Egito – Segundo o Christian Solidarity International, os cristãos coptas, por serem a maior comunidade cristã do Oriente Médio, tem sofrido um aumento de violência e discriminação, por muçulmanos que tem queimado igrejas e abusado de mulheres cristãs, com o intuito de leva-las a se converter ao islamismo.

Ann, uma cristã copta, que foi abusada por muçulmanos, conta em uma audiência em Washington, atrás de uma parede, para poder esconder sua identidade, que só conseguiu sobreviver no Cairo, porque conseguiu proteção da Embaixada dos Estados Unidos. Durante seu relato para comissão parlamentar, ela revelou ao auditório que no ano passado ele teve muita sorte em escapar de um sequestro, mas lamentou que dezenas de mulheres não tiveram a mesma sorte que ela.

“Eu continuo me perguntando, onde eu estaria agora se esses homens não tivessem me poupado”, disse Ann.

De acordo com Michele Clark, membro da Christian Solidarity, disse que os muçulmanos além de tentar violência física, eles tem estratégias mais audaciosas, ou seja, tentam realizar a força casamentos com mulheres cristãs, outros tentam seduzi-las com o objetivo de faze-las  se converterem ao islã e poderem se casar. “Eles vão e fazem com que as meninas se apaixonem por eles”, disse Michele.

Ann termina seu relato na conferencia dizendo que “Ainda hoje quando penso no assunto agradeço a Deus por ter sido poupada… Mas então eu penso sobre nas outras pessoas que não foram poupadas. O que aconteceu com elas?”.

Portal Padom

Com informações Gospel Prime e CBN News

Deixe sua opinião