixe sua opinião