(Gênesis 35:1) – DEPOIS disse Deus a Jacó: Levanta-te, sobe a Betel, e habita ali; e faze ali um altar ao Deus que te apareceu, quando fugiste da face de Esaú teu irmão.

Jacó é um dos maiores mal entendidos da história. É considerado um mau elemento erroneamente. E alguns preconceitos sobre Jacó devem ser quebrados. Jacó é o terceiro elemento dentro da base patriarcal de Israel (1º. Abraão – 2º. Isaque), uma das sete dispensações bíblicas, no caso a 4ª., A Era Patriarcal.

A Era Patriarcal é aonde surge a escolha de uma pessoa, de um povo, um Deus único, invisível, mas real.

A Bíblia enfoca os três de maneira diferenciada. Se fossemos elaborar um gráfico de cada um, poderíamos notar diferenças claras.

Abraão é o pai da fé monoteísta. Um homem que teve alguns percalços, mas manteve-se fiel a Deus nos seus propósitos e é o único respeitado pelas três maiores religiões do mundo.

Isaque se fôssemos traçar um gráfico dele, veríamos um gráfico em uma linha reta, um dos homens mais estáveis que o mundo conheceu.

Jacó já teria um gráfico te altos e baixos. Retratando assim, o mais humano dos três patriarcas. Talvez pelo fato da Bíblia mostrar seus altos e baixos e por algum erro de interpretação, alguém pode considerá-lo um mau elemento, o que não é verdade. Consideram-no um usurpador, um trapaceiro, um enganador e deram esses significados para o seu nome. Por quê?

Porque em Genesis 25.26 diz que ele veio agarrado ao calcanhar de seu irmão. E quem disse que isso significava que Jacó era um usurpador ou que demonstrava que teria um caráter desse nível? Entendemos que Jacó na verdade estava tendo a percepção dentro do ventre de sua mãe e deixando uma mensagem para o mundo: “Eu nasci em segundo, mas sempre vou lutar para ser primeiro e não vou abrir mão disso!”

Dizem que Jacó roubou a benção de seu irmão, mas onde está escrito isso? Ele comprou. Pagou barato, mas comprou!

A partir do capítulo 28 Jacó tem que sair da casa de seus pais para não morrer nas mãos de seu irmão Esaú. Parte de Berseba à Harã (cerca de 1.050 km) só que no meio do caminho (no deserto) ao anoitecer Jacó pára para descansar e toma uma pedra como travesseiro. Tem um sonho com uma escada e anjos de Deus subindo e descendo com a confirmação da promessa de Deus feita à seu pai.  A história avança e após o reencontro com seu irmão Esaú (após selarem a paz), Jacó resolve montar suas tendas na cidade de Siquém. Ao chegar, sua filha Diná resolve sair para conhecer o local, quando então, o príncipe daquela cidade que tinha o mesmo nome (Siquém) ao vê-la abusa sexualmente dela e a humilha. Diná volta para a tenda de seu pai humilhada e desonrada e isso chega ao conhecimento de toda a família. Seu pai Jacó fica calado, seus irmãos Simeão e Levi revoltados, montam uma estratégia para enganar o príncipe, seu pai (Hamor) e os demais homens daquela cidade com a intenção de matá-los, o que de fato acontece. Após a sua omissão e ao ver a precipitação dos seus filhos, Jacó temeu em ver sua família morta porque certamente os povos vizinhos iriam querer se vingar.

Baseado nessa narrativa quero fazer algumas considerações.

Jacó e sua família faziam parte do povo escolhido por Deus. Eles eram para estar separados de outros povos, longe de qualquer tipo de mistura natural ou espiritual, mas isso não significava dizer que eram melhores do que os outros e que estavam isentos de sofrerem qualquer tipo de dificuldade ou ataque inimigo. Ao entrarmos em terreno desconhecido, estranho, precisamos estar atentos ao que está ao nosso redor. Não podemos achar que somos super-heróis e querermos enfrentar certos inimigos de frente achando que somos melhores e que nada de mal poderá nos acontecer ou dar errado.

Ao buscarem vingança Simeão e Levi cometeram pecado tanto quanto o príncipe Siquém. Mentiram, roubaram e assassinaram várias pessoas. E a Bíblia diz no Salmo 42.7 que um abismo chama outro abismo.

