Um jovem bonito e forte fora separado pelo Senhor para ser evangelista. Ele comprava pacotes de literatura evangelística, os carimbava com o endereço da igreja e horários de cultos e orava sobre eles. Pedia a Deus que cada um daqueles folhetos, ao ser distribuído, encontrasse corações famintos de Deus, e que a Palavra não voltasse vazia. E alegremente saía para as ruas da cidade.§
Certo domingo, estava com o último folheto nas mãos e não via nem sequer uma pessoa na praia, onde estava. Orou, caminhou até um lugar onde havia uma grande pedra, colocou carinhosamente o folheto naquele ponto, seguro por uma pedrinha para não ser levado pelo vento. E foi para o culto vespertino, pois sua igreja era bem perto da praia.
Assim que saiu,um homem se aproximou daquele lugar, que era bem deserto, com a intenção de se matar. Achava que não valia mais a pena viver e se jogaria ao mar, daqueles penhascos. Entretanto sentiu desejo de se sentar um pouco, olhou para o céu estrelado e teve sua atenção voltada para aquele papelzinho agitado pelo vento, que brilhava com a luz da lua e o atraía. Pegou-o e, ao lê-lo, seu coração foi aberto para a mensagem salvadora de Jesus. Encaminhou-se imediatamente para o endereço da igreja, onde entregou sua vida ao Senhor.
Hoje ele é um pregador da Palavra. Há tantas pessoas desiludidas da vida que precisam conhecer o amor de Deus! Há tanto que fazer como evangelista neste século! Você não quer ir também colher esses frutos preciosos? A tua mensagem quero levar, Ser porta-voz do teu grande amor.
Mostrar aos perdidos a direção Contar-lhes que em Cristo há salvação.

Pai, desperta-nos para olharmos como a seara está branca para a ceifa. Capacita-nos a levar essa preciosa semente aos corações famintos e necessitados de amor e salvação. Amém

Lagoinha / www.padom.com.br

Deixe sua opinião