Apenas o ato de pensar em fazer psicoterapia pode gerar sentimentos diversos, entre eles medo, angustia, desconfiança, dentre outros. A psicoterapia tem uma grande carga sentimental ligada a si, pois, é um momento em que você está falando de intimidades, sentimentos e atitudes que talvez nunca tenha dito a ninguém. Além do mais, o conteúdo que levamos às sessões é analisado e devolvido de uma forma que nos defronte, e isso pode gerar mais alguns inúmeros sentimentos não tão agradáveis.

Você pode estar um pouco assustado com a descrição do primeiro parágrafo, mas realmente se submeter a uma psicoterapia pode ser um ato de coragem, sair do automatismo do dia a dia para indagar sobre a sua própria existência, além de ser um ato corajoso é um ato de amor, amor próprio.    fazer terapia pode ser simbolizado como um modo de colocar-se na frente de um espelho, se despir das armaduras de sua alma e ver o que restou. Esse sentimento é inevitável e não posso escondê-lo de você.

Passo a lhe falar sobre alguns mitos que envolve a terapia, o primeiro e clássico é o: “o psicólogo só conversa”. Essa frase não está de toda errada, se você considerar que por trás daquela conversa existe uma abordagem que é como o profissional faz a leitura dos conteúdos que o paciente fala, que dirão como ele deverá intervir no momento e com a frase correta.

Desabafar com amigos é importante, mas as técnicas aprendidas na graduação e demais especializações que um psicólogo venha fazer não serão encontradas num desabafo no barzinho.

Outro mito bem famoso é o de que “só vai em psicólogo quem é louco”, bem, se você acredita nisso tenho uma péssima notícia para lhe dar, guardadas as devidas proporções, somos todos “loucos”. Basta você abrir um livro de CID – 10 (Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde) ou DSM – 5 (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais).

Nestes livros existirão diversas doenças psiquiátricas, transtornos de comportamento e de personalidade que, ao olhar os sintomas, não tem como não nos identificarmos com alguns deles. 

Outro muito comum é o mito da “demora nos resultados”, esse ponto é um pouco complicado. Existe terapia breve, plantão psicológico, que são modalidades que trabalham num período mais curto de tempo. Sim, elas são efetivas e trazem bons resultados, iguais às terapias de médio e longo prazo. Porém, cada indivíduo possui um tipo de demanda e se relaciona com ela diferente das outras pessoas. 

Se mesmo com estas explicações você ainda possui algum receio sobre iniciar um processo terapêutico tenho mais um ponto que gostaria de abordar para fazer você perder o medo restante, estou falando do sigilo profissional que é algo primordial na atuação de um psicólogo, nada que é falado nas sessões é compartilhado com ninguém, não é postado em redes sociais, não é registrada em vídeo ou áudio, tudo isso para que o paciente possa falar sobre tudo o que quiser sem receio de ser exposto.

Nossa categoria de profissionais de psicologia, tem um Código de Ética que delimita nossa atuação e o descumprimento das cláusulas pode gerar punições graves, como, por exemplo, a perda do direito de atuar como psicólogo.

Independente de quem você seja, estaremos dispostos a acompanhá-lo nessa trilha dura, mas linda, que transforma quem se dedica ao processo terapêutico.

Dr. Rubens Soares

Deixe sua opinião