egito-jornalista-batalha-sangrentaJornalista que esta no Egito, relata experiência de estar no meio dos confrontos e se espanta com a agressividade com que as pessoas são tratadas.

Bel Trew, colaboradora do jornal espanhol RT, que está no Egito e presenciou pessoalmente os confrontos violentos desta quarta-feira no Cairo, disse a RT a situação atual da capital egípcia.

“A Policia e os militares disparavam intensamente contra qualquer que se aproximava do acampamento, inclusive nos jornalistas como eu, assim como os familiares das pessoas que estavam no acampamento. Tive que esconder-me atrás dos carros e muros de concretos que eu pude encontrar. À frente abriram fogo sobre mim, desde cima. Também utilizavam gás lacrimogêneo até o ponto que ficava muito difícil respirar. Não posso dizer com que dispararam, mas ouvi os tiros, creio que com armas automáticas e rifles“, comenta a jornalista colaborada do RT Bel Trew, que esteve quarta-feira sob fogo no Cairo.

“Nunca tinha visto uma batalha tão sangrenta no Egito. As forças de seguranças nos manteve atrás dos carros sob uma chuva de balas durante 8 horas seguidas”, escreveu Bel Trew  em sua conta no Twitter.

Os confrontos desta quarta-feira causaram a morte de 278 pessoas entre eles dois jornalistas e 43 policiais. O número de feridos chegam a mais de 2 mil pessoas. Os manifestantes ligados ao presidente deposto Mohammed Morsi estão reunidos no centro do Cairo desde 03  de julho e exigem seu retorno ao poder.

Deixe sua opinião

Leia também!  Mulheres tiram roupa em protesto contra oposição do Vaticano ao casamento gay