Seis tele-evangelistas sob à mira da lei

0
142

O senador norte-americano de Iowa, Chuck Grassley, liderou a investigação sobre as fortunas de seis tele-evangelistas, tentando esclarecer se haviam se aproveitado pessoalmente das isenções de impostos para as igrejas.
Depois de três anos de trabalho, não foram encontradas provas incriminatórias. A contribuição dos investigadores agiu de forma diferente e, por isso, não permite extrair conclusões claras para todos os casos.
Grassley explicou que “o setor isento de impostos é tão grande que, de tempo em tempo, certas práticas chamam a atenção pública”. O legislador acrescentou que o seu objetivo é que os grupos isentos de impostos prestem contas de uma forma melhor.

A INVESTIGAÇÃO
O senador republicano solicitou a seis conhecidos tele-evangelistas – Kenneth Copeland, Benny Hinn, Paula White, Joyce Meyer, Creflo Dollar e Eddie Long –, no dia 5 de novembro de 2007, que fornecessem informações para que fosse constatada a transparência financeira de suas organizações que, na sua maioria, se nutrem de donativos e estão livres de impostos.
A investigação surgiu depois de ser publicado em vários meios de comunicação que esses líderes cristãos tinham salários milionários e benefícios espetaculares, como Jets Skis particulares e Rolls-Royces, enquanto viviam na abundância de bens e não pagavam impostos.
Essa informação foi sustentada pela denúncia de duas organizações cristãs, Trinity Foundation e Ministry Watch, devido à possessão de artigos de luxo e outros de grande valor que não foram declarados como pessoais, mas que, afirmaram as entidades, na prática, sim, são utilizados para fins pessoais. Essa circunstância poderia resultar num delito de evasão de impostos por parte dos investigados, algo que não foi constatado.
De todas as pessoas mencionadas, só Joyce Meyer e Benny Hinn colaboraram com a investigação financeira aberta, dentre os seis tele-evangelistas. No caso de Copeland, chegou ao ponto de negar a sua isenção de impostos, por causa de seu Jet Ski particular, diante da escassa colaboração dada na investigação.
Em todo caso, os seis ministérios alegaram não ter atividades ilegais. Meyer e Hinn disseram a Grassley que haviam realizado mudanças na forma em que dirigiam seus ministérios, por uma maior transparência. Os demais, não disponibilizaram uma informação completa sobre as suas finanças, questionando se Grassley tinha autoridade para conduzir tal investigação.

SOB À MIRA DA LEI
Entretanto, o Conselho Evangélico de Responsabilidade Financeira (ECFA, sigla em inglês), uma organização nacional de qualificações financeiras para igrejas e outras organizações religiosas, anunciará, muito em breve, a formação de uma nova comissão de vigilância nacional.
A comissão independente será formada a pedido do senador Grassley para que o ECFA “realize uma revisão e disponibilize informações sobre assuntos de transparência, responsabilidade e políticas financeiras que afetam à Igreja”.
Tradução e Edição: Gospel Prime

Fonte: Protestante Digital / www.padom.com.br

Deixe sua opinião

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui