julgamento do pecadoDeus não apenas fica irado com o pecado, como também o julga. Ele estabeleceu leis imutáveis antes de o pecado entrar no mundo. Uma dessas leis dizia respeito à sua punição.  Deus começou a puni-lo assim que foi introduzido no universo. A Bíblia nos fornece exemplos em que Deus puniu o pecado.

Em algumas ocasiões ele julgou o pecado enviando uma catástrofe natural: “Depois o povo tornou-se queixoso, falando o que era mau aos ouvidos do Senhor; e quando o Senhor o ouviu, acendeu-se a sua ira; o fogo do Senhor irrompeu entre eles, e devorou as extremidades do arraial” (Núm. 11:1).

Noutra ocasião Deus julgou o pecado enviando uma doença sobre aqueles que o irritaram: “Assim se acendeu a ira do Senhor contra eles; e ele se retirou; também a nuvem se retirou de sobre a lenda; e eis que Miriã se tornara leprosa, branca como a neve…” (Núm. 12:9,10).

O maior exemplo do julgamento de Deus contra o pecado foi o envio de Israel para o cativeiro babilônico. Devido ao pecado contínuo dos israelitas, ele os lançou num cativeiro que durou setenta anos.

Entretanto, Deus não se agrada do julgamento do pecado. Ele prefere conceder misericórdia. Nos três exemplos bíblicos citados, Deus mostrou-se grandemente misericordioso com o povo que julgara.

  • Depois que o fogo irrompeu no acampamento dos filhos de Israel, Moisés orou ao Senhor e ele se apagou.
  • Miriã foi curada da lepra porque oraram em seu favor.
  • Foi permitido aos Filhos de Israel voltarem à sua pátria após os setenta anos de cativeiro babilônico.

Vimos que Deus julgou o pecado no passado e que prefere conceder misericórdia a quem lhe pede perdão.

Extraído do livro: 103 Perguntas que as pessoas fazem sobre Deus – Don Stewart

 

Portal Padom

 

Deixe sua opinião