Os personagens da novela Passione são arremedos de pessoas, caricaturas de humanos, sentimentos distorcidos, manias as mais esquisitas. Certo é que existem aqueles que parecem normais: o jovem personagem do ator Kaiky Brito (Sinval), de uma ternura e humanidade realmente verdadeiras; Beth Gouvêa (Fernanda Montenegro) que dosa fortaleza e fraqueza na medida certa e um ou outro personagem menor.No mais um desfile de tipos que carregam o pior das pessoas: filhos que traem os pais; pessoas que falam aos gritos; mulheres que devoram homens sexualmente; atletas viciados em drogas; garota de programa que se desculpa na tragédia pessoal; canalhas que roubam e sempre se dão bem; homens que querem duas mulheres e tentam nos fazer sentir pena.
O que eu tinha em mente ao escrever esta crônica? Naquilo que muitos insistem em afirmar: que a mídia segue um padrão de apresentação do mal com uma tentativa clara de desestabilizar a moral, os bons costumes, a família e etc. Não gosto muito de teorias da conspiração, mas sem sombra de dúvidas a mensagem transmitida pela dramaturgia televisiva é destrutiva, sob alguns aspectos.
Não sei se Passione ou qualquer outra obra da televisão é criada especificamente com a intenção de destruir os valores morais da família, mas certamente pode-se perceber uma tentativa de conferir certa normalidade a atos que em geral não são os atos da média das pessoas. Existem pessoas complicadas e complexas no mundo, isto é certo. Mas transformar problemas complexos e desvios comportamentais em normalidade é algo diferente.
Passione é um exemplo claro desta tentativa – gente que se esqueceu de valores reais e importantes, sendo transformada em herói. Inclusive é o que se avizinha com a personagem Clara (Mariana Ximenes): sua busca por redenção é uma tentativa de apagar seu caráter distorcido? Esperemos e não nos calemos diante do mal.

Lembre-se da oração do mestre: “Não nos deixe cair em tentação, mas livra-nos do mal”.

Graça e paz, sempre.

por Marcus Vinícius
editor de Mídia do INPR Brasil

Portal Padom

Deixe sua opinião