A maioria dos cristãos não se sente à vontade em voltar à igreja com medo do coronavírus: pesquisa

Cristãos ainda sentem medo do coronavírus e por isso não se sentem á vontade em participar dos cultos presencial.

Quase dois terços dos cristãos americanos não se sentem à vontade em retornar aos cultos pessoalmente devido a preocupações com o coronavírus, de acordo com uma pesquisa recente.

O American Enterprise Institute conduziu uma pesquisa com 3.504 americanos do final de maio ao início de junho, perguntando-lhes sobre seus níveis de conforto ao retornar à igreja.

Entre os entrevistados, 64% disseram que estavam “um pouco desconfortáveis” ou “muito desconfortáveis” em retornar aos cultos presenciais da igreja.

As pessoas estão equivocadas e incertas sobre se se sentem à vontade em participar“, disse Daniel Cox, que supervisionou o estudo, ao Associated Press e ao Religion News Service .

“Estamos vendo entre os leigos uma quantidade significativa de desconforto em voltar às práticas religiosas formais pessoalmente”.

Enquanto a maioria da amostra geral era desconfortável, a pesquisa da AEI encontrou uma variação considerável nas respostas por classificação racial e religiosa.

Os protestantes evangélicos brancos foram os mais confortáveis ??em assistir aos cultos, com 61% dizendo que estavam “muito confortáveis” ou “um pouco confortáveis” em assistir.

Por outro lado, apenas 26% dos entrevistados católicos hispânicos disseram estar “muito confortáveis” ou “um pouco confortáveis” em comparecer a serviços pessoais.

Entre os protestantes negros, 42% disseram que estavam “muito desconfortáveis” com a participação, que era a mesma porcentagem para os entrevistados que se identificaram como “grande religião não cristã“.

Os entrevistados que se identificaram como “não afiliados” foram os mais propensos a dizer que ficariam “muito desconfortáveis“, com 66%, com apenas 8% desse grupo dizendo que ficariam “muito confortáveis“.

Em resposta à disseminação do coronavírus, a grande maioria das igrejas nos Estados Unidos optou por fechar as portas, com a maioria transferindo sua adoração para serviços exclusivamente on-line.

Quando os estados começaram a reabrir, muitas igrejas fizeram o mesmo, muitas vezes com medidas de segurança, incluindo espaçamento dos participantes, restrição de contato físico e uso de máscaras.

Muitas igrejas permaneceram fechadas por precaução, depois que algumas igrejas que foram reabertas se reencontraram em meio a novos casos de COVID-19 surgindo entre os participantes.

Funcionário da Assembléia Geral da Igreja Presbiteriana (EUA), Rev. Herbert J. Nelson, chefe da maior denominação presbiteriana nos EUA, recentemente pediu cautela com a reabertura.

Em um vídeo publicado on-line no início deste mês, Nelson disse que, embora a adoração seja importante, as igrejas devem “levar nosso tempo” e “não se apressar” em reabrir os serviços pessoalmente.

Reconheça que ainda estamos no meio desse coronavírus“, disse Nelson. “As práticas que muitos de vocês continuaram a desenvolver foram criadas a partir de sua própria imaginação, mesmo quando não fomos capazes de entrar em santuários e outras igrejas, expandimos isso”.

Permita-nos levar isso devagar e reconhecer em todas as coisas que devemos ser as pessoas que ajudam a construir a vida abundante que os indivíduos buscam neste lado do céu.

Deixe sua opinião