A organização Portas Abertas Internacional lançou hoje (05/01) a classificação dos 50 países mais intolerantes ao Cristianismo, e explicou como ela é produzida.
Segundo a organização, a lista é lançada com o objetivo de monitorar a situação dos que servem a Cristo ao redor do mundo. O período analisado para esta versão foi de 01 de novembro de 2009 a 31 de outubro de 2010.
A classificação se dá com base em um questionário com 50 perguntas, que cobre vários aspectos da liberdade religiosa.
Informações sobre o estado legal e oficial dos Cristãos e a situação real de indivíduos cristãos abrangem por exemplo, se a constituição e/ou as leis nacionais prevêem a liberdade religiosa, se as pessoas têm o direito por lei de se converterem ao Cristianismo, se os Cristãos estão sendo mortos por causa de sua fé, ou se eles estão sendo sentenciados às prisões, campos de trabalhos forçados ou estão sendo enviados a santórios por causa de sua fé.
Além disso, a organização necessita saber, “Os Cristãos tem liberdade de imprimir e distribuir literatura cristã? as publicações cristãs são censuradas ou proibidas neste país?” E também fatores afetam a liberdade religiosa no país. “Os lugares de encontro dos Cristãos e/ou as casas dos Cristãos têm sido atacadas por motivos anticristãos?”
A pontuação é atribuída dependendo da maneira como cada questão é respondida.
“… o número total de pontos é o que vai determinar a posição do país na classificação,” informou o comunicado da organização.
A lista, então, divide esses países em cinco graus de intolerância: perseguição severa, opressão, limitações severas, algumas limitações e alguns problemas.
Como já era de se esperar, a Coréia do Norte continua em primeiro lugar como o país mais fechado ao evangelho há 9 anos consecutivos. Os outros que se seguem até a 7º posição são: Irã, Afeganistão, Arábia Saudita, Somáia, Maldivas e Iêmen.
“A grande “surpresa” este ano foi o Iraque, que subiu 9 posições,” informou.
Países como Afeganistão, Iraque, Paquistão, Vietnã, Argélia, Norte da Nigéria, Kuweit, Turquia, Marrocos, Tunísia, Síria e Quirguistão subiram na classificação por causa das difíceis condições impostas aos Cristãos. Outros como Mauritânia, China, Comores, Líbia, Mianmar, Índia, Norte do Sudão, Djibuti, Cuba e Sri Lanka desceram de posição e a Malásia entrou na classificação.
“Caso houvesse um 51º país, esse seria a Rússia, local onde houve vários incidentes em 2010,” afirmou a Portas Abertas. Acrescentando, “Dez Cristãos foram presos e três líderes de Igrejas foram mortos por sua fé.”
Apenas o Quênia saiu da classificação, entretanto, não significando necessariamente, que a situação no país tenha melhorado.

Christian Post / www.padom.com.br

Deixe sua opinião