A Ouvidoria do Estado Plurinacional da Bolívia condenou “a falta de ética e responsabilidade” do programa de televisão ‘Sem Mentiras’, da cadeia boliviana PAT, que transmitiu ao vivo a morte de um paciente com coronavírus.

As imagens controversas mostraram, por mais de meia hora , a agonia de um homem não foi identificado, que sofria de parada cardiorrespiratória enquanto os médicos tentavam, sem sucesso, ressuscitá-lo em um hospital de Santa Cruz.

O programa justificou a transmissão da sequência extremamente difícil, alegando a necessidade de denunciar o suposto abandono sofrido pelos profissionais de saúde pelas autoridades do país. Mesmo assim, a rejeição de seu conteúdo foi praticamente unânime.

Essas imagens não podem ser consideradas informações úteis para a sociedade“, disse a ombudsman, Nadia Cruz, que alertou que “além de violar os direitos constitucionais e legais , prejudica a sensibilidade dos telespectadores como um todo”.

“Falta de respeito e humanidade”

Vários profissionais do jornalismo boliviano também expressaram sua rejeição nas redes sociais. 

A editora  Fabiola Chambi,  do jornal Los Tiempos de Cochabamba, expressou em um tweet que a transmissão das imagens controversas “não é apenas uma falta de respeito e humanidade, é uma baixeza e uma ação que deve ser sancionada”. 

Por sua parte, a jornalista   María Silvia Trigo, do jornal El Debe de Santa Cruz, também criticou o conteúdo do programa “Sem Mentiras”. “Que falta de respeito pela família, pelos mortos. Perdemos muitas coisas com esse vírus, também empatia”, comentou no Twitter.

A Ouvidoria também apelou às associações de jornalistas para gerar um “processo de reflexão” que impede que esse tipo de evento aconteça novamente.

Deixe sua opinião