Noticias Gospel Internacional Meninas de 14 anos são presas por causa da fé e ganham...

Meninas de 14 anos são presas por causa da fé e ganham almas dentro da prisão

A história desses jovens crentes na Etiópia inspirará a fé dos jovens de sua igreja.

Eden, Gifti y Mihret, orando juntas.

Para o jovem Éden* foi como se, de repente, tivesse passado de estar compartilhado a sua fé em um ponto de táxi sob chuva forte para estar em uma cela de prisão com suas amigas adolescentes Deborah*, Mihret* e Gifti*. Na Etiópia, a liberdade religiosa é garantida e não é ilegal compartilhar a fé com os outros, mas Eden teve que aprender que um documento oficial nem sempre protege necessariamente aqueles que, como ela, queimam com desejo de compartilhar o Evangelho com os outros.

Tudo começou em sua cidade predominantemente muçulmana, a leste da Etiópia, no temido Chifre da África, quando Deborah, de 18 anos, ministrou um curso sobre evangelização para jovens em sua igreja, incluindo Eden e suas amigas adolescentes Mihret e Gifti, ambos com 14 anos de idade. Em um mês, Deborah as ensinou a falar sobre Cristo com os não-crentes.

Inflamadas pelo amor de Jesus meninas compartilha o amor de Deus

Essas meninas haviam entregado a sua vida a Jesus sendo muito jovens e estavam tão inspiradas pelo que aprenderam que fizeram um plano para compartilhar a esperança que tinham em Cristo todos os dias durante as férias escolares. E elas fizeram isso sem medo ou vergonha, em particular e em público, com sol e na chuva.

Eden compartilhou a mensagem com uma amiga, que retornou para ela no dia seguinte. “Quando eu vi seus olhos banhados em lágrimas, eu sabia que Deus estava fazendo algo na vida da minha amiga, e vendo isso me encorajou muito. Eu também compartilhei o Evangelho com um homem que trabalha em um açougue. Ele acabou confessando seus pecados e oramos juntos, à vista dos espectadores que zombavam de nós. Nós não nos importamos“, compartilha Eden.

Presas por compartilhar o Evangelho

Os pais das meninas temiam que suas filhas pudessem ter problemas. Seus medos se tornaram realidade quando o manual que elas usavam para evangelizar caiu nas mãos do xeque local, que foi reclamar com as autoridades. Eden foi a primeira a ser citada. Sua mãe a acompanhou até a delegacia, onde foi forçada a responder a uma série de perguntas.

“Onde você conseguiu este livro?”, dizia os agentes furiosos. Eden lembra: “Eu estava com tanto medo que Deborah pudesse ter problemas por causa disso, eu escondi a verdade a princípio”. O interrogatório tornou-se cada vez mais hostil. “A polícia ameaçou me matar se eu não respondesse. O abuso verbal, beliscão e tapas eram tão brutais que no final eu não aguentava mais e disse a eles que foi Deborah quem me deu o livro.” Imediatamente, a polícia prendeu Deborah, Mihret e Gifti, acusando-as de “desrespeito à religião de outras pessoas” e “denegação pessoal“. Embora fossem menores, foram presas. Gifti comemorou seu décimo quinto aniversário na prisão.

Embora na prisão, a presença de Deus era real na vida das meninas que continuavam pregando o evangelho

A incerteza era como uma espada pendurada sobre suas cabeças. As autoridades lhes disseram constantemente que poderiam estar na prisão pelos próximos quinze anos. As garotas hesitaram em considerar as ameaças como mera intimidação ou como um perigo real. Aqueles que os visitaram preocuparam-se com as condições em que estavam e especialmente sobre os sinais de abuso físico.

Desde que o ministério cristão Portas Abertas soube que essas meninas estavam na prisão, mobilizou cristãos de todo o mundo para orar por elas, para que Deus as protegesse e fizesse a Sua justiça. Depois de três meses, elas foram libertadas!

Mais tarde, graças ao apoio de pessoas, fornecemos assistência pós-traumática e diferentes membros da equipe local e colaboradores passaram tempo com elas, incentivando-as e as animando. Foi então que tivemos mais conhecimento sobre até que ponto o Senhor havia respondido às nossas orações.”, compartilhou o ministério Portas Abertas em seu site.

Isso é demonstrado pelas palavras do Eden: “Deus não nos deixou passar apenas pelas dificuldades, mas ele fez um caminho onde pensávamos que não havia. Precisamos nos manter firmes no meio dos problemas, nunca desistindo. Deus está no controle“. Débora também percebeu a presença de Deus na prisão: “Sou testemunha de como Deus é com cada um daqueles que se sacrificam em prol do Evangelho e os enche de alegria. Na prisão, fomos capazes de aprender que Deus nunca nos deixa passar por momentos difíceis: Ele carregou nossos fardos e nos deu paz e consolo no meio da tempestade”. Gifti também nos dá uma lição de fé e coragem: “Como cristãos, devemos estar preparados para a perseguição. Tudo isso foi uma honra para nós. Durante esses três meses de prisão, tivemos um precioso tempo de oração, jejum, estudo da Bíblia e louvor. Nós perdemos o nosso medo“, disse ela.

Além disso, Deus não só manteve intacta a fé das jovens, mas as inspirou a continuar a compartilhar sua fé corajosamente com outros prisioneiros. Segundo Deborah, catorze pessoas da prisão ouviram o Evangelho. “Pedimos a cada pessoa que nos visitou que trouxesse Bíblias para os prisioneiros com quem estávamos conversando. Todos eles os receberam alegremente. Muitos com quem falamos estavam frustrados com uma vida sem esperança. Que o Senhor nos deu quatro almas dispostas a aceitar Jesus fez a nossa estadia na prisão incrível “.

Quando elas saíram da prisão, a cidade natal delas era muito perigosa, então elas se mudaram. Mas até isso foi visto como uma oportunidade para continuar compartilhando sua fé. Tentando conter as lágrimas, Eden abre seu coração: “Estou muito feliz em pensar que Ele me permitiu ser chamado Sua filha … Eu não mereço isso. Sempre que me ajoelho em oração, clamo para que meus amigos saibam a verdade em que nossas almas estão satisfeitas. Eu sinto um fardo para aqueles que ainda permanecem no escuro“.

* os nomes das meninas foram alterados por questões de segurança.

Deixe sua opinião