As pessoas que leem a Bíblia são mais capazes de perdoar os outros, diz estudo

As pessoas que leem a Bíblia Sagrada com mais frequência, e que segue os seus ensinamentos, são mais propensos em liberar o perdão.

299
Homem lendo a Bíblia Sagrada - imagem Pexels
Homem lendo a Bíblia Sagrada - imagem Pexels

As pessoas que leem a Bíblia regularmente e dizem que isso afeta suas vidas diárias são mais capazes de perdoar os outros do que as pessoas que raramente leem a Bíblia, segundo publicou um novo estudo.

O estudo da Sociedade Bíblica Americana descobriu que 94% do que chamou de pessoas “engajados nas Escrituras” disseram concordar com a afirmação: “Sou capaz de perdoar sinceramente qualquer coisa que alguém tenha feito comigo, independentemente de eles pedirem por perdão ou não”. Apenas 6% dos americanos nesta categoria disseram discordar da afirmação.

A categoria “engajados com as Escrituras” inclui apenas as pessoas que: 1) dizem que a Bíblia impacta suas vidas diárias, 2) dizem que ela ajuda a guiar seus relacionamentos com Deus e com os outros, e 3) dizem que lêem/ouvem a Bíblia regularmente.

Enquanto isso, 59% das pessoas “desengajadas da Bíblia” disseram concordar com a declaração sobre o perdão, com 40% discordando. Esta categoria inclui pessoas que raramente interagem com a Bíblia e dizem que ela tem influência mínima em suas vidas.

O contraste entre as categorias “Bíblia engajada” e “Bíblia desengajada” foi ainda mais proeminente ao comparar aqueles que “fortemente” concordaram com a afirmação. Quase metade (47%) das pessoas engajadas nas Escrituras concordaram fortemente com a declaração, enquanto 11% dos desengajados na Bíblia concordaram.

“Aqueles que se envolvem com as Escrituras certamente sabem o quanto isso nos leva a perdoar os outros”, disse uma análise da Sociedade Bíblica Americana. “É até mesmo parte da Oração do Senhor (Mateus 6:12). Ainda assim, perdoar é um negócio difícil. Aqueles que ‘concordam fortemente’ que são capazes de perdoar podem ter experimentado uma transformação impulsionada por Deus. Aqueles que ‘um pouco’ concordam podem estar dizendo que ainda estão trabalhando nisso. Você pode pensar em Simão Pedro, totalmente comprometido com Jesus, mas ainda assumindo que sete perdões eram suficientes (Mateus 18:21).”

A pesquisa fez parte do último lançamento do relatório Estado da Bíblia: EUA 2022 da Sociedade Bíblica Americana.

Deixe sua opinião