JUNTE-SE AO NOSSO GRUPO no Telegram ou WhatsApp. Oferecemos o que há de mais relevante em notícias e conteúdo cristão 🤗

O gabinete de combate ao coronavírus de Israel, se reunirá esta semana para discutir o surto da variante Delta em Israel, já que uma equipe de pesquisa alertou que o país pode ver até 1.000 novos casos por dia nas próximas duas semanas – em comparação com os atuais 300.

No entanto, outro pesquisador israelense disse que a vacina contra o coronavírus da Pfizer continua eficaz contra a variante Delta.

“Uma verdadeira onda de infecção está se espalhando em Israel”, escreveu uma equipe de pesquisadores da Universidade Hebraica em um relatório enviado no sábado ao Conselho de Segurança Nacional. “Romper a onda exigirá etapas significativas… Esperar sem fazer nenhuma alteração neste ponto exigirá etapas mais difíceis posteriormente para obter um efeito semelhante.”

De acordo com suas previsões, uma vez que a taxa de reprodução ou “R” – quantas pessoas uma pessoa infectada irá reinfectar – atingiu 1,5, o número de casos diários tende a aumentar a cada semana. Se não houver mudança no comportamento – nenhuma adesão à máscara de uso interno, nenhuma renovação do passaporte verde – “será difícil evitar que cheguem a cerca de 1.000 infecções diárias em cerca de duas semanas”.

O gabinete de combate ao coronavírus deve se reunir esta semana para discutir novas restrições, como a implementação do passaporte verde. Eles se reuniram pela primeira vez na semana passada, mas votaram para não adicionar quaisquer restrições adicionais no momento.

Ran Balicer, chefe de inovação da Clalit e presidente do Comitê Consultivo de Especialistas Israelense COVID-19, disse ao N12 na noite de sábado que o programa de passaporte verde só seria necessário, em sua opinião, se o surto continuasse no mesmo ritmo ou maior, se os casos começaram a aumentar ou a vacina fosse considerada ineficaz contra a infecção.

De acordo com a equipe de pesquisa do HU, “as vacinas são visivelmente menos eficazes na prevenção da infecção – cerca de 60% a 80% [eficazes contra a variante Delta] em comparação com 90% contra a variante Alfa”.

No entanto, a equipe observou que ainda não está claro qual a porcentagem de pessoas que desenvolverá doenças graves. Até o momento, o aumento de casos graves ou mesmo moderados têm sido significativamente baixos.

Apenas três a cinco pessoas em cada 1.000 infectadas estão desenvolvendo infecção grave, de acordo com o Prof. Eran Segal, um biólogo computacional do Instituto de Ciência Weizmann – que postou gráficos relacionados no Twitter – em comparação com 20 a 30 em 1.000 no o pico da pandemia.

“Neste estágio, não há nenhum exame em Israel sobre a eficácia da vacina na prevenção de doenças graves, mas no mundo, está claro que essa proteção é semelhante [ao que era] no passado”, disseram, acrescentando que leva cerca de cinco dias para avaliar se um caso se tornará mais grave.

Outro relatório, publicado no fim de semana pelo Laboratório Central de Virologia em colaboração com o Dr. Gili Regev-Yochay, diretor da Unidade de Epidemiologia de Doenças Infecciosas do Centro Médico Sheba em Tel Hashomer, mostrou que os níveis de neutralização contra o vírus Delta foram reduzidos em duas vezes em comparação com o vírus original em testes de laboratório.

No entanto, Regev-Yochay disse ao The Jerusalem Post que a vacina ainda deve ser amplamente eficaz.

“A vacinação induz uma resposta substancial de anticorpos” para a variante Delta, mostrou o relatório.

Regev-Yochay observou que a vacina se mostrou menos capaz de funcionar contra a variante Beta (sul-africana) do que a Delta.

O estudo, que foi publicado no Eurosurveillance, envolveu o teste de amostras de soro de 36 profissionais de saúde.

Os pesquisadores do HU recomendaram concentrar esforços na prevenção da infecção da população vulnerável, especialmente em hospitais e lares de idosos.

O Ministério da Saúde deve se reunir no domingo para discutir a opção de administrar uma terceira dose ou injeção de reforço a pessoas idosas ou imunocomprometidas, informou a Kan News.

Além disso, o governo iniciou na manhã de sexta-feira a construção de um local ampliado para testes de coronavírus – na forma de uma enorme tenda – no Aeroporto Ben-Gurion, que terá capacidade para administrar até 2.500 testes por hora, de acordo com um anúncio feito pelos ministérios de Defesa e Transporte.

A barraca terá cerca de 1.500 m².  e espera-se que esteja funcional já esta semana.

“Depois de um ano e meio de uma pandemia global, começamos a construção de um extenso local de testes no Aeroporto Ben-Gurion para reduzir o tempo de espera e permitir resultados rápidos”, tuitou o primeiro-ministro Naftali Bennett na sexta-feira.

O Ministério da Saúde notificou 323 novos casos na noite de sábado, ultrapassando os 300 pela segunda vez desde abril, sendo a última vez na quarta-feira. No entanto, apenas 0,5% das quase 70.000 pessoas testadas tiveram resultados positivos.

Foram reportados 31 pacientes em estado grave. A última vez que houve 31 pacientes graves foi em 11 de junho. O número de casos graves variou de 23 a 29 na semana passada.

Segundo informações, novos surtos foram descobertos pela equipe de vigilância de esgoto do ministério em Modi’in, Binyamina, Herzliya, Giv’at Ada e Hod Hasharon.

Deixe sua opinião