O Evangelho de João é único dos “evangelhos sinóticos” (Mateus, Marcos e Lucas), assim chamados devido ao seu conteúdo similar. Os sinóticos cobrem muitos dos mesmos milagres, parábolas e eventos da vida e ministério de Jesus.

Há muita sobreposição, repetição e até algumas passagens paralelas quase idênticas. De um modo geral, os sinóticos nos dizem o que Jesus disse e fez; João nos diz quem é Jesus.

Os sinóticos se concentram nos sinais e ditos de Cristo; João enfatiza a identidade de Cristo. O pai da igreja primitiva Clemente de Alexandria chamou João de “o Evangelho espiritual” por causa de sua profunda percepção da divindade de Jesus.

Observe estas características únicas do Evangelho de João:

Existem apenas oito milagres registrados em João, seis dos quais são peculiares ao livro (não encontrados em outras partes das Escrituras). Compare isso com Marcos, que detalha cerca de 20 milagres e menciona mais 10.

Não há parábolas em João. Compare isso com cerca de 15 em Mateus, nove em Marcos e mais de 35 em Lucas.

Existem nove metáforas (figuras de linguagem ou ilustrações) usadas por João para descrever Jesus (isto é, Pão da Vida, Água Viva, Luz do Mundo, Porta, Bom Pastor, Videira Verdadeira e assim por diante).

Cada capítulo em João fornece um retrato separado de quem é Cristo e o que Ele faz, dando-nos uma maior percepção do Seu caráter e natureza.

João registrou conversas detalhadas que Jesus realizou com os indivíduos – Nicodemos (3), a mulher samaritana (4), Marta (11), Maria Madalena (20), Pedro (21).

Mais de um terço do Evangelho de João (capítulos 12-19) cobre a última semana da vida de Jesus.

As nove afirmações “eu sou” de Jesus:

  1. Eu sou o Pão da Vida / Pão Vivo (João 6:35, 48, 51).
  2. Eu sou a Luz do Mundo (João 8:12; 9: 5).
  3. Antes de Abraão, eu sou (João 8:58).
  4. Eu sou a porta (João 10: 7, 9).
  5. Eu sou o Bom Pastor (João 10:11, 14).
  6. Eu sou a ressurreição e a vida (João 11:25).
  7. Eu sou o caminho, a verdade e a vida (João 14: 6).
  8. Eu sou a verdadeira videira (João 15: 1, 5).
  9. Eu sou Ele (João 18: 5-6).


João continuou este tema no Livro do Apocalipse:

  1. Eu sou o Alfa e o Ômega (Apocalipse 1: 8, 11; 22:13).
  2. Eu sou o começo e o fim (Apoc. 1: 8; 22:13).
  3. Eu sou o primeiro e o último (Ap 1:11; 22:13).
  4. am Quem vive embora ele estava morto (Ap 1:18).
  5. Eu sou aquele que busca os corações e mentes (Ap 2:23).
  6. Eu sou a raiz e a descendência de Davi (Ap 22:16).
  7. Eu sou o Brilhante Estrela Matutino (Apocalipse 22:16).

Nos escritos de João, você encontrar uma conexão direta entre o Senhor EU SOU do Antigo Testamento e de Jesus eu estou no Novo Testamento. Quando Moisés perguntou a Deus qual era o seu nome na sarça ardente, “Deus disse a Moisés: EU SOU O QUE SOU e disse: ‘direis aos filhos de Israel:’ Eu direi aos filhos de Israel, EU SOU me enviou a você “(Ex. 3: 14a, NKJV).

Eu sou o auto-existente, o eterno e expressa a imutabilidade do caráter de Deus. Ele transcende o passado, o presente e o futuro – sempre foi, sempre é e sempre será Deus. Preencha o espaço em branco; o que você precisa de Deus, Ele é isso! Eu sou _ … Salvador, curador, Libertador, Redentor, provedor, santificador, justificador, justiça, amor, alegria, paz e assim por diante.

João é chamado de “O Revelador” porque, entre outras coisas, ele revelou a verdadeira identidade de Cristo em maior profundidade do que qualquer outro autor da Bíblia.

João se aproximou de Jesus mais do que qualquer outro discípulo e recebeu uma visão mais profunda de Sua natureza divina. Note, João não começou seu Evangelho com o nascimento de Cristo como Mateus e Lucas fizeram. De fato, ele não mencionou nada sobre a história da natividade ou a viagem de Maria e José a Belém para serem taxados e contados.

Em vez disso, ele foi todo o caminho de volta para a origem “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus” (João 1: 1, MEV). João revelou a divindade de Cristo no primeiro versículo do seu Evangelho.

Veja, Jesus não se tornou o Filho de Deus quando nasceu de uma virgem há 2.000 anos. Não, Ele sempre foi o eterno e preexistente Filho de Deus. Ele simplesmente assumiu um corpo humano no ventre de Maria – “O Verbo se fez carne e habitou entre nós” (João 1: 14a). Mateus traçou a ascendência de Jesus de volta para Abraão (Mateus 1: 1b), Lucas remonta a Adão (Lucas 3:38), mas João remonta a Deus Pai, na eternidade passada.

Além disso, ele revelou como Cristo antecede o tempo e a criação e foi um co-Criador com Seu Pai – “Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram criadas por Ele, e sem Ele nada foi criado” (João 1: 2-3). Paulo concordou com essa afirmação (Colossenses 1: 14-19).

João prestou atenção quando outros não o fizeram e destacou pessoas a quem Jesus revelou Sua messianidade: André (1: 40-41), Natanael (1:49), a mulher samaritana (4: 25-26), muitos samaritanos (4: 39-42), o homem cego de nascença (9: 35-38), Marta (11:27) e Tomé (20:28). João também incluiu declarações sutis quando Cristo compartilhou Sua divindade, como: “Meu pai e eu somos um” (João 10:30) e “Aquele que me viu viu o Pai” (João 14: 9b). João declarou claramente o propósito do seu Evangelho: “Mas estes estão escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome” (João 20:31).

João apresentou a Cristo de maneira tão persuasiva que seus leitores crêem e recebem a vida eterna por meio dele. Isto é óbvio pelas palavras-chave “acredite” (52 vezes), “acreditou” (27 vezes), “crê” (17 vezes em KJV) e “acreditando” (duas vezes). João usou alguma forma da palavra “crer” 98 vezes em seu relato, provando que a fé em Cristo é essencial para a salvação.

João era como um mecânico que abre um capô de carro para ver o que o faz funcionar. No processo, ele recebeu um pouco de óleo (unção) em cima dele. Lembre-se, João literalmente deitou a cabeça no peito de Jesus e ouviu a pulsação de Deus (João 13: 23-25). Os evangelhos sinóticos nos informam do que Jesus disse e fez; O Evangelho de João se aprofunda e nos diz quem é Jesus. João começou como um pescador ignorante (Atos 4:13), mas depois de passar um tempo prolongado com Jesus, ele se transformou em um homem em uma missão para contar ao mundo sobre o homem-Deus que ele conheceu nas praias da Galiléia. CS Lewis disse bem: “O Filho de Deus tornou-se homem para capacitar os homens a se tornarem filhos de Deus”.

por: Ben Godwin é o autor de quatro livros e pastores da Igreja do Evangelho Pleno de Goodsprings.
traduzido e adaptado por: Pb. Thiago Dearo

Deixe sua opinião

WhatsApp
Entre e receba as notícias e artigos do dia