Steven Predd e Martin Hall,alegres com a vitória

Os proprietários de Pousada Cristã que recusou hospedar um casal gay em um quarto de casal, foram condenados a pagar uma indemnização após um juiz determinar que eles agiram ilegalmente.
Pedro e Hazelmary Bull estavam infligindo a lei
, quando eles negaram Martyn Hall e seu parceiro Steven civil Preddy um quarto em seu hotel em Cornwall, em setembro de 2008.
O juiz Andrew Rutherford proferiu a decisão em uma sentença por escrito no Tribunal do Condado de Bristol que favoreceu ao casal gay a receber £ 1.800 (4 836 reais) cada um, por danos.
Após a decisão, o casal gay disseram que eles estavam muito satisfeitos com o resultado.
“Estamos muito satisfeitos que o juiz confirmou o que já sabemos – que, nestas circunstâncias, a nossa parceria civil tem o mesmo estatuto jurídico, como um casamento entre um homem e uma mulher, e que, independentemente das convicções religiosas de cada pessoa, não está acima da lei “, disseram.

Hazelmary Bull falando fora do tribunal, esta manhã. "Eu sinto que o Cristianismo está sendo marginalizado na Grã-Bretanha", disse ela. "As mesmas leis usadas contra nós tem sido utilizado para desligar as agências de adoção com base na fé"

Fora da corte, a senhora Bull, 66, disse que estava desapontada com a decisão e que ela e o seu marido, 70 anos, vão recorrer com um recurso a uma equipe juridica.
Sr. Bull foi incapaz de comparecer ao Tribunal para o julgamento, pois ele deve se submeter a uma cirurgia de ponte de safena tripla.
“Estamos obviamente decepcionados com o resultado. Nossa política de cama de casal foi baseado em nossa opinião sincera sobre casamento, não a hostilidade a ninguém “, disse ela.
“Foi aplicado de forma igual e consistente para casais heterossexuais e casais homossexuais, como o juiz
“Nós estamos tentando viver e trabalhar de acordo com nossa fé cristã. Como resultado, fomos processados e condenados a pagar £ 3.600.
Sra. Bull acrescentou: “Embora estejamos desapontados pela decisão, somos encorajados por algumas das coisas que disse o juiz.
“Ele disse que sua decisão afeta nossa liberdade religiosa e nos obriga a agir contra nossas crenças mais profundas e genuínas.
“Entretanto, eu sinto que O cristianismo está sendo marginalizado na Grã-Bretanha. As mesmas leis usadas contra nós, têm sido utilizadas para desligar as agências de adoção com base na fé.
“Muito se fala sobre ‘igualdade e diversidade”, mas parece que algumas pessoas são mais privilegiadas que outras. ”
Em uma audiência no mês passado, o Bulls negou o pedido, dizendo que eles têm uma política de longa data de proibição de casais não casados sendo eles heterossexuais e homossexuais, de compartilhar a cama.
Sr. Bull e sua esposa disseram que sua política, operada desde quando compraram o hotel em 1986, é baseado em sua crenças sobre casamento e não uma hostilidade à orientação sexual.
Sra. Bull disse ao tribunal: “Aceitamos que a Bíblia é a Palavra viva de Deus, sagrada e nós nos esforçamos para segui-la, na medida em que somos capazes
“Nós temos um tipo de rotina que passamos com as pessoas. Nunca é foi a nossa intenção ofender de modo que tentamos fazer tudo com graça e o mais util possível. ”
James Dingemans QC, representante do Sr. e a Sra. Bull, disse que eles haviam sido “vilipendiado como objetos de diversão ‘por apenas permitirem casais a se hospedarem em quartos duplos em seu hotel.
Ele disse: “Os réus respeitosamente tem sua política dirigida ao sexo e não à orientação sexual e é legal.
“Sem a proteção da lei eles, simplesmente não seram capazes de operar seus negócios.”
Sr. Preddy disse que ele e Sr. Hall reservaram o quarto do hotel através do telefone e não estavam cientes da política até que eles chegaram e foram informados que não poderiam ficar.
A defesa jurídica Bulls foi apoiada pelo Instituto Cristão enquanto o Sr. Hall e Srr Preddy foram apoiados pela Comissão para a Igualdade e Direitos Humanos.
John Wadham, da Comissão, congratulou-se com a decisão.

Apoio: Os proprietários do hotel Sr. e Sra. Bull recebeu o apoio dos cristãos quando eles compareceram no Tribunal do Condado de Bristol, em dezembro

«O direito de um indivíduo de praticar sua religião e viver as suas crenças é um dos direitos mais fundamentais que uma pessoa pode ter, mas assim que é o direito de não ser afastado por um hotel só porque você é gay”, disse ele.
“A lei funciona nos dois sentidos. Os proprietários do hotel não seram igualmente capazes de afastar as pessoas cujas crenças religiosas discorda.
“Quando os Srs. Bulls optaram em abrir sua casa como um hotel, sua casa tornou-se de privada em uma empresa comercial.
“Esta decisão significa que os padrões da comunidade, e não os privados, deve ser acolhida.”
Após a decisão, o senhor Preddy Hall disse: “Quando fizemos a reserva no hotel, nós só queríamos fazer algo que milhares de outros casais fazem todo fim de semana – ter um relaxante fim de semana.
“Nós verificamos que o hotel nos permitiria trazer nosso cão, mas nem sequer passou por nossas cabeças que em, 2008 teríamos que verificar se seríamos bem-vindos a nós mesmos.”
Ben Summerskill, presidente-executivo da igualdade de campanha do grupo Stonewall, também comemorou a decisão.
Ele disse: “Estamos muito satisfeitos com o desfecho deste caso.
‘Você não pode afastar as pessoas de um hotel porque é negro ou judeu e em 2011 não deverá ser capaz de humilha-los, espulsa-los para longe, porque eles são gays.

 

“A liberdade religiosa não deve ser usado como uma capa para o preconceito.
No entanto Mike Judge, do Instituto Cristão, que financiou a defesa dos Bulls disse: “Esta decisão é mais uma prova de que as leis de igualdade estão sendo usada como uma espada em vez de um escudo.
“Pedro e Hazelmary foram processados com o total apoio do Governo e financiado pela Comissão de Igualdade.

Chymorvah Casa de Maracanaú, onde o casal gay queria ficar

“Cristãos estão sendo postos de lado. O juiz reconhece que sua decisão tem um profundo impacto sobre a liberdade religiosa de Pedro e Hazelmary.

 

Traduzido e Adaptado por: www.padom.com.br

Fonte: DailyMail / www.padom.com.br

Deixe sua opinião