O desejo de justiça era legítimo, mas a forma era equivocada. Nós estamos nesse mundo, mas não somos daqui, portanto as nossas armas não devem ser as naturais, as carregadas de sentimentos humanos, mas as nossas armas devem ser as espirituais, as sobrenaturais (Efésios 6:12) – Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais. Caso contrário, corremos o risco de nos igualarmos àqueles que só sabem resolver suas questões na base da força e da violência. Não é fácil, mas devemos pedir graça ao Senhor para não nos desviarmos do foco de Cristo em nossa vida.

Porque desejaram o que era certo, mas da forma errada, Simeão e Levi perderam a sua parte da Terra Prometida. Isso nos deixa uma lição: Quem deseja o que é certo, mas busca da maneira errada, perde a benção.

A precipitação de Simeão e Levi teve uma causa e qual foi? A omissão de Jacó. Ao ver a reação de seus filhos Jacó permaneceu calado e não tomou as rédeas da situação. Não podemos delegar aos outros aquilo que é uma responsabilidade nossa. Não podemos transferir para terceiros aquilo que compete a nós decidirmos. Não se omita diante de um problema, de uma adversidade e nem transfira para os outros aquilo que somente você pode e tem capacidade para realizar. Todo problema tem que ter uma solução. A omissão significa a fuga de uma tomada de decisão. E a omissão não significa que o problema foi resolvido, ele foi apenas postergado. E todo problema postergado continuará exigindo uma resposta.

O problema é que quando nos omitimos não utilizamos o tempo para uma busca de solução e como a solução é algo inevitável a probabilidade de tomarmos decisões precipitadas aumenta consideravelmente.

Entendo que Jacó em meio aquele sentimento de revolta tinha que ter dado um basta e dito: “Chega… parem… eu sou o chefe da casa… eu sou a cabeça da família… quem decide sou eu… vocês não farão nada até eu decidir o que fazer…”

A precipitação dos filhos de Jacó poderia trazer uma grande tragédia para dentro da sua família.  A precipitação dentro de um casamento, de um relacionamento social, profissional, no relacionamento com filhos, ministerial pode trazer conseqüências graves para nossa vida. É uma palavra mal colocada, uma atitude impensada, uma ordem mal dada, um comentário impróprio para o momento e tudo pode ir por água abaixo.

Toda precipitação deixa uma seqüela.

Abraão por causa da sua precipitação em deitar-se com Hagar para ter um filho gerou conseqüência e que deixou uma seqüela que é sentida até hoje porque o conflito dos árabes com judeus teve origem em Ismael e Isaque e se alongam até os dias de hoje. Milhares e milhares de pessoas já morreram e continuam morrendo por conta desse conflito.

Mas Deus sempre tem um escape, um livramento, um milagre. Jacó recorreu a Deus e ao olhar para o quadro de Jacó Deus intervém e diz para ele: “Levanta-te Jacó…”

E quando eu leio isso eu entendo uma verdade espiritual para nossa vida que é a de que Deus não tem negócio, Deus não ajuda Deus não move o sobrenatural, para quem fica prostrado. Para quem se dá por vencido. Deus disse: “Levanta-te…”

É a mesma coisa que Ele te diz nesse momento: “Levanta-te!”

Não adianta ficar olhando para o passado, não adianta ficar olhando para quem te magoou te enganou, te feriu. Não adianta ficar lamentando a perda de alguém que um dia foi exemplo para você. A partir de hoje Deus diz: “Agora é contigo…” Foi a mesma coisa que Ele disse a Josué: (Josué 1:2) – Moisés, meu servo, é morto; levanta-te pois agora, passa este Jordão, tu e todo este povo, para a terra que eu dou aos filhos de Israel. É como se Deus estivesse falando a Josué: “Garoto, Moisés já cumpriu com o seu papel, agora é com você…” “A partir de agora um novo capítulo será escrito na sua vida, na sua história e na história desse povo que agora está sob sua responsabilidade.

Não importa que tipo de problema você esteja passando, que conseqüências você está sofrendo fruto de sua precipitação e que seqüelas foram deixadas. Deus te dá uma ordem para se levantar e quando Ele dá essa ordem é porque o milagre vai acontecer.

Josué não se omitiu diante de um chamado de Deus. Diante de uma ordem de Deus. Diante de uma responsabilidade confiada por Deus.

E você?

Vai se omitir ou vai se levantar?

