Anestesista acusado de abusar de nove meninas

pedofilianaoO julgamento de um médico anestesista acusado de abuso sexual de menores no hospital local sobre nove meninas entre os 10 e os 12 anos começou esta segunda-feira, em Bamberg (Baviera).No início da audiência, o advogado de defesa do médico disse que o seu cliente admitia a prática dos 13 crimes de pedofilia por que está indiciado pelo Ministério Público.

“Queremos evitar que as vítimas tenham de testemunhar no julgamento”, justificou o advogado.

Segundo a acusação, na maioria dos casos o anestesista apalpou as crianças, mas em duas situações foi mais longe, o que é considerado crime grave de abuso sexual de menores, punido com prisão de dois a 15 anos.

Para proteger as vítimas, mas também para evitar que as inclinações sexuais do arguido sejam demasiado expostas, o tribunal decidiu interditar a maior parte do processo à imprensa e ao público.

A audiência em que será lida a sentença, na próxima segunda-feira, será no entanto, aberta ao público, informou um porta-voz do tribunal.

De acordo com o Ministério Público, os crimes terão sido cometidos entre Abril de 2005 e Junho de 2008, durante exames médicos organizados pelo anestesista alegadamente para testar a capacidade de reanimação de crianças.

O réu terá filmado com uma câmara oculta os abusos sexuais cometidos no seu escritório no Hospital de Bamberg, e foi também acusado dos crimes de aquisição e posse de pornografia infantil.

Os alegados abusos foram revelados em Junho de 2008, depois de algumas das crianças terem contado aos pais o que se passou durante os referidos exames médicos.

A polícia revistou em seguida o escritório do anestesista, que foi imediatamente suspenso de funções pela direcção do hospital, uma semana depois exonerado e um mês depois detido pela polícia.

Desde então, o clínico, que trabalhou 17 anos no Hospital de Bamberg, onde era considerado um funcionário exemplar pelos 1.300 funcionários, está em prisão preventiva na Penitenciária de Straubing.

Fonte: Jornal de Notícias

Deixe sua opinião