Debbie Hayton, é uma mulher trans, que foi acusada de transfobia por usar uma camiseta dizendo que ela ainda é um homem.

Um transexual enfrenta a expulsão de um comitê LGBT depois que ele vestiu uma camiseta que afirma que o sexo é fixo e não pode ser alterado.

Debbie Hayton nasceu homem, mas “fez a transição” de homem para mulher quando adulto e agora vive como se fosse uma mulher. No entanto, ele não acredita que a cirurgia tenha mudado sua biologia.

Em julho, ele usava uma camiseta dizendo “Mulheres trans são homens. Supere isso!”, em um evento discutindo o impacto da ideologia de gênero nos direitos das mulheres.

Expulsão

Hayton é membro do Comitê LGBT do Congresso dos Sindicatos (TUC), mas outros membros ficaram irritados com sua camiseta.

Doze membros do comitê escreveram ao Secretário Geral do TUC, dizendo que Hayton havia “ido além do discurso e da expressão de pontos de vista alternativos, e agora está propagando um discurso de ódio contra a comunidade trans”.

Eles também criticaram uma coluna de jornal escrita por Hayton na qual ele disse: “As mulheres trans são biologicamente masculinas – na verdade, ser homem é o único critério de qualificação para ser uma mulher trans”.

Ele agora está enfrentando uma expulsão do comitê.

‘Ridículo’

Hayton vestiu a camiseta em um evento promovido pelo Fair Play for Women, um grupo que afirma que mudar a Lei de Reconhecimento de Gênero para permitir que as pessoas se “identifiquem” de seu sexo ameaçaria os direitos de mulheres e meninas.

O fundador do grupo, Nicola Williams, disse: “As acusações de transfobia são lançadas contra as mulheres com tanta frequência por tão pouco que a palavra perdeu todo o significado.

“Quando até pessoas trans podem ser chamadas de transfóbicas, espero que agora as pessoas entendam o quão ridículo e absurdo esses ataques sempre foram.

“O movimento trans foi sequestrado por extremistas de gênero”.

Deixe sua opinião

WhatsApp
Entre e receba as notícias e artigos do dia