O comité consultivo federal em Segurança do Sangue e da disponibilidade (ACBSA) votaram sexta-feira para manter as regras atuais de doação de sangue, o que efetivamente proibe que homossexuais praticantes doarem sangue, relata James Tillman, LifeSiteNews.com.Especificamente, as regras de excluir qualquer potencial doador de sangue se ele é um homem que teve relações sexuais com outro homem, existe desde 1977, quando aproximadamente iniciou a epidemia da AIDS.
O papel da comissão consultiva é oferecer um parecer não vinculativo para o Departamento federal de Saúde e Serviços Humanos.
“O bom senso triunfou sobre a correção política, uma ocorrência cada vez mais raras, mas muito bem-vinda”, disse Pedro, o Family Research Council de Sprigg na resposta.
“Este juri ouviu um dia e meio de testemunho, incluindo as últimas pesquisas sobre os riscos do HIV no fornecimento de sangue, mas no final, eles reconheceram que não existe uma política de rastreio alternativos que podem ser mostrados para manter a segurança do abastecimento do país de sangue “.
O senador John Kerry e outros 17 senadores democratas pediram ao FDA para acabar com a “proibição” discriminatória, argumentando que análises ao sangue pode detectar o HIV em curso. O adiamento por tempo indeterminado de homens que fez sexo com homens (HSH) começou em 1983, antes da disponibilidade de testes para o HIV, disseram.
“Nem um único pedaço de evidência científica apóia a proibição”, afirmou Kerry.
Críticos, no entanto, têm apontado que existe um período de até seis meses após a pessoa ser infectada em que exames de sangue não revelam o HIV, e durante o qual a pessoa infectada ainda pode transmitir a alguém.
A FDA também afirma que os testes para o HIV pode deixar de detectar todos os doadores infectados. Segundo a FDA, porque há mais de 20 milhões de transfusões de sangue a cada ano, até uma taxa de falhas muito pequenas aumentaria o risco de HIV detectado na população de doadores.
Em seu depoimento perante o ACBSA, disse Sprigg a alegação de que “a política atual” discriminação “com base na” orientação sexual “é muito enganadora.”
Ele disse que o termo “orientação sexual” compreende o fenômeno psicológico da atração sexual, o fenômeno sociológico da auto-identificação sexual, e o fenômeno físico do comportamento sexual. Somente o último destes diz respeito à questão da proibição de doadores de sangue, e é “baseado em um comportamento de risco bem documentado – nada mais, nada menos.”
De acordo com o Center for Disease Control, embora os HSH (homens que fazem sexo com homens), estima-se que representam 4% da população no EUA do sexo masculino, a taxa de novos diagnósticos de HIV entre eles é mais de 44 vezes maior do que os outros homens. Eles representam mais de metade de todas as novas infecções pelo HIV nos E.U.A a cada ano.
Apesar de novas infecções pelo HIV tem diminuído recentemente, tanto entre heterossexuais e usuários de drogas injetáveis, o número anual de novas infecções pelo HIV entre homossexuais tem aumentado constantemente desde o início de 1990. O homossexualismo feminino também têm índices muito maiores de sífilis e outras doenças sexualmente transmissíveis do que as heterossexuais.
Sprigg disse: “Eu entendo que existem muitas pessoas que desejam promover o objetivo sócio-político de ganhar uma maior aceitação da homossexualidade.”
“No entanto, a política de doação de sangue não existe para servir a propósitos sócio-políticos, nem deve ser alterado para promovê-los.”

Traduzido por: www.padom.com.br

Christian Telegraph / Padom

Deixe sua opinião