Nicolás Maduro decretou o dia 15 de janeiro, como o Dia Nacional do Pastor Evangélico, como parte de uma reunião com pastores e representantes do Movimento Cristão Evangélico realizada nesta quinta-feira em Caracas, no Círculo Militar. Ele também aprovou a criação da Universidade Teológica Evangélica da Venezuela e disse que avaliará o decreto do Dia Nacional da Bíblia.

“Parece excelente honrar o pastor Martin Luther King . Eu assino o decreto do Dia do Pastor para 15 de janeiro de cada ano ”, anunciou o ditador venezuelano nas redes nacionais de rádio e TV. “Eu acho que é uma ideia bonita”, argumentou o líder chavista.

15 de janeiro de 1929 é a data de nascimento de Luther King, um pastor que fez um marco com sua luta pelos direitos da população afrodescendente. Esse movimento que ele liderou, que visava acabar com a segregação nos Estados Unidos e a discriminação racial por meios pacíficos, levou-o a receber o Prêmio Nobel da Paz em 1964.

Após o anúncio, Jesús Chúo Torrealba, do Partido Comunista da Venezuela e ex-secretário geral do Departamento de Unidade Democrática (MUD), apontou contra o ditador chavista e lembrou que o regime mantém o sindicalista e pastor evangélico Rubén González no internato Juiz de La Pica do estado de Monagas.

“Agora, Nicolás Maduro, na campanha eleitoral, em uma rede nacional de rádio e TV com um grupo de supostos pastores evangélicos … Infelizmente, ninguém levanta sua voz pela liberdade do pastor evangélico e líder trabalhista Rubén González”, disse ele.

González foi condenado em agosto passado a cinco anos e nove meses de prisão depois de ter participado de uma mobilização do Sindicato dos Trabalhadores da Ferrominera (exploração de minério de ferro) em busca de melhorias salariais. 

No entanto, o regime o denunciou por uma suposta “agressão contra oficiais militares” .

O advogado de González, Jorge Machuca , disse que a sentença responde a uma ordem política “do presidente de fato Nicolás Maduro; o ministro das indústrias Tareck el Aissami e o presidente da Corporação Venezuelana de Guayana (CVG), Pedro Maldonado, bem como os sindicalistas cúmplices das empresas de Guayana, entre os quais mencionou Pedro Perales, José Meléndez, José Gil, Ángel Marcano, Alfredo Spooner e Eleuterio León, adepto do partido no poder. Sobre eles recai esse peso histórico e traição a esse movimento de trabalhadores ”, acrescentou. Para Machuca, “González é um prisioneiro de consciência”.

Deixe sua opinião

WhatsApp
Entre e receba as notícias e artigos do dia