Depois de mandar Jacó se levantar, o manda subir à Betel. Jacó já tinha estado em Betel. Foi exatamente quando Deus lhe deu o sonho da escada com anjos subindo e descendo.

Por que Deus mandou Jacó subir de novo à Betel?

Jacó entendeu a mensagem de Deus em uma única fala Gn. 35.1. Ao entender a mensagem de Deus Jacó percebeu que era necessário rever a maneira como as coisas estavam sendo conduzidas e tomar algumas providencias. O comportamento dos seus filhos era o reflexo de que algo estava errado. (Gênesis 35:2) – Então disse Jacó à sua família, e a todos os que com ele estavam: Tirai os deuses estranhos, que há no meio de vós, e purificai-vos, e mudai as vossas vestes.

1ª. Providencia: TIRAR DEUSES ESTRANHOS – Os ídolos destroem nossa vida se não nos livrarmos deles. Ídolo não é somente uma imagem de madeira, argila ou gesso. Ídolo é tudo aquilo que toma o lugar de Deus em nossa vida.

2ª. Providencia: PURIFICAR-SE – A idolatria trouxe contaminação para a vida espiritual daquela família que se manifestou no natural. (I João 1:9) – Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça.

3ª. Providencia: MUDAR AS VESTES – A idolatria deixou manchada a vida espiritual daquela família impedindo o sobrenatural de Deus de se manifestar. (Gênesis 39:9) – Ninguém há maior do que eu nesta casa, e nenhuma coisa me vedou, senão a ti, porquanto tu és sua mulher; como pois faria eu tamanha maldade, e pecaria contra Deus?

(Gênesis 39:12) – E ela lhe pegou pela sua roupa, dizendo: Deita-te comigo. E ele deixou a sua roupa na mão dela, e fugiu, e saiu para fora.

José do Egito não deixou que o pecado manchasse suas vestes. Por isso Deus o exaltou sobremaneira.

Depois de tomadas as providências Jacó então sobe à Betel mais uma vez. Por quê?

A revelação de Deus nos mostra que na primeira vez após receber a confirmação da promessa de Deus, Jacó derramou azeite sobre aquela pedra levantando-a como coluna.

 A Bíblia diz que nós somos o templo do Espírito Santo e não existe templo somente com colunas e unção, tem que ter altar.

Agora Deus ordena que ele suba de novo para levantar um altar. E o que seria hoje esse altar?  A nossa vida! 

Existem muitas pessoas hoje em dia que estão sem expectativas, sem sonhos, sem esperança, que estão paralisadas na vida, que estão morrendo porque se omitiram, se precipitaram, trouxeram a idolatria para dentro de sua vida, envolveram-se com práticas pecaminosas, crimes, drogas, prostituição, adultério, falcatruas, mentiras. Engana-se quem pensa que isso ocorre somente com ímpios, isso tem ocorrido também com alguns crentes. E isso tem uma razão.

 A razão é porque essas pessoas não fizeram da sua vida verdadeiramente um altar aonde Deus pudesse ser honrado, exaltado, adorado e onde pudessem vê-lo operar. Fazer da sua vida um altar é muito mais do que vir à igreja, entoar cânticos ao Senhor e ouvir uma mensagem. Fazer da sua vida um altar para Deus é ter atitudes em conformidade com a Palavra do Senhor, é ser de fato um homem e uma mulher de Deus. É ser compromissado com a visão do Reino. Saber que Deus está presente é diferente de desfrutar da sua presença. E só desfruta da presença de Deus quem se coloca como altar de Deus.

 Jacó subiu de novo à Betel, levantou o altar e nada de mal aconteceu à sua família.

Se você quiser ver Deus operar na sua vida, renovando suas forças, trazendo de volta a esperança, restituindo o que um dia lhe foi roubado, curando suas enfermidades, realizando sonhos, concretizando projetos, fazendo deslanchar o seu ministério, guardando a sua vida e de sua família, faça da sua vida verdadeiramente um altar aonde Ele possa habitar.

Jesus disse: Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo. (Apocalipse 3:20).

O desejo de Jesus é que você faça do seu coração e da sua mente um altar onde ele possa habitar, manifestar a sua graça e poder na sua vida, na sua casa, no seio de sua familia e você desfrutará da Sua presença.

Nele, por Ele, para Ele.

Pr. André Lepre

Deixe sua opinião