Embora a economia da China tenha sido severamente afetada pelo coronavírus e muitos residentes sofram dificuldades financeiras, o Partido Comunista Chinês (PCCh) ameaça tirar o último meio de sobrevivência dos idosos – os subsídios emitidos pelo governo. Para mantê-los, eles devem parar de acreditar em Deus.

Uma católica da cidade de Fuzhou, na província de Jiangxi, sudeste do país, recebe mensalmente 250 RMB (cerca de 175 reais) do governo desde 2018, ano em que seu marido morreu. No final de 2019, funcionários do governo local ameaçaram a mulher, nos seus 60 anos, que o subsídio seria retirado, a menos que ela retirasse imagens de Jesus de sua casa. “Como o Partido Comunista o alimenta“, disseram à mulher, “você deve acreditar apenas nisso, não em Deus“. Dois meses depois, a pensão foi cancelada porque ela se recusou a remover os símbolos.

Tornou-se difícil manter a crença em Deus por causa da perseguição religiosa“, disse a mulher a Bitter Winter, impotente.

Em 30 de abril, oficiais da comunidade em Fuzhou forçaram a encobrir uma imagem de cruz na casa de um cristão de mais de 80 anos, ameaçando anular sua ajuda de custo de outra maneira.

No final de abril, o governo da cidade de Fuzhou intensificou as investigações religiosas por meio de inspeções de “retorno” – visitas a locais previamente abafados para garantir que as pessoas não voltem a praticar sua fé. Durante um deles, funcionários do Departamento de Assuntos Civis ameaçaram um crente Sola Fide em uma casa de repouso, que ficou paralisada por oito anos, para expulsá-lo da residência se ele continuasse acreditando. Suas “cinco garantias” – ajuda governamental na forma de moradia, alimentação, roupas, assistência médica e despesas de funeral a pessoas que não podem trabalhar e não têm renda – também seriam revogadas. Os oficiais derrubaram imagens de Jesus em seu quarto já no outono passado.

As autoridades disseram que eu deveria acreditar no Partido Comunista, uma vez que ele me alimenta, ou então todos os meus benefícios sociais seriam cancelados”, disse o crente. “Não vou desistir da minha fé, não importa como o governo me persiga. Se cancelar meus benefícios, encontrarei Deus mais cedo.”

Em 19 de janeiro, oficiais da cidade de Yingtan, em Jiangxi, privaram uma cristã local de sua ajuda governamental por realizar reuniões religiosas em casa, mesmo que a mulher estivesse imóvel devido a uma doença. Em março, autoridades do distrito de Yujiang da cidade destruíram calendários religiosos nas casas de dois crentes que recebem benefícios do governo.

Em 23 de janeiro, as autoridades da cidade de Taian, na província oriental de Shandong, perseguiram uma católica, de 70 anos, por causa de símbolos religiosos em sua casa. A mulher disse ao Bitter Winter que lhe pediram para substituir os símbolos pelos retratos de Xi Jinping ou Mao Zedong, já que “ela vive no bem-estar do Partido Comunista”, que pode ser cancelada se não os ouvir.

Ao me forçar a remover o retrato do Senhor Jesus, o governo tentou parar minha crença em Deus, mas eles não podem tirar minha crença do meu coração“, disse ela.

No final de abril, autoridades do condado de Cao, cidade de Heze, em Shandong, destruíram cruzes e outros símbolos religiosos nas casas de vários idosos que também estavam recebendo subsídios para aliviar a pobreza. Um frequentador da igreja local disse que esses representantes estaduais alegavam que nenhum recurso para aliviar a pobreza deveria ser dado às pessoas que têm símbolos religiosos em casa; eles devem acreditar no Partido Comunista para obter ajuda do estado.

 Em abril, autoridades do condado de Lankao, na cidade de Kaifeng, na província central de Henan, removeram um calendário religioso e dísticos com imagens cruzes da casa de um cristão pobre e diminuíram a sua ajuda para aliviar a pobreza. Eles também ordenaram que ele reformasse a casa e instalasse um vaso sanitário antes de uma inspeção pelos superiores. A demanda era contrária aos regulamentos de redução da pobreza, que estipulam que o Estado deve cobrir tais despesas.

O que devo fazer sem minha renda? Como posso argumentar com eles? É como a Revolução Cultural ”, lamentou o crente tristemente.

Deixe sua opinião