Gal Gadot, vestida como Mulher Maravilha, em uma foto montagem no Monte do Templo em Israel
Gal Gadot, vestida como Mulher Maravilha, em uma foto montagem no Monte do Templo em Israel

 A atriz de cinema e mais conhecida por seu papel como Mulher Maravilha, Gal Gadot, disse que estava orando pelo seu povo de Israel após os ataques que a nação judaica recebeu pelo grupo Hamas, relata Faithwire.

Gadot expressou sua preocupação por Israel e pelas pessoas próximas a ele: “Meu país está em guerra. Eu me importo com minha família, meus amigos. Preocupo-me com o meu povo”.

Ela também indicou que o ciclo de hostilidade entre Israel e seus vizinhos deve parar, acrescentando que tanto seu país quanto os vizinhos merecem viver em paz.

Em sua mensagem, a Mulher Maravilha disse que estava orando por seu país.

Apesar da mensagem emocional de Gal para seu país, uma enxurrada de críticas inundou sua publicação, já que muitos usuários dizem que Israel iniciou os ataques e não deveria dar-lhe apoio.

Um usuário criticou a opinião de Gadot e sugeriu que Israel ocupou arbitrariamente parte do território palestino.

“Em relação ao que aconteceu com a atriz Gal Gadot eu acho bom, que ela defenda sua nação natal. Mas não se deve esquecer o que Israel vem comentando com o movimento sionista em direção ao povo palestino. NATALIE PORTMAN sendo israelita, ela sempre mostrou sua recusa a isto”, escreveu @marceivan94

Anti-semitismo

Por sua vez, outros usuários a acusaram de ser anti-semita. E não é a primeira vez que isso acontece, em 2019 Gadot foi acusada de antijudaísmo por defender a atriz Rotem Sela que apoiava a comunidade árabe em Israel.

Leia também!  90% dos pacientes mais graves de COVID em Israel não foram vacinados

Seus comentários foram feitos após uma entrevista com a ministra da Cultura Miri Regev, que disse que as pessoas deveriam ter o cuidado de votar no então candidato Benny Gantz, pois ele teria que formar uma coalizão política com os árabes para governar.

Sela reagiu à entrevista questionando a tolerância do governo israelense: “Quando diabos alguém neste governo vai transmitir ao público que Israel é um país para todos os seus cidadãos?

Ela continuou: “E que todas as pessoas nasceram iguais. Os árabes, por Deus, também são seres humanos. E os drusos também. E os gays e as lésbicas e os esquerdistas ”.

Gadot escreveu nas redes sociais em defesa da atriz: “A responsabilidade de semear esperança e luz para um futuro melhor para nossos filhos é nossa. Rotem, irmã, você é uma inspiração para todos nós ”.

Deixe sua opinião