Seth Mahiga frequenta um culto na Life Church International em Nairobi, Quênia, após renunciar ao cargo de secretário do grupo Ateus no Quênia. | Captura de tela: YouTube / Elevate TV
Seth Mahiga frequenta um culto na Life Church International em Nairobi, Quênia, após renunciar ao cargo de secretário do grupo Ateus no Quênia. | Captura de tela: YouTube / Elevate TV

Um membro de um grupo ateu queniano abandonou seu posto de liderança dentro da organização depois de encontrar fé em Jesus Cristo, anunciou a organização.

O grupo Atheists in Kenya Society revelou no Twitter no sábado que seu secretário, Seth Mahiga, “tomou a decisão de renunciar ao cargo de secretário de nossa sociedade”.

A organização explicou que “o motivo da renúncia de Seth é que ele encontrou Jesus Cristo e não está mais interessado em promover o ateísmo no Quênia”.

Em um comunicado, o presidente da Sociedade dos Ateus no Quênia, Harrison Mumia, estendeu seus melhores votos ao ex-secretário do grupo.

“Desejamos a Seth tudo de melhor em seu novo relacionamento com Jesus Cristo”, escreveu Mumia. “Agradecemos a ele por ter servido à sociedade com dedicação nos últimos um ano e meio”.

No entanto, Mumia adotou um tom ligeiramente diferente em uma postagem no Twitter no domingo.

“É um dia triste para a Sociedade dos Ateus no Quênia. Nosso secretário, Seth Mahiga, renunciou dizendo que encontrou Jesus. Lol!”

A sigla LOL é uma gíria em inglês que representa a abreviação da expressão “laughing out loud”, e em português significa algo como rindo muito alto, rolando de rir, etc.

Dr. Willy Mutunga, o ex-presidente da Justiça do Quênia, respondeu a esse tweet lembrando Mumia que “o Artigo 32 (1) de nossa Constituição prevê: Toda pessoa tem direito à liberdade de consciência, religião, pensamento, crença e opinião”. De acordo com Mutunga, “Esta disposição não é motivo de riso.”

No domingo, Atheists in Kenya Society postou um vídeo de Mahiga anunciando sua renúncia do grupo a uma congregação de fiéis da Life Church International Nairobi em sua página do Twitter.

“Tenho passado por algumas dificuldades na vida e resolvi renunciar ao cargo de secretário. Estou muito feliz por estar aqui”, disse ele.

Em uma versão estendida do vídeo, postado no YouTube, o pastor da Life Church International se referiu a Mahiga como seu “irmão” e pediu-lhe que se curvasse e dissesse “Jesus é o Senhor”.

Quando Mahiga se ajoelhou na frente da igreja, a congregação explodiu em aplausos.

Enquanto Mahiga permanecia ajoelhado, o pastor pediu à congregação que orasse por “todas as pessoas que estão nas trevas e todos os ateus que dizem que Deus não existe”.

Ele pediu que “a graça de Deus chegue onde quer que eles estejam agora, no poderoso nome de Jesus”.

A Sociedade Ateus no Quênia anunciou em sua página do Facebook na segunda-feira que Emmah Shisoka havia assumido o papel de secretária. O grupo, formalmente registrado pelo governo do Quênia em 2016, trabalha para “transformar a sociedade em uma que valorize a razão, a racionalidade, a honestidade, a clareza e a bondade”.

Inicialmente, o governo do Quênia expressou hesitação em reconhecer os ateus na Sociedade do Quênia, citando preocupações sobre o impacto da organização sobre “os interesses da paz e do bem-estar ou da boa ordem no Quênia”. Em 2018, a Sociedade Ateus no Quênia exigiu que o governo declarasse o dia 17 de fevereiro como o “Dia do Ateu” para reconhecer o registro da organização no governo do Quênia.

“Os quenianos que não acreditam em deus ou deuses também merecem férias”, argumentou Daisy Siongok, a vice-presidente da sociedade na época.

Conforme previsto por Siongok, o “Dia do Ateísmo” consistiria em “Desfiles sem Deus em vários países” e um esforço para “aumentar a consciência sobre o ateísmo no Quênia”. Além disso, ela afirmou que o “Dia do Ateu” iria “promover a liberdade de religião como um direito humano no Quênia”.

Além de Mahiga, muitos outros ateus se apresentaram para compartilhar suas histórias de conversão. Durante uma aparição em um podcast no início deste ano, Chet Hanks, filho do ator Tom Hanks, detalhou como um encontro com Deus durante uma caminhada de um dia em Utah quando ele tinha 17 anos o levou a sua conversão do ateísmo.

Outro ex-ateu, Lee Strobel, escreveu um livro inteiro detalhando sua conversão ao cristianismo chamado The Case for Christ . Strobel, um ex-repórter do Chicago Tribune, inicialmente tentou refutar a existência de Jesus Cristo, mas acabou falhando e se tornando um cristão. Em 2017, foi lançada uma adaptação cinematográfica de seu popular livro.

Deixe sua opinião