Enquanto o Talibã continua a ganhar controle do Afeganistão após a retirada das tropas americanas, os líderes da igreja cristã clandestina estão alertando sobre as implicações para os grupos religiosos minoritários no país.

Em um comunicado divulgado na terça-feira, o líder da igreja clandestina que ministra aos cristãos no Afeganistão e o fundador da organização sem fins lucrativos Global Catalytic Ministries, que atende pelo pseudônimo de Pastor X, forneceu um “relatório de primeira mão” sobre a situação no país. A declaração foi compartilhada pela Frontier Alliance International, uma organização comprometida em lançar as bases para o Evangelho onde não há nenhum. 

“O Taleban tem uma lista de alvos de cristãos conhecidos que eles almejam perseguir e matar. A Embaixada dos Estados Unidos está extinta e não há mais um lugar seguro para os crentes se refugiarem”, diz a declaração. 

“Todas as fronteiras com os países vizinhos estão fechadas e todos os voos de ida e volta foram interrompidos, com exceção de aviões privados. As pessoas estão fugindo para as montanhas em busca de asilo. Eles dependem totalmente de Deus, que é o único que pode e irá protegê-los.”

A declaração observou que “o Talibã está indo de porta em porta levando mulheres e crianças”.

“As pessoas devem marcar sua casa com um ‘X’ se tiverem uma menina com mais de 12 anos, para que o Talibã possa levá-las. Se encontrarem uma menina e a casa não estiver marcada, eles vão executar a família inteira”, acrescentou o comunicado. “Se uma mulher casada de 25 anos ou mais for encontrada, o Talibã imediatamente mata seu marido, faz o que quer com ela e depois a vende como escrava sexual”.

Além disso, o Pastor X afirmou que “os maridos e pais deram armas às suas esposas e filhas e disseram-lhes que quando o Talibã vier, eles podem escolher matá-los ou suicidar-se – é a escolha delas”. 

Leia também!  Estado Islâmico planeja matar milhões de cristãos com bomba nuclear

Em um comunicado divulgado na terça-feira e compartilhado com o The Christian Post, Rex Rogers, o presidente do ministério de mídia cristã sem fins lucrativos SAT-7, discorreu sobre os perigos enfrentados pelos cristãos.

“Estamos ouvindo de fontes confiáveis ??que o Talibã exige os telefones das pessoas e, se eles encontrarem uma Bíblia baixada em seu dispositivo, irão matá-lo imediatamente”, disse Rogers. 

“É incrivelmente perigoso agora para os afegãos ter algo cristão em seus telefones. O Taleban tem espiões e informantes em todos os lugares. “

Com a tomada do Talibã, o SAT-7 relata que muitos afegãos começaram a se censurar para evitar “retaliação”. Nos primeiros seis meses de 2021, o SAT-7 PARS relatou um aumento no envolvimento do público por parte dos telespectadores no Afeganistão. O SAT-7 PARS transmite dois programas dari dirigidos aos telespectadores afegãos intitulados “Janela de Luz” e “Segredo da Vida”.

Em uma atualização na quinta-feira, o SAT-7 relatou que um telespectador anônimo do SAT-7 PARS disse à organização que os cristãos “estão em perigo real”.

“Infelizmente, nos últimos dois ou três dias, minha família e eu recebemos ameaças de morte”, disse o telespectador. “Nesta situação de emergência, não tenho outra maneira a não ser fugir do país.”

Outro espectador que veio a Cristo há cerca de um ano atrás disse ao SAT-7 que a situação é “terrível”. 

” A vida de minha filha e minha vida estão em perigo”, disse o telespectador. “Minha filha tem 8 anos. Ela não tem mais ninguém além de mim. Foi tão difícil encontrar um telefone para entrar em contato com você.”

Joel Richardson, pregador e apresentador do podcast “The Underground”, explicou na segunda-feira que “Nas aldeias rurais, o que o Talibã está fazendo… especialmente se eles sabem que as famílias são cristãs, ou seja, infiéis, eles estão levando as mulheres que são… adolescentes e mais jovens e distribuindo-as como prêmios ”aos combatentes do Talibã. De acordo com Richardson, não são apenas os cristãos afegãos que correm perigo devido ao ressurgimento do Taleban. 

Leia também!  China poderá ter 300 milhões de cristãos até 2030, deixando Xi Jinping temeroso

O Talibã também voltou sua atenção para os afegãos que demonstraram qualquer lealdade aos EUA nas últimas duas décadas. “Dezenas de milhares de afegãos que trabalharam com os militares americanos como tradutores, que faziam parte do governo, muitos deles estão sendo alvejados, executados”, disse ele. 

À medida que o Talibã ganha terreno no Afeganistão, líderes de agências cristãs sem fins lucrativos e pastores conclamam os americanos e a comunidade internacional como um todo a orar pelos cristãos no Afeganistão. Oficiais de agências religiosas de reassentamento de refugiados pediram ao governo dos EUA que admitisse dezenas de milhares de cristãos afegãos e “afegãos afiliados aos americanos” como refugiados.

Embora os líderes de organizações cristãs concordam que os cristãos, outras minorias religiosas e mulheres enfrentarão uma perseguição muito mais forte com o Taleban no controle, eles discordam sobre o grau de progresso feito no Afeganistão antes da retirada das tropas americanas.  

O pastor X lamentou que “20 anos de trabalho e o fortalecimento de uma nação sendo destruída em um único dia”, enquanto o secretário-geral da Aliança Evangélica Mundial, o bispo Thomas Schirrmacher, enfatizou que “não devemos fingir que tudo estava bem no Afeganistão antes do Talibã assumir o controle do país.” Schirrmacher afirmou que, porque “a constituição de 2004 afirmava que o Afeganistão é uma república islâmica com o Islã como religião oficial”, as minorias religiosas nunca receberam direitos iguais no país.

Com o Talibã em marcha no Afeganistão, o Global Catalytic Ministries lançou um “baú de guerra” para os cristãos no Afeganistão que visa fornecer “fundos de emergência e suprimentos para ajudá-los a chegar à segurança”, bem como comida, água, abrigo e outras necessidades básicas. A organização espera arrecadar US $ 500.000 para 1.500 famílias entre agora e 11 de setembro, que marca o 20º aniversário dos ataques terroristas de 11 de setembro que levaram os EUA a se envolverem militarmente no Afeganistão para combater a Al Qaeda. 

Deixe sua opinião