A comunidade LGBT judaica está alcançando grandes avanços, até um quase acordo com a maneira de incluir os judeus transgênicos nas sinagogas, centros de trabalho, escolas e acampamentos de verão. Em novembro, por exemplo a União para Reforma do Judaísmo URJ, aprovou por unanimidade um “Resolução sobre os Direitos dos Transexuais e Pessoas de Gêneros”, segundo publicou a Times of Israel.

Uma recente pesquisa da Pew, mostra que case 90% dos americanos dizem conhecer pessoalmente alguém que é lésbico, gay ou bissexual. No entanto, segundo uma recente pesquisa da Harris Poll, somente 16% dos americanos dizem que conhecem pessoalmente alguém que seja transexual.

A resolução é aguçada para a comunidade religiosa, não importando qual seja medida, insta que todos devem aceitar os direitos e plena igualdade da comunidade LGBT.

O Movimento Judaico Reforma se orgulha de ter adotado a resolução de maior alcance sobre os direitos dos transexuais de qualquer importante organização religiosa. Obrigado a todos nossos representantes por votarem nesta votação histórica!”, disse a URJ em um post em sua página no Facebook.

A Associação Press AP informou, “após a resolução aprovada, a maioria dos milhares de participantes nas conferencia logo após os resultados da votação, a multidão acompanhou com uma ovação de pé”.

A resolução também pede as instituições revisarem seu uso na linguagem nas orações, formas e políticas, assim como fazer convidar as instituições a criar o ritual programático e materiais educativos “que a autonomia destas instituições seja mais inclusiva e aberta as pessoas e todas a identidades de gênero e expressões“.

A resolução insta ainda a adoção e aplicação da legislação e políticas que evitem a discriminação baseada na identidade e expressão de gênero, e a revisão das leis americanas e canadenses para garantir plena igualdade e proteção as pessoas transgênero.

Outras entidades religiosas incluindo a Igreja Episcopal, A Igreja Unida de Cristo, a Associação Unitária Universalista e Associação Reconstrucionista Rabínica, aprovaram resoluções em que afirmam a igualdade das pessoas transgênero, segundo publicou a The Associated Press.

Sabe-se que nem todos os Rabinos judeus aceitam a inclusão de transgênero em suas sinagogas, no entanto, rabinos pro LGBT, asseguram que se trada nada mais de uma questão de educação. Por exemplo, o rabino Heather Milles de Bet Charyim Chadashim, uma sinagoga reformista LGBT no oeste de Los Angeles escreveu: “o tipo de constrangimento e violência verbal que infligem através do poder da caneta e da palavra falada matam“. Outros assinaram em carta publicadas em um diário judeu que Mishá e Guemara reconhecem seis gêneros diferentes que incluem homens, mulheres e diversas combinações dos dois, e que o Torá não é tão estreito sobre o tema, dependendo de como é interpretado.

Portal Padom

com informações de profecialdia

Deixe sua opinião